Patrocinado

O Enem mudou a vida de muita gente para melhor

Conseguir uma bolsa de estudos no ProUni era a única chance de entrar na faculdade. Veja histórias de quem aproveitou essa oportunidade.

por Amauri Eugênio Jr.; fotos por Caroline Lima
24 Maio 2018, 2:00pm

Foto: Caroline Lima/VICE Brasil

A jornalista, designer e ilustradora Thais Longaray, de 29 anos, aprendeu a usar um computador no laboratório da universidade em que estudou. Sabia digitar, claro, mas aprendeu em uma máquina de digitar (dá um Google se você nunca viu uma). E como ela deu um salto tão grande? Por meio do ProUni, o Programa Universidade Para Todos, que distribuiu bolsas de estudo em instituições privadas para estudantes com boas notas no Enem.

Isso não significa que a jornada de Thais tenha sido fácil. Por um lado, a alegria dela por ter conquistado uma bolsa integral foi enorme, pois os pais não tinham condições à época para bancar os estudos dela. Ainda assim, o choque social que ela teve ao entrar no ensino superior foi uma treta grande – mas ela conseguiu tirá-la de letra.

“O principal desafio foi ter ingressado em uma universidade particular, com muitos colegas com padrão de vida elevado, quando eu nem sequer havia tido um computador”, conta. “Me vi obrigada a aprender a usá-lo no laboratório da faculdade. E, com o primeiro estágio, pude comprar o meu próprio desktop”, relata.

Há até pouco mais de uma década, entrar na faculdade era um sonho distante para muita gente. Pode até parecer exagero para quem ouve alguém dizer isso logo de cara, mas dados comprovam esse fato. Duvida? De acordo com o MEC (Ministério da Educação), 1,7 milhão de jovens ingressaram no ensino superior em 2006, enquanto 2,1 milhões o fizeram em 2016 – se forem considerados curso a distância, esse número cresce para quase 3 milhões.

Parte significativa do aumento da quantidade de pessoas na universidade pode ser atribuída ao ProUni, criado pelo governo federal para democratizar o acesso ao ensino superior por meio da nota obtida no Enem. Para se ter uma ideia, 112 mil pessoas conseguiram bolsas de estudos em 2005 por intermédio do programa, ao passo que quase 362 mil candidatos foram contemplados com o benefício em 2017.

A jornalista Roberta Sena Feliciano também aproveitou o programa. A jovem prestou o exame na edição de 2006 e queria ingressar no curso de Jornalismo, mas a mensalidade na instituição desejada por ela era proibitiva para sua família. A obstinação, no entanto, era enorme. “Indiquei o curso de Jornalismo no meu cadastro do ProUni em instituições de ensino diferentes. Caso eu não tivesse conseguido uma boa pontuação no Enem e não conseguisse a vaga, nem eu ou a minha família teríamos condições de pagar o curso que fosse, em nenhuma instituição de ensino”, relata.

Roberta alcançou a sonhada bolsa, mas ainda havia um longo caminho a ser percorrido: o da adaptação – “seja com colegas, ritmo de estudos, professores, entre outros”. Mesmo com dificuldade, os pais lhe ajudavam a custear o transporte até a universidade. “Porém, a parte financeira me atrapalhou por um tempo com a questão de materiais, como cópias, impressões e livros. No segundo ano, consegui um trabalho que ainda não era na área, mas me ajudou a conseguir pagar os materiais de estudo e ter dinheiro para o transporte”, detalha.

Qual foi o ponto de virada?

Depois de perrengues diversos, as coisas começaram a melhorar para Roberta no terceiro ano de curso. “Consegui um estágio na área e algum tempo depois comecei a pegar freelas, o que foi ajudando no crescimento do padrão. Minha mãe não precisava mais se desdobrar para pagar as contas de casa e coisas para meus estudos e até comecei a ajudá-la com algumas contas”, narra, ao falar como a graduação a ajudou a evoluir. “A experiência mexeu profundamente com relação à [noção de] coletividade, apoio ao próximo e intelectualidade.”

Roberta começou a ajudar com as contas em casa antes de terminar a faculdade. Caroline Lima/VICE Brasil.

Mais do que ter lhe possibilitado ter uma formação, a experiência foi transformadora na vida de Roberta. “Hoje tenho experiência considerável na área que escolhi. Conheci pessoas excelentes e tive a oportunidade de viver diversos momentos profissionais.” E a parte pessoal foi influenciada na mesma proporção. “Além de amigos que levo até hoje, a faculdade não me ajudou só financeiramente. Sinto que foi o primeiro passo para o nascimento de uma nova pessoa, como uma borboleta saindo do casulo, que teve oportunidades de conhecer lugares, pessoas e experiências inesquecíveis.”

A história não foi diferente com Thais. Se no início as tretas eram grandes, as mudanças em sua vida começaram a ficar mais evidentes quando ela não precisou mais pedir dinheiro emprestado aos pais – de quebra, começou a pagar um empréstimo feito por eles. “Meus pais moram em uma cidade do interior e desde o ensino médio eu morava com uma tia em Porto Alegre. Foi uma vitória quando pude ajudar nas contas e deixei de ser mais uma despesa em um orçamento tão apertado”, destaca.

A vida de Thais mudou. Ela conseguiu um bom emprego, fez pós-graduação, progrediu, mas ainda sentia que faltava algo mais. “Morei em São Paulo, consegui arcar com os custos de uma especialização em uma das melhores escolas de design do mundo e hoje faço mestrado em Portugal, em uma universidade pública.”

Por fim, questionada sobre como a universidade influenciou sua vida, Roberta foi categórica. “Sem o Enem e o ProUni, eu não teria nenhuma possibilidade de entrar na faculdade, ter a oportunidade de me formar e não estaria na posição que estou hoje. Não digo posição como algo social, mas de conseguir subir os degraus e alcançar um ponto em que olho para trás e me orgulho da minha trajetória, profissional, de estudos e pessoal.”

Thais pensa de forma semelhante. “Foi uma superinfluência, do ponto de vista de ter transformado a minha vida e de ter me aberto os olhos para a importância dos pactos sociais, pois é preciso ajudar quem necessita e dar oportunidades a quem não tem. Se não fosse o Enem, talvez eu estivesse trabalhando em comércio no interior do Rio Grande do Sul. Não há problema nenhum nisso, mas agradeço muito pelas oportunidades que puderam me trazer para onde eu estou, exatamente onde eu queria estar.”

Para mais matérias como esta visite o site feito pela VICE em parceria com a Estácio.