Outros

Parem com essas piadas bosta de Temer satanista

Não é uma questão de internet, mas algo para o bem do futuro dessa nação.

por Filipe Siqueira
24 Junho 2016, 7:00pm

Ilustração: Pedro Nekoi e Juliana Lucato

Após Michel Temer se tornar presidente em exercício como ato final de um processo de impeachment duvidoso que afastou Dilma Rousseff, vimos a proliferação de uma de nossas piores piadas políticas: os memes do Temer satanista. Apesar de arrancar algumas risadas num primeiro momento, sugiro que você apague essas piadas da sua cabeça pra não passar por otário. Não é uma questão de internet — aka publiças ou palestrantes do TED satirizando concorrentes pra abocanhar o "job" —, mas algo para o bem do futuro dessa nação. Este meme é uma cortina de fumaça. Caso Temer fosse realmente satanista, sem dúvida não estaríamos encarando um inevitável túnel cheio de merda e sem luz à nossa frente.

A origem mais provável do meme do Michel Temer satanista é março de 2009, em um boato via e-mail atribuído a líder de um tal Ministério Ágape, Neuza Itioka, ligando o então candidato a vice-presidência do país a paternidade de Daniel Mastral, um escritor evangélico (que se diz ex-satanista e escreveu um livro onde o personagem principal foi recrutado por políticos do Anticristo) que também espalhou boatos de poderosos que seriam satanistas, mas sem citar nomes. O email de Neuza é de uma paranoia notável: ela afirma que Temer atuava "como precursor no Brasil para entrada do Anticristo". Em uma mensagem oficial do Ministério em 2010, ela confirma essa teoria. De fato, se você buscar pelos termos "Temer satanista" no Google antes de março de 2009, não encontrará qualquer resultado relevante.

Então, temos a origem do boato como um delírio da líder de um grupo evangélico radical, que descreve a si próprio como engajado em "libertação, cura interior e guerra espiritual estratégica". O único objetivo de classificar Temer como satanista, além de nos fazer rir, é dar munição para relacionar satanismo com coisa ruim. É uma estratégia de poder religioso puro e simples.

Como no Brasil religião também é política em sua pior forma, líderes influentes e histriônicos da bancada evangélica se colocaram em defesa de Temer, reiterando continuamente para seus eleitores que Michel é um bom cristão. É uma forma de evitar que sua própria comunidade suspeite da índole do atual presidente. Silas Malafaia, em vídeo de 17 de abril de 2016, disse que a afirmação é "conversa pra boi dormir", enquanto Marco Feliciano, ao lado do próprio Michel (que descreve o pastor como "velho amigo"), diz que seu vídeo é uma forma de "desmentir a calúnia de que Michel Temer seria satanista".

Até o próprio Michel Temer já desmentiu o boato sutilmente em entrevista ao blog Folha Evangélica, em abril de 2010, afirmando "nunca ter frequentado centro espírita ou ter participado de sessões de umbanda", contribuindo pra difamação das religiões afro-brasileiras e reiterando que é católico, mas frequentou por muito tempo igrejas evangélicas. Ele vai além de uma defesa, e afirma que "Deus o mandou para a Câmara dos Deputados", e deu a ele a oportunidade de contratar evangélicos em todos os seus postos de assessores. Por outro lado, Temer já foi confirmado como maçom, organização que não é exatamente bem vista pela maioria das igrejas evangélicas.

Com esse quadro de boatos e memes mal formulados, não é difícil imaginar Satanás realmente ultrajado com a associação dele com um político tão ruim e com sérias dificuldades para demonstrar comandar um governo com alguma legitimidade. Principalmente porque o Satanismo em sua forma mais mainstream, fundado por Anton LaVey, é basicamente um gigantesco teatro para zoar com a tradição e hipocrisia cristã. Segundo ele, o satanismo não é religião, mas sim um conjunto de crenças filosóficas e psicológicas com o objetivo de libertar o homem da ação predatória do meio onde vive. Não faz sentido um satanista fingir que é cristão apenas para bolar algum tipo de conspiração para tomar o poder, porque fazer isso seria renunciar ao satanismo. Para alcançar o poder, um satanista utiliza outra ferramenta: a magia, naturalmente proibida no modelo de cristianismo corporativo que vigora hoje na maioria do mundo ocidental.

Satã não está no gueto apenas porque Lúcifer é a personificação do mito de Prometeus dentro da mitologia judaico-cristã, mas também porque lutar contra autoridades é a própria essência de Satanás. Então, é possível apenas imaginar como seria o governo de um político que abraçasse totalmente a filosofia satanista.

