Publicidade
Noisey

O clipe de estreia do Letall foi inspirado no pixo​​

Veja “3000 volts”, primeiro trabalho da mais ou menos nova banda de punk-stoner-core do Gepeto, vocal do Ação Direta.

por Eduardo Ribeiro
10 Novembro 2016, 11:08am

Fotos: Luciano Trindade/Divulgação

"3000 volts" é o primeiro videoclipe do Letall, grupo punk-stoner-core que conta com o Gepeto, vocal do Ação Direta, na formação. A faixa, tirada do álbum de estreia do quarteto, Máquina de Propaganda, lançado em fevereiro, fala de pixação. A produção chega repleta de imagens bem ilustrativas da cena atual do pixo em São Paulo. Logo nos primeiros takes, o Gepeto surge cantando à frente de rabiscos do Susto''s e outros pixadores onipresentes no cenário urbano, o que mostra a solidez das referências buscadas. Não à toa, uma vez que a temática foi inspirada no documentário Pixo Ação, do Bruno Rodrigues, e o vídeo contou com imagens cedidas pelo editor do filme, William Sernagiotto, o mesmo responsável por "Desconstrução" para o Ação Direta.

Já a direção, ficou por conta do baixista Gigante e do guitarrista Wagner. "Nós tínhamos uma ideia do que a banda pretendia fazer e, para minimizar os custos de captação, optamos pela técnica de chroma key", conta Gigante sobre como eles resolveram os quiproquós de locação.

"Foi a maneira mais viável de passar o que queríamos com esse vídeo." E o que eles quiseram passar, na letra dada pelo Gepeto, está mais para um convite à reflexão do que à apologia: "A ideia é evidenciar essa expressão, clandestina e marginal, essa arte maldita, essas vozes, raivosas e excluídas, que gritam para manifestar a própria existência."

O clipe foi todo gravado em São Bernardo do Campo, no estúdio do fotógrafo Ricardo Hirae. Além do espaço, o Ricardo disponibilizou todo o seu arsenal de equipamentos, enquanto o também fotógrafo/videomaker Luciano Trindade emprestou toda estrutura do chroma e o Murilo de Castro, irmão do Kiko (batera) e do Marcelo (guitarra, vocal), do Necromancia, que também trampa com audiovisual, colou com as câmeras e lentes.

Com o suporte de tantos camaradas, segundo Gigante o desafio mesmo foram as etapas de desenvolvimento e montagem, e nem tanto a produção. "Nunca havíamos trabalhado com chroma e tivemos algumas dificuldades pra chegar no resultado que queríamos. Mas a cada frame que se finalizava, percebíamos que o bagulho ia ficar louco." E ficou. Veja por si: