Publicidade
Noticias

"Esse governo com certeza incentiva a existência de células neonazistas"

A antropóloga Adriana Dias estuda a nazificação do Brasil e alerta para radicalização dos brasileiros para a extrema-direita.

por Marie Declercq; ilustrado por Vinicius Trigo
26 Novembro 2019, 5:36pm

Por mais de 15 anos a antropóloga Adriana Dias tem se dedicado a pesquisar, entender e denunciar grupos neonazistas, dentro e fora da internet. Pesquisadora da Universidade Estadual de Campinas e doutora em Antropologia, com tese sobre nazismo, neonazismo e eugenia, Adriana precisou se debruçar extensivamente sobre páginas de blogs, comunidades virtuais e todo tipo de material da extrema-direita. Descobriu mais de 300 células neonazistas em atividade no país, somando entre 4 e 5 mil integrantes. A esmagadora maioria se concentra no Sul e Sudeste do país, especialmente em São Paulo e Santa Catarina.

O trabalho de Adriana também abrange a luta pelo reconhecimento e inclusão de pessoas com deficiência no Brasil. Coordenou 170 pesquisadores no Comitê Deficiência e Acessibilidade da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), ajudou a desenvolver políticas públicas sobre o assunto e é diretora do Instituto Baresi, que representa 170 associações de pessoas com doenças raras e deficiências. Ela mesma é portadora de osteogênese imperfeita, condição rara conhecida como "doença dos ossos de vidro", e vê com preocupação o crescimento do discurso eugenista em grupos brasileiros de extrema-direita.

Em 2013, Adriana deu uma entrevista à VICE traçando o perfil do neonazista brasileiro, o qual encontra na internet material e pessoas com pensamentos semelhantes. Na época, o que se sabia sobre a existência de grupos neonazistas no país se resumia a confrontos com grupos de punks antifascistas, que resultaram em mortes como a do jovem Johni Raoni Falcão Galanciak, em 2011, após uma emboscada de neonazistas, e também em ações mais pontuais, como o ataque de skinheads neonazistas na 13ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) em 2009 na capital paulista. Hoje, com a popularização das redes sociais e a falta de regulamentação de conteúdos disseminados por meio delas, a antropóloga estima que cerca de 500 mil pessoas estão lendo materiais neonazistas.

Atualmente, a situação do Brasil está ainda mais preocupante e encontra respaldo no governo após a eleição de Jair Bolsonaro em 2018, com uma plataforma de propaganda que se sustenta em exclusão e desumanização de minorias. Como a antropóloga disse à VICE e em entrevistas à outros veículos, não se trata mais de alarmismo, mas sim de um alarme para um processo de nazificação no Brasil.

"A grande questão é que o ódio é criado, construído, cultivado e cultuado, o ódio não é uma coisa que existe, ele é construído histórica e socialmente," explica Dias.

VICE: Até mais ou menos o fim dos anos 2000, relatos de grupos neonazistas entrando em confronto com punks antifascistas eram comuns, especialmente na cidade de São Paulo. Você acha que esses grupos desistiram da atuação nas ruas por conta das redes sociais?

Adriana Dias: O que acho que aconteceu é que até os anos 2000, principalmente depois de 2007, houve muita denúncia contra grupos neonazistas. Quando defendi o mestrado, eu já havia denunciado muitos grupos e naquela época tinha um núcleo de atuação muito forte do Ministério Público Federal, dirigido pelo procurador Sérgio Suiama. Havia outros grupos da própria comunidade judaica, do quais a maioria também participava, que faziam um trabalho de denunciar muitos grupos neonazistas. (...) Por conta da falta de recursos, que é um problema nesse país, a gente não fez tudo que podíamos fazer, mas fizemos o que era possível. Há um grupo na Polícia Federal formado em 2008, mas ainda é pequeno, não tem os recursos necessários para agir e nenhum governo levou isso como uma questão importante. Acho que a pouca coibição na zona de rua fez com que esse grupos deixassem de se manifestar como neonazistas na prática. Acredito que eles continuam atacando, mas não deixam tão claro que são neonazistas, pelo menos na rua.

Já ouvi muitos relatos de ex-membros de grupos neonazistas dizendo que era comum "trocar de lado" por conta de desavenças pessoais, e não por causa da ideologia em si. Hoje os membros de grupos neonazistas estão mais rígidos quando se trata de ideologia?

