Drogas

Pessoas nos contaram seus piores acidentes enquanto estavam chapadas

“Vou ter que implantar dentes aos 23 anos de idade.”
Traduzido por Marina Schnoor
08 Junho 2018, 6:10pm
Linhas: Paul Bock/Alamy Stock Photo; Dentes: David Cordner/Alamy Stock Photo.

Todo mundo sabe que drogas podem ser divertidas, mas também incrivelmente perigosas, e acabar te fazendo dizer e fazer coisas bem idiotas. O espectro dessas idiotices vai de mandar mensagem pro seu ex a achar que você pode voar, mas no meio disso você tem “ferimentos acidentais autoinfligidos horríveis”.

Falei com pessoas que acabaram conquistando vários graus de dor ou deformidades pro resto da vida enquanto estavam sob influência de narcóticos.

AVISO: Claro, o uso de drogas detalhado abaixo é totalmente idiota e irresponsável. Não seja uma dessas pessoas. Leia mais sobre Redução de Danos aqui na VICE.

Jéssica, 28 anos

Arrebentei completamente a cara caindo numa rave num túnel em Glasgow. Eu tinha tomado cerca de um grama de MDMA, mais espumante e vodca, e acabei quebrando o palato e os dentes, ao ponto de que a base deles tocou o céu da minha boca e as raízes quebraram. Basicamente quebrei a boca. Fui trabalhar no dia seguinte porque ainda estavam muito louca e não percebi o que tinha acontecido, ou pensei em me olhar no espelho. Eu trabalhava num café horrível e eles me fizeram lavar pratos a manhã inteira porque eu parecia o Genesis P-Orridge, mas aí me pegaram vomitando na lavadora e meu gerente decidiu me levar para a emergência. Tenho essa memória forte de que “Better Off Alone” estava tocando na sala de espera.

As raízes tinham morrido, então meus dentes eram basicamente uma bomba-relógio — eles disseram “Amanhã, ou daqui uns cinco dias ou dez, você vai ter uma dor extrema e seus dentes vão ficar pretos”. Fiz meu ortodontista chorar porque eu tinha feito duas operações, tirado dez dentes e usado aparelho por anos — um trabalho angelical do sistema público de saúde — aí fiquei chapada e fodi com tudo.

Galvão, 23 anos

Machuquei feio as costas tentando fazer death drops ao som de “Nice for What” do Drake enquanto estava loucão. Nem gosto tanto assim dessa música, mas por alguma razão, depois de cheirar meio papelote de pó, decidi que era imperativo fazer um death drop perfeito naquela parte do “watch the breakdown”. Considerando que eu nunca tinha nem tentado fazer isso, só assistido no RuPaul's Drag Race, fiquei simplesmente me jogando no chão da casa de uma amiga enquanto gritava para ela voltar a música no YouTube até chegar na parte certa. Lembro que quando estava cheirando, tive um pensamento passageiro sobre sentir dor no dia seguinte, mas achei que seria por causa das drogas, não porque passei uma noite inteira fodendo minhas costas, agora sinto dor até pra levantar. Já faz um mês.

Tom, 30 anos

Eu estava morando em Norwich e fazendo aquela coisa padrão de guerreiro da balada — trabalhando durante a semana depois bebendo e cheirando até morrer, ou pelo menos até a bad ser muito brutal — no final de semana. Uma noite, eu e meus amigos estávamos voltando do clube muito loucos quando vimos lixeiras da Tesco abertas, e decidimos olhar dentro. Conseguir alguns pães de forma e donuts de graça seria uma boa, pensei. Enquanto a gente tropeçava pela rua com os braços cheios de pão, meu amigo disse alguma coisa muito engraçada. Ri tanto que caí de costas por cima de uma mureta e aterrissei de cabeça.

Não lembro de cair, só lembro do zumbido nos meus ouvidos e me ver sentado no chão cercado de pães, até os gritos dos meus amigos permearem minha cabeça e eu perceber que tinha caído. Me levantei e voltamos andando para casa, mas a parte de trás da minha cabeça estava praticamente aberta segundo meu amigo, então ele entrou em pânico e chamou uma ambulância. Fui para o hospital e levei uns oito pontos na cabeça. Tenho a cicatriz até hoje.

Maya, 26 anos

Era meu aniversário de 18 anos num salão comunitário. Na verdade era um evento bem civilizado, um aniversário com a família e tudo mais, mas eu tinha um pequeno, OK, médio problema com drogas, então ficava saindo escondida pra cheirar ketamina no banheiro. Mais tarde naquela noite, eu e meu namorado na época — que também cheirava ketamina — decidimos participar de uma corrida de cavalinho. Claro, isso não acabou bem: ele escorregou, me fazendo dar um mortal por cima dos ombros dele e aterrissar na minha clavícula e no braço esquerdo.

Odeio atenção, então mandei todo mundo sair de perto e disse que estava bem, e continuei curtindo até o final da festa. Só quando o efeito da ketamina passou e eu tentei dormir que percebi quanta dor estava sentindo: levei literalmente 15 minutos para passar da posição sentada para deitada. Acordei no dia seguinte e chorei para minha mãe até ela me levar para a emergência, onde descobri que tinha torcido a clavícula e o braço. Passei um mês usando tipoia.

Dani, 23 anos

Cheirei muita ketamina e tomei muita cidra na boate e caí de cara no chão. Meus dentes atravessaram meu lábio e quebraram. Me levaram para a emergência de ambulância enquanto eu tirava pedaços de dente da minha carne. Só lasquei os dentes, mas acabei tendo de tirá-los porque eles tinham morrido. Vou ter que implantar dentes aos 23 anos de idade.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.