Ilustração de duas meninas
Ilustração: Herbert Loureiro
Identidade

As piores histórias de quem está passando a quarentena com roommates

Treta por banheiro mal lavado é uma realidade na vida do jovem.
04 Maio 2020, 4:05pm

Mais um dia #FiqueEmCasa na quarentena durante a pandemia do coronavírus pelo mundo. Você acorda na rebordosa, dá aquela gorfada na privada, limpa o banheiro – se certificando que não ficou nenhum fiozinho de miojo vomitado pelo chão –, e, mesmo assim, recebe uma mensagem via Zapson dizendo: "Acho que você podia ter limpado melhor o banheiro". Não é o amor da sua vida, não é sua mãe, é seu colega de apartamento te lembrando, diretamente do quarto dele, que a convivência é uma merda.

A real é que estamos com a saúde mental, emocional, social e financeira no esgoto, né – como se não bastasse B*****aro no poder. E pra quem divide teto com roommate também tá puxado. A VICE Brasil coletou relatos de quem está passando a quarentena com colegas de quarto/casa e abaixo você lê as histórias mais malucas que recebemos. FORÇA, RAPAZIADA!

Roommate compulsório que não faz porra nenhuma

Na real, moro com um dos meus melhores amigos. Ele conheceu um garoto em janeiro e ficou de papo. Na sexta-feira 13, antes de entrarmos em quarentena, eles saíram de date. Pois bem, passaram o fim de semana juntos e, quando foi decretada a quarentena, ganhei mais um roommate. O ******, palestrinha, dominava o sofá, comia bem e ajudava num total de zero compras e contas. Descobri que meu amigo já tinha dado a indireta direta de que seria legal ele ir embora e ele não ia.

Meu amigo criou o genial plano de mentir pra ele dizendo que todos íamos pra casa de nossas mães pois era quarentena e tal, melhor ficar com a família. Eu realmente ia ver minha mãe. Meu amigo só mentiu, mas teve que ir com a mentira praticamente até o fim. Ele limpou a casa dizendo que, como ia ficar fechada por um tempo, era melhor, né. O garoto não ajudou. Meu amigo teve que arrumar uma mala fake e o garoto: “Ain, só vou embora quando tu entrar no Uber também, quero aproveitar todo o tempo que tenho contigo". Meu amigo teve que fingir que tava esperando o Uber enquanto o garoto ia embora. Depois eu voltei e a casa estava limpa, não entendi nada, aí ele me contou esse causo. – Julia*

Ilustração: Herbert Loureiro

Galera tava achando que quarentena era férias

Eu morava com duas meninas. Uma dela estava na Europa e chegou assim que a quarentena se oficializou no Brasil. Tinha um recado no elevador do condomínio falando "se você voltou de viagem, evite andar pelo prédio, frequentar áreas comuns etc". E o prédio não tinha fechado academia e piscina ainda. Só tinha esse recado. E a menina seguiu a vida dela normal, indo pra academia, pra piscina, e começou a me deixar irritada. Liguei pra síndica e falei que deveriam fazer algo, colocar outro aviso. A menina podia ter voltado contaminada. Um dia, encontrei com ela na cozinha e ela tava normal, dividindo espaço, não estava isolando as coisas que estava usando, ela tava cagando e achando que nada ia acontecer. Aí tivemos uma leve discussão por causa disso e eu fiquei muito puta porque ela não estava respeitando e pensei: "cara, como é que eu vou ficar mandando numa pessoa que está cagando pro rolê?".

E nessa mesma semana, a outra menina que morava na casa levou duas amigas pra ficar lá porque o lugar era gigante. Um dia eu acordei, fui tomar café e tinha quatro pessoas na cozinha quando a ordem era evitar aglomerações de maneira geral. Aí eu fiz um barraco, um escândalo, falei que não era pra isso rolar, que eu não tava me enfiando na casa de ninguém, nem levando ninguém pra minha. Falei que não era pra elas fazerem isso, que tinham de respeitar, que o espaço não era só delas, era dividido. Aí deu B.O. A menina disse que ia me expulsar do apartamento, que eu não podia fazer o que eu fiz porque eu não era dona do apartamento e que ela ia me dar 30 dias pra sair de lá. Conclusão: eu não queria mais ficar naquele ambiente com pessoas que não estavam respeitando as recomendações. As duas foram passar uma semana na casa de familiares, cada uma na sua cidade, e eu me mudei no meio da pandemia. O pior é que todas as coisas que existiam no apartamento eram minhas. Tudo de cozinha, eletrodomésticos. Só que quando fui avisar no grupo que eu estava me mudando e que precisava do dinheiro que deixei como caução, elas não me responderam. Pedi meu dinheiro de volta. Como ela não me respondeu, eu pensei: "bom, então não vou avisar que estou saindo do apartamento". Fiquei sabendo pelo porteiro que até agora ela não voltou do interior. Quando ela chegar, ela vai achar que tem uma treta comigo, mas eu apenas tirei todas as minhas coisas. Ela vai chegar e ver uma casa vazia, depenada, que não tem nada porque eu me mudei, saí de lá e não falei porra nenhuma. Quando elas voltarem, não vai ter nenhum móvel, nem fogão, geladeira. Botei as comidas delas tudo em cima da pia. Agora eu só tenho a treta de pegar meu dinheiro de volta. – Joana*

