Crédito: Krista Kennell/ Shutterstock

‘Guccifer 2.0’, o hacker que diz ter invadido Fundação Clinton, está blefando

É conversa mole.

|
05 Outubro 2016, 4:07pm

Crédito: Krista Kennell/ Shutterstock

No dia que muitos esperavam que o WikiLeaks vazasse documentos incendiários sobre a candidata dos Democratas à presidência dos EUA, Hillary Clinton, o hacker conhecido como "Guccifer 2.0" chamou a atenção por afirmar ter invadido o site da Fundação Clinton, a organização governamental que, segundo muitos rivais políticos republicanos, teria laços questionáveis com corporações e alguns escândalos de direitos humanos.

"Muitos estavam esperando por isso, alguns até mesmo tinham me pedido", escreveu Guccifer 2.0 em uma postagem na terça-feira. "Essa é a hora: invadi o servidor da Fundação Clinton e baixei centenas de milhares de documentos e bancos de dados de doadores."

Seria grande coisa não fosse um detalhe: o grande feito, pelo visto, é mentira. Pouco após a postagem eu seu blog, oficiais ligados à Fundação Clinton negaram qualquer invasão. "Não temos quaisquer evidências de que os sistemas tenham sido invadidos e não fomos notificados pelas autoridades sobre qualquer problema", afirmou um porta-voz, por e-mail. "Nenhuma pasta ou arquivo exibido é da Fundação Clinton."

Como comentado pelo site The Hill, muitos dos indivíduos que aparecem na suposta lista de doadores da Fundação Clinton nem são doadores, de acordo com dados oficias da ONG. Já outros na lista parecem ser contribuintes do Comitê Congressional de Campanha Democrata (DCCC, na sigla em inglês), que supostamente também teria sido invadido por Guccifer 2.0.

Até mesmo a publicação Daily Caller, longe de ser um veículo pró-Clinton, escreveu que "uma análise dos documentos recém-divulgados não revela qualquer informação sobre a Fundação Clinton".

Ou seja: levando tudo isso em conta, parece que Guccifer 2 está mentindo.

O hacker afirmou que as negativas da fundação pouco importam "pois isso é só um pedacinho dos arquivos que peguei de seu servidor". "Eles vão ver, vão ver", disse ao Motherboard via mensagem direta no Twitter. "Nancy Pelosi também negou que seu PC havia sido hackeado quando havia sido."

É bom lembrar que Guccifer 2.0 surgiu no final de junho ao afirmar ser o hacker por trás da invasão do Comitê Nacional Democrata, fato que, de acordo com especialistas do setor de segurança e a empresa que investigou o caso, teria sido obra de espiões do governo russo.

Na época, Guccifer 2.0 afirmava ser um hacker solitário romeno que buscava expôr os "illuminati". No fim, porém, ele mostrou que não sabia falar romeno e, para vários especialistas, o personagem não passava de uma tentativa desastrada do governo russo de cobrir os próprios rastros.

Nas semanas seguintes, depois de pesquisadores se debruçarem sobre as evidências, ficou claro que todos os caminhos levavam à Rússia como responsável pela invasão ao Comitê Nacional Democrata, não um único hacker.

Este último vazamento, feito para parecer com que a Fundação Clinton foi mais uma vítima em sua série de invasões, confirma aquilo que todos suspeitavam: é tudo conversa mole.

Tradução: Thiago "Índio" Silva