Marcelo Del Debbio, conhecido estudante de ocultismo e de ordens iniciáticas, expõe o cerne da questão quando fala sobre o assunto, em entrevista aqui pra VICE. "Em primeiro lugar, um governante satanista acabaria com a farra da hipocrisia político-religiosa", afirma. É basicamente o motivo da criação da Igreja de Satã, por LaVey, um ataque direto ao que se tornaram as maiores organizações cristãs no Ocidente: gananciosas, sedentas de poder e dinheiro. A Igreja de Satã foi uma gigantesca paródia principalmente ao catolicismo, e também buscou quebrar a hegemonia do pensamento religioso norte-americano — e mundial, de tabela.

Da mesma forma, um presidente satanista imediatamente aceitaria como verdade que cada indivíduo é capaz de fazer suas próprias escolhas. Esse pensamento está contido em um dos mantras de LaVey: Diga dentro do seu próprio coração, "Eu sou o meu próprio redentor". Trazendo isso para a esfera pública, as drogas seriam imediatamente liberadas, juntamente com o aborto, só para citar questões atualmente tabu no Brasil. Com essa ênfase pesada na liberdade individual, a criminalidade provavelmente cairia, assim como haveriam melhoras nos índices de saúde e educação.

"Confiscar os bens de envolvidos com corrupção e remanejá-los para a área da saúde e educação, punindo políticos corruptos e redirecionando os recursos [de seus roubos] para onde eles seriam realmente uteis, que é preparar a nação para não ser vitima de hipócritas religiosos", completa Marcelo.

O ator Toninho do Diabo, que afirma ser Embaixador de Satanás na Terra, pensa de forma similar. "Um governante satanista tornaria o Brasil um lugar muito mais divertido, muito mais livre, com maior propagação de ideias e divisão de riquezas", disse ele em entrevista a VICE.

Todo satanista também professa o equilíbrio entre mente e corpo, então um Temer legitimamente satanista não indicaria ministros que questionam direitos individuais e o tamanho dos investimentos da saúde. Muito menos demonstraria a intenção de limitar gastos públicos da educação, já que é através dela que cada indivíduo pode buscar a excelência individual buscada por Satã.

"No Satanismo, todo o homem é Deus. Toda filosofia e os rituais servem justamente para alcançarmos essa condição", afirma Toninho.

O próprio LaVey, em uma de suas frases, aponta como um satanista promove o seu próprio crescimento, ao mesmo tempo em que alimenta a comunidade ao seu redor com uma filosofia de desenvolvimento cultural e psicológico: "Tem sido dito 'a verdade vos libertará'. A verdade sozinha não tornará ninguém livre. É somente a dúvida que trará a emancipação mental. Sem o maravilhoso elemento da dúvida, o vão por onde a verdade se move seria firmemente fechado e impenetrável".

Esses princípios estão representados em um dos símbolos doutrinários máximos do satanismo, que diz basicamente: "Faça aos outros o que eles fazem por você". Pode parecer extremamente duro encarnar essa filosofia do olho por olho, mas pela lógica satanista psicologicamente ela é a melhor saída na busca pela igualdade e liberdade individual. Funciona meio assim: "Ao caminhar em território aberto, não incomode ninguém. Se alguém lhe incomoda, peça-lhe que pare. Se ele não parar, destrua-o", como diz um trecho da Bíblia Satãnica.

Há ainda outros pequenos trechos que das Regras Satânicas que, propagados por um governante chegado no Diabo, poderiam tornar a sociedade muito mais igualitária. Tipo a regra 5: "Não avance sexualmente a menos que lhe seja dado um sinal positivo". Ou a 1: "Não dê opiniões ou conselhos a menos que alguém os peça". Ou ainda a 10: "Não mate animais não-humanos a menos que seja atacado, ou para comer".

A ênfase no indivíduo como um ser completo não deve ser confundido com as medidas sociais predatórias que representam o neoliberalismo em sua fase atual. O motivo é bastante simples: Satã em sua trajetória cristã lutou contra o elitismo e o serviçalismo eterno das hostes celestiais, para ele todos deveriam ter os mesmos direitos e as mesmas possibilidades de tomar decisões. O neoliberalismo da austeridade, do aumento de impostos para os pobres e isenção para os ricos, dos juros altos, busca justamente o contrário. Elitizar uma sociedade através de uma economia desigual simplesmente destrói a liberdade individual, e esse é justamente o maior inimigo de Satã.

Então, pare de chamar o Temer de satanista, porque a realidade não poderia ser mais oposta — e é o seu rabo que tá na reta.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.