"Tu vai me infectar"

Moro com uma amiga. Nosso estresse mortal foi descobrir, na quarentena, que os novos vizinhos são músicos (péssimos) e fazem live. A cada dia cresce mais o ódio por eles, que tocam um violão desafinado e cantam a qualquer hora do dia. Um dia eles estavam tocando "Taj Mahal" e nós decidimos colocar o disco ao vivo do Jorge Ben num volume considerável pra não ter que ouvir a versão deles, e em um minuto eles pararam. Tivemos também uma mini treta porque eu não queria tomar banho logo depois de ter vindo da rua e ela me obrigou a colocar os calçados na área de serviço. Nós começamos com uma discussão do tipo "tu vai me infectar por ter feito isso!", "não, não, tu vai me infectar por ter feito aquilo".

Tem também a disputa por espaço aéreo da casa. Eu fumo e fecho a porta do quarto pra não ir fumaça pra sala, mas toda vez que eu fumo, ela acende um incenso pra fazer uma briga de fumaças. Outro dia eu fui bater panela pro Bolsonaro e fazer conteúdo engraçado pros Stories ao mesmo tempo e deixei a única frigideira da casa cair pela janela. Nesse mesmo dia, tarde da noite, sem querer ela enviou um nude pra uma cliente. Foi anexado por e-mail junto com outros materiais que deveriam ser vistos de verdade, aí ela teve cinco minutos de pânico e resolveu assumir. Correu no Zap e falou pra cliente “NÃO ABRE O ARQUIVO TAL. TEM PORNOGRAFIA LÁ” – já que o medo dela era que a cliente simplesmente encaminhasse o e-mail pra outras pessoas. E a gente tava noiando em casa já . "Será que já viram e não falaram nada? Não viram e nao vão ver? Só o dono da empresa vai ver?”. Aí ela mandou esse zap pra cliente, que foi compreensiva e falou “Ah, guria... pode acontecer kkkk”. E ao que tudo indica o arquivo foi deletado. [Não que o panelaço tenha influenciado o envio da nude], foram só dois acontecimentos em um único dia. Atípico. Ela ficou meio puta porque era a única frigideira da casa. Mas eu postei os Stories do panelaço e ocultei da minha roommate, só que esqueci de ocultar a irmã. E a irmã acabou encaminhando meus Stories pra ela. – Bruno Bujes, 25

Ilustração: Herbert Loureiro

Regras para vomitar cogumelo

Ela é minha roommate, mas também é uma das minhas melhores amigas. É foda morar com alguém. E ficar de quarentena é mais foda ainda, principalmente quando a pessoa é totalmente psico em limpeza e organização. Sabe quando a pessoa gosta daquele tipo de casa que parece que ninguém habita o ambiente? Ela é assim. E ela noia com tudo, até com copo em cima da mesa sem o porta-copos. Se tem duas louças na pia, ela já fica noiada. Teve uma noite que a gente tomou cogumelo ouvindo o álbum do The Weeknd e acordei de manhã vomitando. Eu tava mal, naquela rebordosa de cogumelo. Mas limpei tudo, óbvio. Aí ela me mandou uma mensagem falando: "Olha, acho que o banheiro não tá muito limpo. Acho que você podia ter limpado melhor". Nem tava suja aquela porra.

Acho que depois desse dia ela ficou muito puta, porque depois acordei e tinha um papel sulfite na geladeira com várias canetinhas diferentes, cores e símbolos escrito REGRAS DA CASA 2020. Tá na geladeira ainda. Tá escrito que não pode ficar louça na pia por mais de tanto tempo, que precisa botar o lixo no lixo, vários bagulhos muito óbvios. Mas você vê que é uma pessoa que está claramente entrando em estado psicótico devido a quarentena. Esses dias ela foi pro interior ficar com a família e eu fiquei sozinha em casa. Tá um fuzuê, graças a Deus. Eu botei até um colchão na sala. – Tereza*

*Os nomes foram trocados pra que as entrevistadas não arrumem novas tretas com suas/seus (ex) colegas de apartamento.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.