Publicidade
punk

Fotos dos bastidores da primeira turnê dos Ramones

Danny Fields, o primeiro empresário da lendária banda, nos deu uma palha de seu novo livro 'My Ramones', as tendências da banda e os 40 anos do punk.

por Emerson Rosenthal; conforme dito para Betty Burns, e Jane Way; Traduzido por Peter Clynes
16 Junho 2016, 9:24pm

“Quando a sessão de fotos começou, os quatro Ramones vestiam suas jaquetas de couro. Tommy foi o primeiro a retirar a sua, então depois de um intervalo de 8 segundos no estilo dos Ramones, Dee Dee e depois Johnny ficaram de camiseta nas últimas quatro músicas — Joey ficou de jaqueta o tempo todo.”

Danny diz que a música não foi escrita exatamente sobre ele. “Originalmente ela era Tommy Says”, conta o primeiro empresário dos Ramones. “Porque na prática ele era o empresário deles no começo. Eles mudaram para Danny Says depois, mas eu nunca marquei show para eles em Idaho.” Este é o tipo de lição de história que aprendi durante nossa vodka de duas horas e meia em West Village. Sugeri alguma coisa que eu achava que sabia sobre minha banda preferida de todos os tempos, e então soube a história verdadeira. “A ironia é o sobrenome dessa banda e de tudo o que ela fez:, diz. Então escutei tudo com o dobro de atenção.

Talvez a coisa mais punk que Danny Fields esteja querendo fazer seja deixar tudo às claras — apesar de o próprio Fields dizer que sempre odiou a palavra “punk” e, de fato, muito pouco da história é clara. Mas há alguma verdade nos objetos: sempre terei meus álbuns dos Ramones (principalmente agora que os tenho em mp3), e Fields tem suas fotografias, uma coleção que agora é publicada em My Ramones, seu novo livro de fotografia. Lançado em maio pela First Third Books, o livro contém registros inéditos da primeira turnê da banda, aquela em que Fields não estava mandando ninguém para Idaho.

Atrás do CBGB (onde, meses depois, fizemos a capa de Rocket to Russia). Esse lugar não é mais tão nojento como era na época. Foi limpo, reformado e agora se chama Extra Place, uma ruazinha nova onde há um restaurante onde um jantar para dois pode custar mil dólares.

"É uma música maravilhosa”, admite Fields, falando sobre Danny Says, por volta de nosso segundo drink. “Ela devia ter sido um hit. É uma produção de Phil Spector e é o título do filme… ela tem uma história própria.”

“Outra ironia: não ganhei um centavo.”

Mas Fields não é uma pessoa amarga. Fala com carinho da formação original de quatro integrantes e suas aventuras, de Londres até a Califórnia, parando apenas para corrigir minhas pesquisas erradas e minha gramática — afinal de contas, Fields estudou em Harvard. Tudo o que eu jurava saber sobre os Ramones, ao que parece, é verdadeiro apenas em parte. Menciono o conservadorismo de Johny Ramone e recebo um grunhido como resposta que parece ser aumentado após anos respondendo à mesma pergunta: o guitarrista e líder da banda era americano em segundo lugar, e um pé no saco em primeiro. Próxima pergunta.

Os Ramones como precursores do punk nos Estados Unidos? “O punk vem de Londres. Depois teve os Ramones, mas primeiro Joe Strummer e os Pistols, todas essas bandas. Não fosse por isso, a coisa toda teria estagnado por muito tempo, mas não foi o que aconteceu, e então veio o punk.

Ramones com Chrissie Hynde Captain Sensible

Fields não concordaria, mas o assunto é especialmente relevante atualmente, já que estamos em ano de Punk London, um evento muito popular de uma contracultura que já faz 40 anos. Dia 4 de julho, Fields falará na British Library sobre a primeira visita dos Ramones, e o show que supostamente iniciou qualquer que seja a palavra anarquista para “movimento”.

