Cadu Tenório mistura música experimental, literatura e arte digital em novo disco

Mergulhado no universo dos animes cyberpunk, músico carioca lança 'Corrupted Data蝶とクジラ', um audiolivro multiplataforma sobre o isolamento em tempos de tecnologia.

|
15 Agosto 2018, 5:00pm

Um dos mais prolíficos e interessantes nomes da cena experimental nacional, Cadu Tenório (Ceticências, Sobre a Máquina, VICTIM!, Gruta e outros), lança nesta quarta-feira (15) o disco-site-livro Corrupted Data蝶とクジラ. O trabalho vai além da música e vem acompanhado de um site-livro, como forma de navegar no mar simbólico da obra e que também serve como argumento contrário à superficialidade do consumo de música em massa de hoje em dia. Além disso, a concepção do álbum também busca essa diferenciação: esse é o trabalho mais solitário e coletivo que o músico já realizou.

Calma, o Cadu explica essa contradição. "Primeiro veio a narrativa, certos interesses de pesquisa e algumas ambições narrativas que sempre tive desde que comecei a produzir. Enquanto eu desenvolvia a ideia, passei a pensar no formato ao observar mais atentamente como a maior parte das pessoas que conheço tem fruído música hoje em dia, através de Spotify, Soundcloud etc. O download foi perdendo o significado. Os discos parecem se diluir no emaranhado de abas que a gente vai acumulando na tela, viram músicas desconexas, playlists que se adaptam à velocidade do fluxo em que a conexão é realizada com outras coisas que nos cercam. As conexões te sugam pra outros lugares em alta velocidade, não para."

Veja o recém lançando clipe da faixa "田中 愛子", dirigido por Betina Monteiro.

Depois de Rimming Compilation, este é de fato o primeiro trampo que o músico assina apenas com seu nome (de lá pra cá tivemos o Vazios, com a Bella e alguns discos do VICTIM!). O intervalo entre os lançamentos dos discos tem bastante relação com a grande experiência que Corrupted Data蝶とクジラ proporciona. O tempo ajudou Cadu a se debruçar sobre o conceito, conta. "Eu quis continuar tentando ir na contramão dessa forma como as pessoas consomem música — o Rimming Compilation já ia nessa direção —, ao mesmo tempo que eu queria também jogar o jogo. O disco virtual é o padrão hoje, seja no Spotify, em qualidade duvidosa no celular ou no Bandcamp com a possibilidade de download em WAV. A questão é que o formato, apesar disso, é pouquíssimo explorado e um disco poderia ir muito além se quisesse: poderia interagir com o ouvinte, se conectar a ele de diversas formas, almejar uma narrativa de construção coletiva."

Corrupted Data蝶とクジラ é de longe o trabalho mais longo do Cadu, vencendo o Rimming Compilation, que tem a duração de uma hora e trinta e seis minutos. Com 32 faixas, o disco foi feito com ajuda de alguns parceiros de longa data e alguns mais novos, caso de Raul Luna, Betina Monteiro, Henrique Justini e seu fiel escudeiro desde antes do Sobra a Máquina, Emygdio Costa (Fábrica). "Sempre tive um processo criativo bastante solitário, talvez seja assim com todo mundo. Dessa vez, a maior diferença é que isso veio junto da escrita e da 'escavação de textos', e a tentativa de ilustrar sonoramente fez com que eu precisasse ir mais fundo no sentido de me despir de muitas vaidades. O Emygdio foi providencial na masterização, como sempre. O Raul Luna foi o grande ponto nesse trabalho: resolvi dividir com ele toda a intenção do projeto para que ele pudesse me ajudar a montá-lo da melhor forma possível. Sem ele acredito que não teria ficado tão satisfeito com o resultado. E por fim, o Henrique Justini foi um cara que de coração quis ler todos os textos selecionados e me ajudou a editá-los. Enfim, é um trabalho que dependeu muito desses parceiros, que são pessoas e profissionais incríveis."

Desde o Vozes, de 2014, Cadu tem se interessado mais por manipulações vocais, pesquisa que já tinha rendido parte do argumento do Rimming Compilation. Esse tom segue em Corrupted Data, como na faixa "3\/\|0", protagonizada pela famosa voz feminina do tradutor do Google. "Eu queria ressaltar o isolamento com foco na máquina (celular, computador) e nada mais ilustrativo do que as vozes serem digitais, ser 'reproduzido nelas por elas'. Eu até tentei gravar uma pequena parcela de textos com a minha voz, mas o resultado nunca me agradava muito. A gente tende a recitar, interpretar, deixar transparecer coisas demais. Como a maior parte dessa seleção que tentei gravar eram 'textos-desabafo', desses que a gente escreve pra ninguém ler, que o personagem guarda a sete chaves nos rascunhos de email, eu não queria que eles ficassem afetados demais e foi uma surpresa positiva quando vi que a inflexibilidade característica das vozes eletrônicas davam uma profundidade muito maior do que a minha própria."

Corrupted Data蝶とクジラ é um trabalho que transparece uma grandiosidade, mas ainda assim é um work in progress. Ao longo do ano, uma série de vídeos será disponibilizada e algumas outras surpresas estarão na mão de quem se inscrever na newsletter do site. O disco ainda vai ganhar uma versão física, de acordo com Cadu, e que virá acompanhado de uma "espécie de livro".

Ouça e/ou faça o download de Corrupted Data蝶とクジラ no player abaixo e mergulhe no universo do disco no site:

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.
Siga o Noisey no Facebook e Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.