10 Perguntas

10 perguntas que você sempre quis fazer a uma pessoa com o vírus HIV

Você transa sem camisinha?

por Bruno Costa
03 Dezembro 2018, 9:00am

Trindade é ativista e está dando os primeiros passos na música como rapper. Fotos por Maria Paula Kemmer / VICE Brasil

Trindade é carioca radicado em São Paulo. Leva uma vida normal como qualquer jovem de 26 anos. Conheceu o rap nos anos 2000 ao ouvir os sons na rádio. Começou a escrever algumas letras aos 14 anos e em 2016 compôs a música Rap da Adesão. Só se deu conta do que era ativismo e política agora em 2018. Trindade é HIV positivo. Nunca precisou contar para a família que convive com o vírus. A transmissão vertical veio de sua mãe.

Ele participa do Viva Melhor Sabendo Jovem, uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), do Instituto Cultural Barong e o Programa Municipal de DST/AIDS (PM DST/AIDS), da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo. Um trampo composto por jovens que abordam outros jovens para realizar testagens e esclarecer o que é o vírus HIV e a aids.

Como ativista, Trindade sabe que seu papel também é levar informações sobre o que é o vírus, contaminação e prevenção. Sendo assim, perguntamos se ele toparia responder 10 perguntas que você sempre quis fazer a uma pessoa que vive com o vírus do HIV. Saca só:

Como você descobriu que vivia com o vírus HIV?
Eu descobri com a minha avó contando aquela bela historinha do bichinho que eu tenho no sangue e que eu tomava remédio para tratar esse bichinho. Ela me contou aos oito anos de idade.

Você tem medo de engravidar uma mulher?
Hoje, na vida que eu levo, como eu não tenho uma renda fixa, eu tenho medo de engravidar uma mulher, mas quem sabe daqui pra frente, com o tempo, quando eu tiver uma renda fixa e boa eu não tenha mais esse medo. Quem sabe no futuro isso deixa de ser uma preocupação.

Quais os piores efeitos colaterais dos coquetéis?
Os piores efeitos colaterais foram do remédio Efavirenz, ele me dava tontura, pesadelos realistas, surreais, fora o mal no estômago e diversos efeitos como dor de cabeça, boca seca, garganta seca. Pior remédio com os piores efeitos colaterais é o Efavirenz

Você transa sem camisinha?
Sim e não. Eu não tenho problema com isso, mas eu não indico fazer sem. Estou com o vírus indetectável ou seja, intransmissível, por isso tenho essa liberdade de ter relação sem camisinha

Como você se imagina com 60 anos de idade?
Bom, eu não sei. Acho que espero ter realizado todos os meus desejos e vontades até lá. Estar com a minha família. Mas eu não fico pensando nisso porque eu não acho que seja algo que importa, o que importa é o agora que vai definir o que vai ser lá na frente, então não fico pensando nisso.

O que mudou na sua vida ao conviver com o vírus?
Bom, não muda nada. Só a visão que é diferente. Acho que a forma que eu trato a minha saúde é diferente. É só isso.

1543604804571-retrato-hiv-11984
Foto: Maria Paula Kemmer / VICE Brasil

Como suas parceiras reagiram quando você contou que convivia com o vírus?
Bom, antigamente eu não contava que eu tinha o vírus. Hoje em dia eu falo abertamente e não tenho problema em contar para as meninas com quem me relaciono.

Você teve aconselhamento psicológico no começo do tratamento?
Já passei no psicólogo, mas por outros motivos, por não aderir ao tratamento. Mas não fiz o tratamento com o psicólogo por muito tempo porque nunca curti e não achava necessário.

Qual foi o pior episódio de preconceito que você enfrentou?
Quando eu tinha uns oito, nove anos, no período em que minha avó falou sobre o vírus e eu não tinha noção. Fui contar para um colega de classe, e ele espalhou para a escola toda que eu tinha aids. Na época, não era HIV, ainda nos 2000 falavam aids. Por conta disso, sofri preconceito no ensino fundamental, da segunda até a oitava série. Até eu sair daquela escola e partir para outra. Na outra [escola] eu não contei por conta desse medo.

Você se cansa de explicar sobre o que é o vírus para as pessoas?
Não, porque me perguntam numa boa, como se fosse conversa de bar. Normal, tranquilo. Não me canso porque estou passando informação, a informação certa. Se tem dúvida, acho bom que alguém que entenda possa tirar a dúvida. Tem gente que explica por cima, eu já explico por completo.

Siga o Bruno Costa no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.