Quantcast
Imagem: YouTube/Reprodução.

Pelamor, parem de fazer memes com o clipe de 'This is America'

PorBeckett MufsonTraduzido porSarah Oliveira

Você ainda não tá sacando o que o Donald Glover quer te mostrar.

Imagem: YouTube/Reprodução.

Matéria originalmente publicada na VICE US.

O trabalho de Childish Gambino sempre rendeu assunto para a Internet. A carreira dele foi forjada a partir do estrelato inicial no YouTube. O sucesso “Redbone”, que entrou no Top 20 da Billboard, tornou-se um meme por sua virtude de ser o tipo de música que “pega”. E, bom, o segundo disco se chamava “Because the Internet” (Por Causa da Internet). Mas e a nova música “This is America”, cujo videoclipe, dirigido por Hiro Murata, foi elogiada pela Atlantic como o “prolongamento de uma tradição que abrange de ‘The Revolution Will Not be Televised’ a ‘Corra’” e que a New Yorker reconheceu como “um retrato poderoso do existencialismo afro-americano”? É claro que, dado o tom sério do clipe e sua Importância com I maiúsculo, ele seria poupado, certo?

Errado.

Afinal, a Internet é a Internet, e bastou alguém assistir “This is America” — as caras! A mistura de coral gospel tranquilão com a batida do trap! As imagens impressionantes — pras coisas começarem a rolar. Por um lado, é fácil entender por que a Internet isolou os momentos mais chocantes do vídeo e os transformou em piadas sobre o novo filme dos Vingadores e alergias sazonais. Em um momento, Donald Glover está fazendo caras e bocas como as de Troy Barnes, de Community, e no outro ele dá um tiro em um coral de igreja. É surpreendente e provoca uma reação emocional imediata. Mesmo assim, os memes florescem em ambas as cenas.

Por outro lado, se a indústria dos memes fizesse uma pausa por um instante e pensasse no significado por trás do clipe, poderia compreender que “memeficar” seus momentos mais brutais prova exatamente o argumento que Glover está tentando construir. Em ritmo acelerado, ele expõe os expectadores a uma cena violenta que remete ao tiroteio em massa em uma igreja de Charleston (Carolina do Sul, nos EUA), cujo autor foi Dylann Roof. Em sequência, ele segue, sorrindo, para uma festa.

O simbolismo do clipe foi infinitamente analisado em torrentes de pensamentos, a maior parte deles elogiando Glover por sua acusação não apenas da violência armada, mas do modo como a indústria do entretenimento distrai os EUA de seus problemas.

Enquanto o Reddit está tentando chutar esse cachorro morto antes mesmo de nascer, o Twitter não tolera nenhum meme com “This is America”.

“Eu sou a única pessoa que acha os memes de “This is America” irônicos?

“Transformar ‘This is America’ em memes é a coisa mais norte-americana sem noção em que eu consigo pensar.”

“O fato de que vocês estão fazendo memes e piadas das danças e poses no clipe de 'This is America' apenas solidifica o argumento de Gambino de que vocês estão prestando atenção na coisa errada.”

“#ThisIsAmerica
A gente esquece facilmente dos tiroteios e tragédias e se distrai com danças tolas, memes e vídeos virais. Poderoso.”

Não é que memes não possam ser uma abordagem a temas macabros. É só olhar pro surpreendentemente obscuro meme do Patrick Estrela, que revela as piores coisas que amigos fazem uns com os outros. O meme Quem Matou Hannibal? até usa armas, embora de uma forma que é construída no específico uso de violência surreal e específico do Eric Andre Show. Fazer um meme de “This is America” não é burrice apenas por causa das imagens violentas. É burrice porque o material original simboliza o déficit de atenção da Internet. Qualquer meme feito a partir de “This is America” não entendeu o argumento da música.

“Pessoas fazendo piadas sobre “This is America” só reforça a ideia de que a nossa geração espanta os problemas do mundo real criando distrações com essas porras de memes, eu tô cansada de vcs.”

“Pode me chamar de mal-humorado, mas eu não quero meeeeesmo ver nenhum meme feito de This is America centrados na morte de negros. Para mim não tem graça nenhuma (e é de mau gosto, dado a mensagem). Muito primário. Mas sou eu.”

“Memes feitos de capturas de tela de ‘This is America’ constantemente comparam a violência contra negros com, digamos, bater o dedão do pé em alguma coisa e isso é meio chato.”

“Os jovens que estão transformando ‘This is America’ de #ChildishGambino em memes estão literalmente evitando um dos assuntos que ele critica no vídeo.”

“Eu não tenho certeza de até que ponto um artista deve considerar isso inevitável, mesmo com as imagens pesadas.
Mas não deixo de pensar que a reutilização dessas imagens como memes é a prova de um dos muitos argumentos de #ThisIsAmerica.”

“Todos esses memes de This is America não são exatamente a mensagem que o Gambino quer passar?”

“Vocês fazendo meme de ‘This is America’ é exatamente o que o Donald está falando. Vocês não entenderam.”

“O fato de as pessoas já estarem fazendo memes com o clipe de ‘This is America’ prova o argumento Childish Gambino estava tentando desenvolver no próprio clipe de uma forma dolorosamente óbvia. É impressionante do pior jeito possível.”

“Vcs já estão usando o clipe de ‘This is America’ para fazer memes. É dessa merda que ele tava falando.”

“A gente não pode fazer memes de ‘this is america’ do childish gambino. esse vídeo é simbólico demais para virar piada. não merece nada senão respeito #ThisIsAmerica”

“Fazer memes de ‘this is america’ só prova o quanto o vídeo está certo. Vcs não entenderam o clipe. Smh”

“A porra da ironia que é imediatamente transformar o clipe de This is America num caralho de um meme.”

“Por mais que a gente queira criticar e desintegrar o clipe do #ChildishGambino. Não faça isso! Deixa as imagens te atingir, fique imerso nelas. Eu não quero saber de memes, de piadas ou da dança dele. Concentra no visual. #ThisIsAmerica”

Até quem critica o meme pode cair na armadilha de usá-lo.

“Quando os memes de ‘this is America’ chegam até você”

Em resumo:

“‘Transformar This is America em Memes” é a América, essencialmente”

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.
Siga o Noisey no Facebook e Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.