Tech by VICE

Pesquisadora passou anos no 4chan para explicar o cinismo que domina a web

Em novo livro, professora americana destrincha a ambivalência e a mordacidade niilista que impera nos memes e discursos online.

por Roisin Kiberd; Traduzido por Stephanie Fernandes
10 Agosto 2017, 3:06pm

The Ambivalent Internet [A Internet Ambivalente, em tradução livre] é um livro teórico que compara a cultura online ao folclore, um meio desregrado porém profundamente tradicional em que histórias (ou memes, no caso) são transmitidas de geração em geração e evoluem a cada narração.

Os autores Ryan Milner e Whitney Phillips, professores de Comunicação e Estudos Literários, exploram o ato de contar histórias na rede, dos contos da creepypasta ao Xeroxlore, de Harambe a Hulk Hogan. O estudo trabalha o tema da ambiguidade linguística: se queremos mesmo dizer o que publicamos na internet e, em caso negativo, o que então queremos dar a entender.

Conversei com Phillips via Skype. Ela é professora assistente da Universidade Mercer, na Geórgia, Estados Unidos, e autora do livro This is Why We Can't Have Nice Things, estudo sobre trollagem e seu contexto cultural. Ela se infiltrou no 4chan por anos a fio para pesquisar e escrever.

"O folclore oferece ferramentas perfeitas para descrever comportamentos cambiantes, [como, por exemplo] como pessoas interagem entre si, e como as tradições mudam com o tempo", ela comentou.

O que se destaca no livro é o tratamento da internet enquanto cultura escrita, uma tapeçaria de ficção colaborativa. Phillips vê as redes sociais como uma tela desordenada, em constante mudança, algo difícil de definir, quanto mais compreender. "As ferramentas da escrita online permitem que as pessoas não só coloquem mais significados em jogo, como criem coisas completamente novas... As pessoas agora fazem parte da produção cultural e não só respondem a ela", diz.

Milner e Phillips optaram por entregar a versão final do livro no dia após as eleições americanas de 2016. "De certa forma, o livro foi escrito em outra era — a era Trump tem vida própria, embora os conceitos discutidos no livro ainda sejam relevantes", disse ela. Com efeito, o texto aborda a ascensão de um tipo específico de sectarismo online em que a ambivalência serve de véu para discursos de ódio. Os jornalistas têm dificuldades em entender o "humor" da nova direita, a chamada alt-right, ao passo que qualquer pessoa que se magoe vira um "bunda-mole sensível".

"Se foi com cinismo e ironia que chegamos até aqui, não será assim que sairemos dessa. Ok, corremos o risco de soar piegas, mas qual é a alternativa?"

Phillips mapeia o trajeto dessa vertente de cinismo niilista nas comunidades de trollagem, que emergiu depois do atentado de 11 de setembro. Em 2003, enquanto as guerras no Afeganistão e no Iraque pegavam fogo, o presidente Bush aconselhou o público a combater o terrorismo com passeios na Disney. Na época, o 4chan começou a desenvolver seu tom característico, aquele que nada além do "kkkkkkk" importa.

Por fim, esse niilismo todo foi absorvido por alguns segmentos de massa. "A ironia e o cinismo foram incorporados no DNA de boa parta da cultura online", explicou Phillips. "E o fato desse tom ter emergido no momento em que emergiu, e ainda prevalecer, pelo menos em certas comunidades, não é coincidência — o folclore é sempre um reflexo de seu tempo."

A influência do 4chan culmina no capítulo final do livro sobre um vídeo intitulado "Trump Effect" [Efeito Trump]. Inspirado na franquia de games Mass Effect, o clipe é uma orgia de hipérboles militaristas. Aparecem veteranos sem-teto e uma águia ao som de um coro. Eis que surge Hillary gargalhando, Ben Carson sonolento e uma bandeira dos Estados Unidos toda rasgada, tudo narrado por um Martin Sheen malévolo. Capaz que o vídeo seja uma sátira; capaz que seja apoio fanático. O próprio Trump o retuitou.

Ainda que o livro mantenha distância acadêmica, a própria Phillips defende a sinceridade com unhas e dentes. "Esse tipo de cinismo não envelheceu bem em 2017. Nunca passou de ladainha; representou sempre uma posição privilegiada para se tomar. Para as pessoas sob ameaça, não há tempo e espaço para ser irônico. Elas não têm escolha além de se importar", diz.

Phillips acredita que a mudança está por vir e que a ambivalência tem seus limites. "Se foi assim que chegamos até aqui, com cinismo e ironia, não será assim que sairemos dessa. OK, corremos o risco de soar piegas, mas qual é a alternativa?", disse ela.

A mudança pertence àqueles que ousam clamá-la: "Não há nada mais vulnerável nas redes do que dizer que você se importa. Isso demanda certa coragem, sobre a qual nada sabe o cinismo."