Todas as fotos pelo autor. 

Dez perguntas que você sempre quis fazer para um mestre de kung-fu

"Os monges treinam pesado, então conseguem rebocar um carro com o pênis."

por Daniel Darmawan; Traduzido por Marina Schnoor
|
set 12 2018, 10:00am

Todas as fotos pelo autor. 

Odi é um mestre de kung-fu moderno. Nas últimas duas décadas, ele se especializou em virtualmente todas as lutas corpo a corpo e armas, e levou incontáveis estudantes à vitória em competições nacionais de wushu na Indonésia.

A Indonésia recentemente ganhou cinco medalhes, incluindo o ouro, na competição de wushu Asian Games, então achamos que era uma boa hora para falar com Odi sobre o passado, o presente e o futuro do kung-fu num mundo obcecado por artes marciais mistas.

VICE: Há quanto tempo você pratica kung-fu?
Odi: Ensino kung-fu desde 96. Também treinei outras artes marciais como pencak silat e jiu-jitsu brasileiro, mas a que mais estudei foi o kung-fu.

Qual a diferença entre kung-fu tradicional e wushu? É verdade que o kung-fu foi basicamente reduzido a uma dança e é mais baseado em poses floreadas hoje?
Na minha opinião, wushu prioriza beleza sobre função. A velocidade do wushu é incrível – mas a alma marcial da arte quase não existe mais, porque os movimentos são focados em estilo em vez de substância. Por outro lado, o kung-fu tradicional preserva o aspecto marcial através de forma apropriada e condicionamento. O wushu tem duas ramificações: taolu, que são formas ensaiadas, e sanda, que é um esporte de combate. Então você pode dizer que a sanda é a resposta do wushu ao taolu.

Qual a ideia mais equivocada que as pessoas têm sobre kung-fu?
As pessoas pensam que wushu é só uma “dança” e que o kung-fu é formado por um único estilo. Kung-fu é um termo guarda-chuva; há muitas escolas que ensinam estilos diferentes.

A pessoa que vem à mente quando alguém pensa em kung-fu é Bruce Lee, mas o kung-fu não se parece só com o que Bruce Lee fazia.

Tem muitos vídeos no YouTube de boxeadores e lutadores de MMA desafiando “mestres de kung-fu” em lutas e ganhando. Na sua opinião, qual o melhor estilo de kung-fu para lutar num torneio de MMA?
Bom, todo estilo tem suas forças e fraquezas. Acho que o melhor é aprender o que é útil e descartar o que não funciona para você. Não se limite a um único estilo. No mesmo ponto, a utilidade de um estilo depende fundamentalmente da pessoa. Se a pessoa lutando é um especialista que treinou por anos, seu kung-fu pode ser mortal, mas se a pessoa lutando começou a treinar ontem, então claro que só vai conhecer a “pele” da arte, por assim dizer.

Na minha opinião, o kung-fu mais simples e fácil de aprender é um wing chun. É o mais fácil de aplicar, mais fácil de aprender, e não tem muitas formas para memorizar. As formas não têm muitos movimentos inúteis e as poses são, na minha opinião, aplicáveis [na vida real]. Outras pessoas discordam, mas essa é minha experiência.

Qual a coisa mais inacreditável que você já viu um mestre de kung-fu fazer?
Hum, a coisa mais comum que as pessoas veem é quebrar objetos duros... barras de ferro, cimento e grandes blocos de gelo, o que é padrão. Mas a coisa mais louca que já vi é a habilidade “camisa de ferro”. As pessoas canalizam sua energia chi em certas partes do corpo e aguentam ataques com socos e armas. Meu professor era mestre nessa habilidade.

Quais são algumas habilidades menos conhecidas que um mestre de kung-fu pode dominar? Coisas que parecem inacreditáveis para uma pessoa comum?
O que eu mencionei é uma delas. Se você está falando sobre algo como levitar ou pular muito alto, eu diria que isso é coisa de televisão. Se tivéssemos esse tipo de conhecimento, nossos atletas já teriam ganho medalhas de salto em distância e altura nas Olimpíadas.

Como você define o chi? Como alguém cultiva isso?
Acho que o chi é um tipo de energia do corpo humano. Ela existe no estado passivo ou ativo, e pode ser cultivada através de métodos como respiração e meditação. É algo que você tem que aprender sob a orientação de um professor, não é algo que você pode aprender com segurança sozinho. Sem orientação apropriada, você pode romper uma artéria ou machucar um nervo.

Você pode falar sobre a habilidade “ovos de ferro”? Como alguém pode levar chutes no saco e ainda conseguir ter filhos depois?
Ah, sim! Essa é uma habilidade real onde você pode canalizar seu chi para os testículos para que eles sejam fortes o suficiente para puxar um carro. Mas isso é coisa de Shaolin — os monges treinam pesado para conseguir rebocar um carro com o pênis.

Sabemos que pessoas como Ip Man (o professor de Bruce Lee) sabiam como fazer isso, e ele teve filhos, então eu diria que isso não interfere nas suas chances de se reproduzir.

Então como isso funciona? Há exercícios específicos que você precisa fazer antes?
Há uma versão disso onde os testículos são empurrados para a cavidade escrotal usando qigong. Nunca treinei isso, mas já ouvi falar que essa é uma habilidade que você consegue sugando suas bolas para dentro do seu abdômen.

Você pode realmente levitar ou colocar fogo nas coisas usando qigong?
Cara, na minha opinião isso cai no reino do sobrenatural. Para humanos normais, isso seria impossível sem ajuda de alguma “entidade” especial.

Como é um dia de treinamento típico pra você?
Minha rotina de treinamento é dividida em técnicas e físico. O treinamento físico apoia as técnicas. Isso inclui correr, flexões, abdominais e condicionamento geral para forjar um corpo forte. A técnica também precisa priorizar forma e aplicação — qual a utilidade de um físico forte com uma técnica ruim, ou uma técnica boa com físico fraco?

Qual você acha que é o futuro do kung-fu?
O kung-fu tradicional tem que se atualizar. Nós, como treinadores, não podemos nos prender muito à tradição. Pense em smartphones — todo ano eles lançam modelos mais avançados que tornam os antigos obsoletos. Se nos obrigamos a usar modelos e tecnologias velhas, vamos ficar para trás. Então a chave aqui é continuar preservando a tradição enquanto também absorvemos elementos de modernidade.

A entrevista foi editada e condensada para melhor entendimento.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais VICE
Canais VICE