Hackearam a segunda maior bolsa de valores de Ethereum, a criptomoeda da moda

Invasão ocorreu na Coreia do Sul, um dos maiores pólos da moeda. Perdas podem ultrapassar um milhão de dólares.

|
05 Julho 2017, 1:50pm

Seul, Coreia do Sul. Crédito: dconvertini

A Coreia do Sul é líder quando se fala de Ethereum, a criptomoeda mais falada dos últimos meses: 20% do câmbio mundial de ether é feito com won, a moeda sul-coreana. Tanto valor parece ter atraído hackers.

Na semana passada, de acordo com informações de clientes, supostos "bilhões" de won foram roubados da maior bolsa de valores de Ethereum e Bitcoin da Coreia do Sul, a Bithumb. Trata-se da quarta maior bolsa de valores de criptomoedas do mundo e a segunda maior de Ethereum, atrás apenas da chinesa OKCoin.

Detalhes são escassos agora, mas, segundo a agência de notícias governamental Yonhap News, o pessoal da Bithumb entrou em contato com as autoridades sul-coreanas na sexta-feira logo após tomar conhecimento da invasão. De acordo com a Yonhap, o computador doméstico de um funcionário da empresa foi invadido e dados de 30.000 clientes foram roubados. Apesar disso, nenhuma senha foi comprometida, diz a empresa. A Yonhap menciona ainda que as autoridades estão investigando o ataque.

Apesar da afirmação de que nenhuma senha foi roubada, usuários sul-coreanos do Bithumb afirmam que dinheiro sumiu de suas contas. No Naver, versão sul-coreana do Reddit, um subfórum dedicado ao ataque conta com diversas postagens de usuários que afirmam ter saído no prejuízo. O título de uma das postagens afirma: "Me pegaram. 7.100.000,00 won", o que dá mais ou menos uns 6.000 dólares.

O Bithumb não respondeu aos nossos contatos até a publicação desta matéria.
Se o dinheiro dos clientes realmente foi roubado, o ataque é mais um motivo para reforçar o argumento de especialistas de que deixar sua grana na mão de terceiros não é uma boa ideia. Em abril deste ano, uma bolsa de valores sul-coreana menor, também especializada em criptomoedas, foi invadida e perdeu milhões de dólares de seus clientes.

Caso use criptomoedas, a opção para não se ferrar é armazenar as chaves privadas que controlam estes valores em discos rígidos que não estão conectados à internet, o que não é lá muito conveniente (ou benéfico, caso você trabalhe com a bolsa), mas dá menos abertura para hackers.

Uma coisa é real: ao passo em o Ethereum e demais criptomoedas valorizam e ganham atenção do mainstream, veremos mais hackers tentando surfar essa onda.