Quantcast
i-D

O executivo de cinema Harvey Weinstein é acusado de estupro por três mulheres

Num novo exposé, várias mulheres, incluindo Asia Argento, dizem que Weinstein as obrigou a fazer sexo não-consensual.

PorAlice Newell-HansonTraduzido porMarina Schnoor

Foto por Tim Boxer/Getty Images.

Uma investigação da The New Yorker juntou mais alegações ao caso contra o executivo de Hollywood Harvey Weinstein. O repórter Ronan Farrow falou com 13 mulheres que dizem que o ex-chefe da Weinstein Company as atacou ou assediou sexualmente, e três dizem ter sido estupradas por ele. Farrow passou 10 meses investigando o caso, que traz novos e perturbadores testemunhos de várias histórias de como o poderoso executivo de estúdio assediou sexualmente suas funcionárias e uma lista crescente de atrizes de Hollywood.

Várias fontes dentro de Hollywood confirmaram ao The New York Times e outros meios de comunicação que os assédios de Weinstein eram um rumor antigo na indústria. Em 5 de outubro, o Times publicou uma investigação dizendo que Weinstein vinha pagando as mulheres que o acusavam há décadas, incluindo testemunhos da atriz Ashley Judd e da ex-funcionária de Weinstein Emily Nestor. Depois disso, Weinstein foi demitido de sua posição na Miramax e na Weinstein Company. Desde que a investigação do Times foi publicada, outras atrizes e ex-funcionárias falaram sobre as alegações para a imprensa e nas redes sociais. Hoje, Gwyneth Paltrow e Angelina Jolie disseram ao Times que Weinstein as assediou.

Os muitos abusos relatados pelas 13 mulheres com quem Farrow falou para o The New Yorker teriam acontecido ao longo de décadas, entre os anos 90 e 2015. Farrow descreveu o testemunho chocante de Asia Argento:

"Asia Argento, uma atriz e diretora italiana, me disse que não tinha falado sobre o assunto até agora – Weinstein, ela me disse, fez sexo oral forçado nela – porque tinha medo que ele 'acabasse' com ela. 'Sei que ele já acabou com muita gente antes', disse Argento. 'Por isso essas histórias – no meu caso isso tem 20 anos, algumas são mais antigas – nunca foram contadas'."

A ex-atriz Lucia Evans também disse a Farrow que Weinstein a estuprou, além de uma outra mulher que permanece anônima. Farrow também tornou público pela primeira vez uma ficha da polícia de Nova York onde Weinstein admite ter agarrado Ambra Battilana Gutierrez, uma modelo filipina-italiana, um comportamento que ele disse "estar acostumado". Dezesseis ex-funcionárias disseram a Farrow ter visto ou saber sobre casos de assédio sexual de Weinstein, descrevendo sua tendência a fazer avanços sexuais indesejados ou tocar mulheres em eventos públicos.

Sallie Hofmeister, uma porta-voz de Weinstein, disse ao The New Yorker numa declaração: "Qualquer alegação de sexo não-consensual é negada pelo Sr. Weinstein. O Sr. Weinstein também confirmou que nunca houve qualquer retaliação contra mulheres que recusaram seus avanços. Claro, o Sr. Weinstein não pode falar sobre alegações anônimas, mas com respeito a qualquer mulher que tenha feito essas alegações, o Sr. Weinstein acredita que todos esses relacionamentos eram consensuais. O Sr. Weinstein começou a fazer terapia, está ouvindo a comunidade e buscando um caminho melhor. O Sr. Weinstein espera que, se fizer progresso suficiente, ele receberá uma segunda chance".

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.