Como a crise da segurança está afetando a música no Espírito Santo

Conversamos com os capixabas Fábio Mozine, Alex Vieira (Prego, Morto pela Escola), André Paste, Naio Rezende (Red Room Party) e DJ Felipe Único, que estão trancafiados em casa por conta do caos no Estado.

|
09 Fevereiro 2017, 2:57pm

Foto: Gabriel Lordêllo/Mosaico imagem/VICE

Qualquer semelhança com Ensaio Sobre a Cegueira é mera coincidência. Mas, infelizmente, o que se assiste nos últimos dias não tem nada de fictício. A realidade causa medo e delírio no Espírito Santo. 87 assassinatos foram confirmados na quarta (8) pelo sindicado da Polícia Civil do Estado. Além disso, desde o aquartelamento da Polícia Militar do Estado no último fim de semana, mais de 200 carros foram roubados e lojas saqueadas e destruídas. A causa dessa treta começou na sexta (23), quando um grupo de esposas, namoradas e filhas de policiais iniciaram um protesto na cidade de Feu Rosa, pedindo melhores condições de trabalho para os companheiros e pais.

O movimento cresceu e mulheres e familiares começaram a protestar em frente a batalhões de outras cidades. Com cordões humanos, os atos estão bloqueando e impedindo a saída de viaturas e policiais. Nenhuma manifestante foi removida à força dos locais. A tensão é tanta que as ruas das cidades do estado ficaram vazias. A última terça (7) amanheceu sem ônibus circulando, as Forças Armadas ocuparam os terminais, e, na quarta, a Polícia Civil também parou.

Com a notícia de que escolas, postos de saúde e grande parte do comércio seguem fechados até agora, falamos com três figuras capixabas conhecidos de quem lê o Noisey para saber se estão vivos e seguros alguns dos nossos preferidos artistas de lá.

André Paste produtor e DJ
"A situação aqui tá realmente triste em todos os cantos, sem perspectiva de melhora. O Governo Estadual anda completamente perdido, sem nenhum auxílio efetivo do ministro da justiça, que tá mais preocupado com sua própria carreira. Pra piorar, ainda rola um falatório gigante no WhatsApp e no Facebook, com vários Dateninhas alarmando ainda mais o que já tá mais que alarmado. Na dúvida, não tá valendo a pena sair de casa. Adiaram até o show do Tirullipa."

Alex Vieira Morto Pela Escola, Merda e revista/espaço de arte Prego
"A minha loja está fechada. Só abri hoje para fazer uma entrega, mas não dá para confiar ainda. Tudo em volta também fechou, e várias lojas foram arrombadas. Claro que as lojas de eletrônicos e itens de consumo mais valiosos é que estão na mira dos ladrões, mas até quando? Para se ter ideia, fechei na segunda à tarde. Cheguei a tatuar e atendemos alguns clientes até as 16h, mas aí já começou a ficar embaçado e ficamos com medo de arriscar.

"Segunda tava tipo filme do George Romero, uma coisa surreal mesmo. Na terça resolvi sair e ir pra praia, e não cheguei a ouvir, mas as pessoas falavam sobre tiros nas redondezas. Eu moro bem pertinho da loja. Tem alguns lugares que tão mais doidera. Sinceramente, tô sem saber até quando isso vai durar. Achei que já ia voltar ao normal hoje, mas ainda tá estranho."

Fábio Mozine Läjä Records, Merda, Mukeka di Rato
"Eu moro num bairro chamado Itapuã, bem tradicional de Vila Velha. Pode-se dizer que é de classe alta, a 100 metros da praia. Só que à mesma distância em outra direção tem uma boca de crack. É uma mistura de lugares muito chiques e bonitos com lugares como a Rua do Lixo. E os bairros adjacentes também são perigosos, com muito tráfico de drogas, pobreza, etc. Todas as lojinhas chiques estão fechadas. É um clima de insegurança muito grande. Um desses vídeos populares por aí na internet, um tiroteio com mais de 50 tiros, ocorreu a 200 metros da minha casa. Aqui da minha janela consigo te apontar o local.

"Isso foi na segunda. Ontem [terça], eu fui almoçar no boteco na esquina desse tiroteio. Tem várias marcas de bala na parede, uma porta de aço furada. Uma parte do meu trabalho está paralisada. Por exemplo, eu tenho 15 pedidos aqui pra enviar, mas não posso ir no correio porque tá fechado, o bicho está pegando lá. Tem pouquíssima gente na rua. Hoje fui no supermercado com minha esposa, e tava lotado, parecia aquela época do governo Sarney, que faltava carne. Fiquei 40 minutos na fila do mercado. Tô tentando não entrar numa paranoia louca. Estou lendo as notícias, tentando manter o bom humor e filtrar o que é doidera e o que é real. Porque nego tá mandando vídeo de assassinato do ano passado na Bahia. 

"Um abraço, obrigado pela preocupação conosco, estamos bem. Acesse nosso site: laja.minestore.com.br."

Felipe Único  produtor e DJ de funk
"Eu moro na cidade de Linhares, no bairro Aviso. Desde sábado de madrugada, depois da paralisação dos policiais, o clima está muito perigoso. Domingo, no finalzinho da tarde, umas 17h, houve uma tentativa de homicídio de um adolescente. Ele foi atingido por tiros, mas escapou da morte, pois entrou na casa da minha vizinha, que ele nem conhece, e se trancou com eles lá dentro. Isso aconteceu na esquina da minha casa. Horas depois, quase meia-noite, teve outra tentativa de homicídio no morro perto de onde moro. Por aqui tem rolado muitos assaltos, tentativas de assassinato, arrastões no centro da cidade, nas lojas, e quebradeira total.

"Hoje [quarta] de madrugada mesmo o Hospital Geral de Linhares (HGL) foi invadido por bandidos, que destruíram a recepção e amedrontaram os funcionários. Ontem de noite teve um carro queimado aqui no meu bairro. Isso é pouco ainda, vou deixar aqui a página de dois sites da minha cidade para você ver o tamanho da gravidade disso: facebook.com/euviemlinhares e facebook.com/sitedelinhares

"Estudo em escola pública estadual e desde segunda não tenho aula. Segunda até teve aula de manhã, porém no turno vespertino mandaram os alunos embora no meio da tarde, e, desde então, está tudo parado. Os sites de notícias daqui só falam sobre o adiamento das aulas nas escolas municipais, nenhuma vez deu noticia sobre as escolas estaduais. Está muito perigoso, as ruas estão ficando desertas, as lojas e supermercados seguem fechados. As lojas estão sendo saqueadas, são muitas, tanto no centro da cidade como nos bairros."

Naio Rezende  Red Room Party
"Está feia a situação no Espírito Santo. Foda isso tudo. Agora, por esses dias, tudo está cancelado, principalmente as festas e eventos. Hoje chegaram os tanques do Rio de Janeiro, dos fuzileiros navais, o bagulho tá doido de verdade, na cidade toda (Vitória)."