Filho da presidente do TRE-MS é transferido para clínica médica após decisão do TJ

O empresário Breno Fernando Solon Borges conseguiu pela segunda vez decisão que permite a transferência do presídio para uma clínica.

|
24 Julho 2017, 5:55pm

Imagem: Divulgação/Facebook.

Acusado de tráfico, o empresário e filho da desembargadora e presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Mato Grosso Sul, Breno Fernando Solon Borges, deixou o presídio de Três Lagoas (MS) e foi transferido para uma clínica médica no final da semana passada. Uma outra transferência já havia sido decretada dias antes, porém foi cancelada por conta de um mandado de prisão preventiva. Agora, pela segunda vez, o TJ-MS decidiu que Breno deve cumprir a pena em uma clínica médica.

Breno foi preso no dia 8 de abril pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) transportado 129,9 quilos de maconha, 199 munições calibre .7,62 e .9mm na BR-262 próximo ao município de Águas Claras (MS). O empresário de 37 anos foi acusado de tráfico de drogas e armas junto com mais dois jovens que o acompanhavam. Na ocasião, Breno chegou a tocar no nome da mãe para não ser indiciado. A defesa alegou um incidente de insanidade mental, sob a justificativa de que Breno sofre de Transtorno de Personalidade Bordeline.

Após as alegações da defesa, o desembargador Ruy Celso Barbosa Florence concedeu um Habeas Corpus permitindo a transferência de Breno do presídio de Três Lagoas (MS) para uma clínica médica no último dia 18 de julho. No entanto, a transferência não pôde ser realizada depois que foi emitido um mandado de prisão preventiva pela Polícia Federal.

O mandado de prisão preventiva foi expedido após a conclusão do inquérito policial da Operação Cerberus da Polícia Federal. Nele, Breno e mais seis pessoas são acusadas de integrar uma organização criminosa especializada em contrabando de armas. A investigação também concluiu que membros da organização estavam planejando o resgate do detento Tiago Vinicius Vieira, líder da facção, da Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande.

A operação começou em março e após a análise e grampos dos celulares da organização foi mencionado o nome de Breno e assim concluído que ele teria ajudado na fuga de Tiago. A prisão preventiva manteve os membros da organização no presídio e impediu que Breno fosse transferido para uma clínica médica.

Após essa decisão, a defesa do empresário entrou novamente com um pedido contestando a prisão e conseguiu uma liminar através do desembargador José Ale Ahmad Netto para que Breno fosse novamente encaminhado para uma clínica. A decisão liberou Borges de cumprir tratamento psiquiátrico adequado, sob a tutela e responsabilidade da mãe.

Antes da Operação Cerberus, Breno já havia sido preso pela Polícia Rodoviária Federal durante uma operação realizada durante o Carnaval. O empresário trazia consigo uma pistola .9mm. Breno foi indiciado por porte ilegal de arma e liberado posteriormente podendo responder o processo em liberdade após pagar a fiança.

Graças essa primeira prisão, as autoridades passaram a ficar de olho em Breno. O Jeep Renegade que o empresário dirigia era suspeito de servir como meio de transporte de drogas e armas entre Mato Grosso do Sul e o interior de São Paulo. Além disso, a arma que ele portava na ocasião batia com o número de série de munições 9 milímetros apreendida com traficantes paulistas.

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram.