Publicidade
Eleições 2018

Ibope: sem Lula, Ciro sobe e empata com Marina; Bolsonaro lidera rejeição

Com mais tempo de TV, Alckmin e Haddad vão ter que pastar para viabilizarem suas campanhas.

por Amauri Gonzo
06 Setembro 2018, 2:49pm

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Depois de um imbróglio causado pela rejeição da candidatura do ex-presidente Lula (PT) no Tribunal Superior Eleitoral, o Ibope finalmente divulgou sua mais recente pesquisa para a corrida presidencial na noite desta quarta-feira (5). Os resultados apresentados não são necessariamente surpreendentes, mas mostram um quadro inicial da fragmentação dos votos de Lula há quase um mês para o primeiro turno.

A primeira surpresa é o crescimento de Ciro Gomes (PDT), que ganhou três pontos e foi a 12% de intenções de voto, empatando com Marina Silva (Rede). Jair Bolsonaro (PSL) também se aproveita da ausência de Lula, o chamado efeito “bolsolula”, e ganha dois pontos percentuais, liderando a pesquisa com 22%. Na turma do “cresce dois pontos” também estão Geraldo Alckmin (PSDB), que subiu de 7% para 9%, Fernando Haddad (PT), que passou de 4% para 6%, e João Amoêdo (Novo), que foi a 3%, empatando com Álvaro Dias (Podemos).

Um detalhe importante é a queda de votos nulos e brancos — na pesquisa anterior que mostrava Haddad como candidato, realizada entre 17 e 19 de agosto, 29% declaravam que invalidariam seus votos, e agora o índice caiu para 21%, mostrando que ainda há um espaço de disputa de voto para além dos que se dizem indecisos.


Assista o nosso documentário O Mito de Bolsonaro :


O que cresceu desproporcionalmente foi a rejeição a Bolsonaro, que saltou de 37% para 44%, indicando um difícil segundo turno para o ex-capitão. A rejeição de Marina subiu três pontos, para 26%, enquanto a de Alckmin caiu de 25% para 22% (Ciro também oscilou um ponto para baixo).

O impacto da pesquisa deve se refletir no horário político eleitoral, especialmente pelo fato de que Haddad e Alckmin detém a maior fatia do tempo em TV e rádio. Haddad se vê às voltas com um partido confuso, cujo nome de maior capital político está preso, enquanto o TSE tenta sabotar a presença de Lula no seu horário. Com 12 inserções em rádio e TV por dia, a missão de Alckmin é desidratar Bolsonaro e tentar uma ascensão parecida com a de João Doria (PSDB) nas eleições municipais de São Paulo em 2016 — com a diferença de que Doria era um desconhecido de baixa rejeição e Alckmin já tem um passivo de quem terminou o segundo turno de 2006 com menos votos que no primeiro. Os ataques a Bolsonaro já começaram, com direito a declarações pesadas, mas existe um risco nisso, de desidratar os votos de Bolsonaro (ou engajar os nulos e indecisos) em direção a outros candidatos mais bem colocados.

O social-liberal Bolsonaro já decidiu que vai pisar firme no discurso de extrema-direita para garantir que, como está, vá ao segundo turno — até porque começou a contar com o apoio de um time de peso, o dos banqueiros. A questão para o deputado federal é saber se a rejeição crescente não vai lhe custar o segundo turno, que pode ver uma coalizão ampla (para fora do capital financeiro) formada em torno do seu adversário — é importante lembrar que esta é a primeira eleição presidencial sob as novas regras eleitorais, que ditam uma campanha oficial muito curta.

No fim, o grande beneficiado até o momento é Ciro. Com uma disputa extremamente polarizada, sua militância deve ganhar corpo ao vislumbrar a possibilidade real de ir ao segundo turno. Pode ser contraintuitivo, mas a tendência para o primeiro turno de 2018 vai ser a do voto “útil”, afinal, um segundo turno Marina x Ciro ou Ciro x Haddad é um pesadelo para a direita, assim como uma disputa Alckmin x Bolsonaro e até Alckmin x Marina não interessa os politicamente canhotos. Mas é aquilo, como alertamos desde julho, essa eleição vai ser briga de foice no escuro.

A pesquisa Ibope Inteligência entrevistou 2.002 eleitores entre os dias 1 e 3 de setembro, tem margem de erro de 2 pontos percentuais, nível de confiança de 95% e está registrada no TSE sob o número BR‐05003/2018.



Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tagged:
brasil
Política
Fernando Haddad
Geraldo Alckmin
Jair Bolsonaro
pesquisas
Marina Silva
Álvaro Dias
Ciro Gomes
joão amoêdo
Ibope
Presidenciáveis