Work

Como encontrar trabalho nesta economia tenebrosa do COVID-19

Especialistas dão conselhos sobre como navegar o mercado de trabalho mais difícil da nossa vida, quer você esteja empregado, com medo de ser demitido ou desempregado.
26 Maio 2020, 9:52pm
Young woman frustrated by job search. How to look for a job in the worst job market of your lifetime
Foto por Valentin Russanov via Getty Images.

Matéria originalmente publicada pela VICE Canadá.

A pandemia de coronavírus começou como uma crise de saúde em potencial e agora se tornou uma crise econômica muito maior, trazendo um tsunami de demissões como nada que já tínhamos visto na história moderna.

Um em cada cinco americanos está desempregado e um em cada quatro trabalhadores no Canadá está sem emprego. E esses números não incluem pessoas que tiveram as horas ou salário reduzidos.

Millenials que se formaram durante ou depois da recessão de 2007-2009 encontraram um mercado de trabalho particularmente difícil para jovens, mas a situação agora pode ser muito pior.

Mas isso não significa que você deve parar de procurar – na verdade o contrário. Mas sua abordagem pra conseguir o próximo trabalho ou posição precisa ser diferente do que na era pré-pandemia. Aqui vai os conselhos de especialistas para você se destacar quando literalmente milhões de pessoas estão caçando trabalho também.

Como é procurar emprego agora?

A má notícia é que o mercado de trabalho está difícil agora, com mais competição para menos empregos do que os disponíveis logo antes da pandemia chegar. Segundo Dorianne St Fleur, uma coach de carreira de São Francisco, sua busca por trabalho pode ser muito mais longa.

“O processo de contratação está mais lento. As empresas estão estendendo as datas de início. Você pode receber uma oferta, mas não vai começar por dois ou três meses. Muitas empresas pararam totalmente de contratar ou congelaram seus processos”, ela disse. “Reconheça e entenda que essa é uma época única. Atrasos na busca por emprego não são culpa sua.”

St Fleur diz que “há um estresse e trauma coletivos durante esta crise” afetando todo mundo, de quem está procurando até as pessoas fazendo as contratações, e um pouco de paciência pode te levar longe.

Com quase tudo em alguns estados em lockdown ou nos primeiros estágios de reabertura, há algumas vantagens. Se você está trabalhando de casa com menos supervisão, é mais fácil mandar currículos, procurar vagas e participar de entrevistas.

St Fleur disse que recrutadores, gerentes de contratação e outras pessoas com quem você gostaria de falar estão mais disponíveis. “Na terça-feira, entrei em contato com alguém no LinkedIn e em cinco minutos, ela me respondeu e marcamos uma reunião para a quinta. Acho que não seria assim se as coisas estivessem normais”, ela disse.

Outro fenômeno que St Fleur viu é que as empresas estão mais abertas que nunca para trabalhadores remotos, então suas opções não estão limitadas para onde você mora.

Você tem perguntas sobre orçamento, dívidas ou boletos, mande elas para feelingspent@vice.com.

O que devo fazer se estou empregado mas procurando o próximo trabalho?

A menos que seu ambiente de trabalho seja tóxico, você precisa priorizar manter seu trabalho atual e sua fonte de renda, com tempo sobrando para se dedicar a buscar o próximo.

“Seja bom no seu trabalho. Você não precisa ser um rock star, só o suficiente para evitar ser demitido”, disse St Fleur. “E seja deliberado e estratégico para tirar um tempo para procurar um novo emprego.” Se você não está no escritório, tire vantagem das pausas e folgas para procurar vagas, melhorar seu currículo e marcar entrevistas informais tomando um café pelo Zoom em vez de pessoalmente.

Segundo Dan Schawbel, gerente da Workplace Intelligence, uma consultoria de RH de Boston, candidatos que estão empregados têm vantagem sobre os desempregados porque os gerentes de contratação os veem como mais valiosos. Schawbel sugere examinar seu trabalho atual e escrever o que você gosta nele e o que não gosta.

“Reflita sobre o que você realmente quer e estreite sua busca de vagas focando em conseguir esses benefícios, essas ofertas, aquela escada, o que você está procurando. Isso é bom porque você ainda está tendo renda, mas tem noção do que quer para o próximo trabalho”, ele disse.

Acho que estou prestes a ser demitido. Socorro!

O primeiro passo é descobrir se as demissões são realmente iminentes, ou se você só está com medo porque as cosias são muito diferentes agora e o futuro é um grande ponto de interrogação.

St Fleur sugere conversar com seu gerente sobre suas preocupações, mas considere o que ele disser com certo ceticismo.

“Tenha em mente que seu gerente pode ou não te dizer a verdade ou a história completa. Mas depois de ter uma conversa sobre a possibilidade de demissão, aja de acordo. Se você ficou perturbado com a resposta dada, então comece a procurar. Aborde sua rede de contatos para poder pular do barco no último minuto”, ela disse.

Procure outras pistas, como o que aconteceu com outras pessoas da sua indústria. Se você está num campo que não foi tão impactado, ou está crescendo por causa da pandemia, tente não se preocupar. St Fleur reconhece que é difícil estar no seu melhor se você está preocupado e estressado com o desconhecido.