Muitos neonazistas nessa época, especialmente os mais jovens, deixaram o movimento ao perceber que isso atrapalhava sua vida profissional, atrapalhava na hora de conseguir emprego mesmo. Entrevistei alguns nacionalistas do Front 88 [gangue neonazista dissolvida no começo dos anos 2000 que gerou outras gangues como Impacto Hooligan e Kombat RAC], do São Paulo Pátria e de outros movimentos de extrema-direita que entraram para a Igreja Universal do Reino de Deus. A gente percebe que eles estão buscando um conservadorismo identitário, mas agora em algo mais palatável à sociedade. Acho que os grupos estão, sim, mais rígidos na questão de seguir a ideologia, porque estão lendo mais. Mas ao mesmo tempo os grupos brasileiros são bem miscigenados no sentido que leem autores que são considerados inimigos nos Estados Unidos. Eles leem de tudo, leem neonazistas da Klu Klux Klan, do movimento NS88 [movimento neonazista europeu. O número 8 representa a letra "h", a oitava letra do alfabeto, formando então a expressão "Heil, Hitler"], leem David Lane [supremacista branco norte-americano conhecido por inventar o slogan de 14 palavras "Devemos assegurar a existência de nosso povo e o futuro para as crianças brancas”]. Os grupos brasileiros não percebem as divisões do próprio movimento neonazista.

As autoridades estão preparadas e informadas para lidar com grupos neonazistas?

Em São Paulo acho que algumas organizações estão preparadas. Mas acho que não há uma unificação no processo civil de colheita de provas, não há uma unificação de como é observada a questão da criminalização do nazismo, acho que faltam recursos, falta preparação e há muita confusão. Já ouvi um delegado no Rio Grande do Sul dizer que monitora todos os neonazistas do Brasil. Desculpa, mas ninguém monitora todos os neonazistas do Brasil. Já ouvi falas muito prepotentes de pessoas que acham que sabem muito, mas que na verdade nunca estudaram os movimentos a fundo. Acho que falta uma formação da polícia sobre o que é uma questão de extrema-direita. Uma das questões que acho muito comprometedoras na apuração desses casos é o fato do processo de colheita de provas ser feito de forma sistemática e do mesmo jeito em todos os processos, fazendo muitas provas se perderem ao longo da investigação. O dano moral também é uma questão, porque enquanto ele não for reconhecido pela justiça, o neonazismo no Brasil nunca vai acabar. Existem muitos casos em que o dano moral coletivo não foi reconhecido em processos envolvendo neonazismo, e acho que quem comete esse tipo de crime precisa pagar. Quando digo pagar, é no sentido literal mesmo, uma punição financeira prevista pela lei. O ser humano só entende as regras quando recebe multas altas.

Converso muito com a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) e acho a delegada deles muito boa, mas falta recursos. Para você ter ideia, eles não têm um computador ligado na deep web, entende? A Polícia Federal tem um grupo para combater esses crimes desde 2008 que trabalha ao lado da Safernet, mas acho que a há uma falta de investimento de dinheiro público numa inteligência realmente anti-extremismo.

Esse ano aconteceram alguns encontros de grupos integralistas. Existe algum intercâmbio entre integralistas e neonazistas ou eles se consideram muito distantes no espectro político?

Existem intercâmbio entre algumas células integralistas e algumas células neonazistas. Não é muito, mas acontece principalmente entre São Paulo e Paraná.

Monitoro um grupo neonazista que se diz contra Bolsonaro por este disseminar ideais sionistas. Como é a aceitação do presidente do Brasil nessas células?

É interessante essa questão de alguns grupos acharem que Bolsonaro é sionista, porque há grupos de extrema-direita que suportam ideias sionistas e há grupos de extrema-direita que não fazem isso. Um caso importante para entender essa questão é do Anders Breivik, responsável por matar 77 jovens do Partido Trabalhista em 2011 na Noruega. Ao mesmo tempo que ele falava "Heil, Hitler", também elogiava Israel, reconhecendo que o país era nacionalista. A questão central no neonazismo é a anti-internacionalização e o anticomunismo. Então eles são antijudeus, principalmente porque os judeus são o símbolo do comunismo em Karl Marx. Inclusive era a partir disso que Hitler odiava os judeus, como escreveu em Mein Kampf, onde diz que quase odiou os comunistas mais do que os judeus. Varia muito de grupo para grupo. Alguns grupos acham que Bolsonaro trai o neonazismo quando se torna sionista, alguns grupos acham que não, e há os que acham que é apenas uma estratégia. Eu diria que a grande maioria apoia o Bolsonaro, pensando que é uma estratégia, que um quarto não apoia e que uma parcela o odeia.

