Esta história tem mais de 5 anos de idade.
Viagem

Páscoa em Sevilha

Onde as máscaras pontudas são usadas para celebração, e não para o mal.

por Pierre Winther
03 Dezembro 2014, 11:00am

Em 1998, a revista The Face (Descanse em Paz) pediu ao fotógrafo e cineasta Pierre Winther para cobrir uma história. A ideia era simples: ir a Sevilha, na Espanha, e fazer um ensaio de moda durante as procissões da Semana Santa, quando as ruas se enchem de caras usando máscaras cônicas muito parecidas com as da Ku Klux Klan.

Essa tradição não tem nada a ver com a KKK, claro – ela vem lá do século 16, uns bons 300 anos antes de a Ku Klux Klan ser fundada. Mas era uma confluência de símbolos coincidentes com que Winther queria jogar.

Com ajuda de seu stylist Greg Fay, ele mandou fazer as máscaras em Londres e as combinou com roupas Prada, Gucci e Valentino. O objetivo era "misturar a história da moda clássica com um conteúdo instrutivo, chamando não só a atenção e a curiosidade como também desafiando convicções e preconceitos".

Apesar de os editores da The Face terem adorado as fotos (e aparentemente até pendurado algumas delas no escritório), eles acharam a história um pouco desafiadora demais. "Isso tocava num assunto com o qual eles não sabiam realmente como lidar", me disse Pierre. "Eles tiveram medo de que a história fosse mal interpretada nos EUA." Por isso, as imagens nunca tinham sido publicadas – até agora.

– Grey Hutton

Tradução: Marina Schnoor