Schawbel sugere se comunicar muito mais com sua chefia e garantir que mesmo estando longe dos olhos, porque não está no mesmo espaço físico que eles, você não está longe da mente deles. Ele também diz para se preparar para uma demissão mesmo sendo um funcionário modelo.

“Parte disso está fora do nosso controle e se seu departamento for fechado, reconheça que você pode ser demitido independente do que você faça para aquele empregador”, ele disse.

Como abordo a procura por emprego se fui demitido?

Você tem que se focar totalmente na procura de trabalho se está desempregado agora. St Fleur diz que ficar de luto sobre seu trabalho passado, e sua vida, é importante, mas se você não consegue deixar isso de lado, isso pode prejudicar sua habilidade de procurar outro trabalho e ser contratado. “Esteja consciente da sua mentalidade mesmo que seja tentador se deixar afundar. Tire tempo para suas necessidades de processar, depois siga em frente”, ela disse.

A competição está dura agora, mas compreensão sobre sua situação atual também está em alta segundo Schawbel. “Há mais empatia no momento do que antes da recessão – é quase como se você não precisasse dizer porque está desempregado – há essa compreensão de que estamos todos passando por algo sem precedentes”, ele disse.

Uma abordagem eficiente e relativamente nova que ele está vendo é anunciar sua demissão, além de uma descrição das suas habilidades e o que você está procurando, nas redes sociais.

“Sua rede de contatos em primeiro grau pode não ser necessariamente quem vai te contratar. Se você posta sobre isso, e nos comentários alguém marca alguns amigos da rede dele, você pode se conectar e começar a conversar. O estigma basicamente desapareceu agora com tantas pessoas desempregadas, então isso pode ter dar a confiança para se destacar lá”, ele disse.

St Fleur recomenda usar as redes sociais durante sua busca por trabalho entrando em grupos da sua indústria no Facebook, e comparecendo a reuniões e eventos virtuais. Ser ativo no Facebook, Instagram e LinkedIn para mostrar suas habilidades e experiência ajuda também.

Ela sugere fazer um teste do que recrutadores ou seu próximo chefe podem descobrir sobre você pedindo para outras pessoas buscarem seu nome na internet. Se nada aparecer, ele sugere fortalecer sua presença online criando um perfil forte no LinkedIn além de um site pessoal. Se fotos de uma despedida de solteiro doida for a primeira coisa a aparecer, ou algo que te coloque sob uma luz menos profissional, ajuste suas configurações de privacidade de acordo.

Sua busca por trabalho deve se focar em vagas que são certas pra você em vez de mandar currículo para tudo que aparecer, porque isso só vai te deixar frustrado. St Fleur sugere procurar por palavras-chave que combinem com seus interesses, habilidades e experiência. Ela também diz para manter habilidades transferíveis em mente.

“Um ator de teatro está confortável falando em público e capturando atenção, e eventos desse tipo estão cancelados por enquanto, mas falar em eventos virtuais é algo em ascensão”, ela disse. “Talvez um jornalista possa ser professor particular. Se alguém pudesse me ajudar com aulas em casa, eu adoraria. E tenho uma massagista que começou a ensinar outros massagistas a como criar negócios sem contato como ioga através do Zoom.”

Schawbel sugere diminuir suas expectativas, seus padrões e até suas taxas. Sob circunstâncias normais, trabalhar de graça pode levar empregadores a se aproveitar de pessoas vulneráveis, e isso é sempre uma coisa para prestar atenção. Mas com o estado atual do mercado, trabalho não-remunerado deve ser considerado se te dá experiência e leva a um emprego.

Alguns projetos menores podem te ajudar por algum tempo e ficar bem no seu currículo. Schawbel sugere sites de freelance como o Upwork.

St Fleur também recomenda usar este tempo para aprender novas habilidades e atualizar as que você já tem. Ela diz que sites como Udemy e Coursera oferecem opções gratuitas ou de baixo custo.

Devo aceitar qualquer trabalho agora?

Um trabalho que você não odeia, que te dá uma renda de alguma maneira estável para viver no que pode ser um dos mercados mais difíceis da nossa vida, é suficiente por enquanto.

“Você pode ter uma ou duas coisas não-negociáveis, seja enquanto pagamento, alcance do trabalho ou cultura”, diz St Fleur. Isso pode significar trabalhar para uma empresa para qual você não trabalharia antes da pandemia, ou aceitar um corte de salário. “Mas também tenha uma estratégia de saída para quando as coisas reabrirem, para como você vai voltar para onde precisa estar.”

Schawbel diz que é uma boa reenquadrar “aceitar” como uma oportunidade de tentar coisas novas. “Meu melhor conselho de carreira no geral é fazer o máximo possível, quanto antes na sua vida possível. Descubra o que você gosta e o que não gosta. Você quer ser um empreendedor, freelancer, que indústria você gosta?”, ele disse. “Passei meus 20 e poucos anos descobrindo tudo isso, e acho que as pessoas devem se manter otimistas. Experimentar novas coisas leva a autodescobertas e foco.”

Siga a Anne Gaviola no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.