“É um bom momento, porque pessoas que nunca ligaram para os Ramones estão prestando atenção neles agora. Toda a atenção que eles podiam querer antes agora está sobre eles, por causa dessa coisa dos 40 anos. Por que não antes? Quem ligava pra eles antes?” diz Fields sobre a coincidência na data de lançamento de My Ramones.“Um monte de fotos acabaram ficando famosas por si mesmas, foram usadas na ocasião certa, quando um jornal precisava de uma foto, essas coisas. É por isso que o momento é esse.” 

Gravando Ramones, o primeiro álbum

Devido à pouca venda, entretanto, Fields foi demitido em 1980, e sua época na banda, documentada em My Ramones, ficou marcada para além dos anais da história da música e do punk. Um pôster de que Fields tem orgulho em especial, que pode ser visto abaixo, resume bem a época, com os dizeres “Ramones Get Noticed” [Ramones São Notados]. O que se segue é um conjunto de encorajamento e negatividade daqueles que queriam ver os Ramones bem sucedidos e aqueles que queriam vê-los de volta ao Queens. Ao longo dos anos, muitos de seus detratores pediram a Fields que removesse seus comentários negativos, um fenômeno que Fields acha tão fascinante quanto divertido. “Não posso mudar a história. Posso mudar uma visão, ou a ênfase na ironia, porque as pessoas acham que algum significado é outro, como a ironia da camiseta do Brooklyn. Não posso mudar aquele outro tipo de ironia.”

Apesar de todos os quatro membros originais já terem falecido e a banda agora estar viva no Brooklyn e em coros de “Hey ho, let’s go” do público em estádios, talvez este seja o lugar em que Johnny, Joey, Tommy, eDee Deemais se sentissem em casa, com Fields como seu eterno empresário: um lugar na brecha, num entremundo, completamente a parte de qualquer outra coisa e completamente diferente daquilo que você acha que ele é.

Veja abaixo uma seleção de imagens e histórias de My Ramones.

Joey na piscina do Sunset Marquis.

Os Ramones provavelmente pela primeira vez em uma pick-up.

No Randy’s.

Em cada edição de “16” havia uma página chamada “Gostoso do Mês”. Se o fotografado estivesse sem camisa, o chamávamos de “Adônis do Mês”. Na piscina do Sunset Marquis, Dee Dee teve a oportunidade de se candidatar ao Gostoso ou Adônis do Mês, ou talvez a uma nova categoria. O que Dee Dee está vestindo?

Esta foto de Dee Dee lendo e Johnny se virando em sua cadeira, totalmente espontânea, é uma das minhas preferidas. Foi tirada no ônibus que os Ramones dividiam com o Talking Heads, enquanto percorríamos o vale do rio Ródano. Nenhum deles estava interessado no cenário, eles nunca estavam.

A viúva de Johnny, Linda Ramone, mantém esta foto na parede de seu “quarto Ramones”, que foi o quarto de Linda e Johnny em sua casa de Los Angeles. “Os olhos dele me seguem por todo o quarto”, diz Linda no documentário Too Tough To Die: A Tribute to Johnny Ramone, de Mandy Stein.

Os Ramones em frente à Suprema Corte dos Estados Unidos. Tive que recuar um pouco para tirar esta foto. Por sorte, consegui andar livremente, pois não tinha nenhum guarda, tanque ou turista na praça inteira.

Clique para aumentar. “Foi muito divertido criar essa propaganda, “os RAMONES" são notados”. Era a propaganda de Leave Home, seu segundo álbum. Saiu na Rolling Stone, na Rock Scene enaVillage Voice. As citações foram retiradas de críticas de álbuns dos Ramones, e o título do primeiro LP da banda. Então, na verdade, deveria ser lido “a banda RAMONES é notada” (Sabe? Na mesma lógica de que “receber uma crítica” é meio que “ser criticado”?) Mas o que as pessoas escreveram parecia ser sobre os membros da banda individualmente, tanto quanto sobre a banda em si; e muitos eram fodões demais pra se preocupar com o que era apropriado ou não” Imagem Cortesia de Danny Fields

Clique aqui para comprar My Ramones de Danny Fields.

Tradução: Flavio Taam