Você também estuda profundamente o discurso eugenista e como ele se manifesta no Brasil. Sendo uma pessoa com deficiência, que participou ativamente da elaboração de políticas públicas sobre o tema, como observa esse assunto nas células que você monitora?

Eugenia, etimologicamente, significa "boa geração". Daí vem o mito da raça, de que o nazismo geraria uma geração sem pessoas com deficiência, sem doenças mentais. A Aliança da Criatividade [movimento supremacista branco criado nos EUA e muito influente em grupos brasileiros] defende que a primeira coisa que precisa ser derrotada é a crença equivocada de que toda vida é valiosa. Há um texto muito parecido no Movimento da Criatividade que fala, em outras palavras, "por que a mulher branca deve literalmente suportar nove meses alimentando um feto que não sobreviverá pela lei da natureza?" O texto fala que os cães amam seus donos incondicionalmente, mas que bebês com Down não passam de animais de estimação, e por isso são inaceitáveis.


Assista ao nosso documentário sobre apoiadores de Bolsonaro:



No Brasil, o conceito da eugenia é muito vinculado à pobreza nordestina e à miscigenação. Dizem que a eugenia é a palavra chave do movimento, porque é a palavra que contraria o programa judaico. Grupos de RAC [Rock Against Communism, movimento britânico de extrema-direita criado em 1978 junto ao National Front] falam que doenças genéticas só mostram um lixo genético contaminado pela miscigenação. Segundo seus projetos nacionais, a nação verdadeira determinaria o aborto de crianças deformadas. É muito importante as pessoas terem a noção de que, no limite, as pessoas com deficiência são alvo de um grande projeto de limpeza racial e que não há nenhum espaço para o afeto e diversidade humana. E esse projeto eugênico começa sempre pela institucionalização. Hitler levou cerca de 400 mil pessoas com deficiência a serem institucionalizadas para depois serem esterilizadas e assassinadas. A institucionalização é sempre o pior caminho para as pessoas com deficiência, desligando laços familiares e gerando mais risco. Por isso as escolas inclusivas são super importantes, porque rompem o laço da institucionalização.

O quanto as manifestações de 2013 e agora, em 2019, um governo de extrema-direita no poder, influenciaram esse crescimento de células neonazistas e da nazificação do Brasil?

As manifestações de 2013 foram tomadas pela direita. A direita se aproveitou das manifestações de 2013 em um determinado momento e a esquerda não soube o que fazer com tudo isso, na minha leitura. As células se sentiram, digamos assim, impunes o suficiente nessa época para fazer coisas horríveis, como queimar bandeiras do movimento negro gritando palavras de ordem fascistas, e acho que por conta dessa impunidade elas se sentiram seguras para construir seu ciberativismo, organizar seus encontros.

Esse governo com certeza incentiva a existência de células neonazistas. Elas sentem muito seguras hoje em dia. A maioria das células são pró-Bolsonaro e se sentem seguras por ser um governo que enxota minorias, e com isso eles podem continuar a fazer discurso de ódio, que esse governo não coíbe de forma alguma. Desde a propaganda eleitoral de Jair Bolsonaro, estamos vendo que há uma alimentação desse discurso. Assim recorro ao Peter Gay [historiador alemão conhecido pela biografia de Sigmund Freud e sua extensa obra sobre a Europa], que fala que o ódio é construído, cultivado e cultuado. E para surgir ele exige três pilares: o discurso da meritocracia, uma ideia eugenista onde se cria a ilusão de que todos somos iguais e só prospera quem é o vencedor (um mito no Brasil); a construção de um Outro Conveniente, um inimigo onde se deposita a frustração em um terceiro, que pode ser o negro, o gay e/ou o imigrante que só existe na cabeça de quem o constrói; e esse culto exacerbado à masculinidade tóxica, o culto ao militarismo etc. São esses os três elementos que constroem um espaço ideal para o ascensão desse tipo de ideologia, e acho que desde a jornada de Bolsonaro como parlamentar, e depois no discurso eleitoral, temos visto tudo isso crescer.

Os jovens que são alvos do proselitismo neonazista são muitas vezes aqueles sem vida definida, sem perspectiva, sem grandes chances intelectuais ou profissionais, pois a eles é dito que são especiais, por serem brancos, e que seu espaço está sendo tomados por seus inimigos, os judeus, os negros e outros (por ações afirmativas, ou outras situações).

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram.

Tagged:
brasil
Entrevista
fascismo
neonazismo
extrema-direita
Adriana Dias
Jair Bolsonaro
eugenia
radicalização
nazificação