Publicidade
Music by VICE

Por que a Pineapple Supply fez o "Poetas no Topo"?

A marca de roupa criada pelo carioca Paulo Alvarez, 27, vai lançar uma websérie com os bastidores dos cyphers que bombaram fortemente no último mês. E você assiste ao teaser em primeira mão no Noisey.

por Beatriz Moura
03 Fevereiro 2017, 6:57pm

Se você curte acompanhar o que tá rolando no lado mais underground do rap br, você deve ter percebido o barulho que uma galera do Rio de Janeiro começou a fazer na cena no ano passado — e pra ser mais exata, a coisa se intensificou fortemente a partir do dia 26 de dezembro. Quando tava todo mundo curtindo a ressaca da ressaca do Natal, surgiu na interwebs o primeiro cypher do projeto Poetas no Topo, que juntou seis caras da nova safra do rap — Makalister, BK, Menestrel, Sants, Djonga e Jxvns  — pra rimarem por cima de um beat boom bap feito pelo carioca Slim Beats.

E, apesar de ter sido lançado no final/começo do ano, época em que as novidades do mundo da cultura costumam cair no limbo do esquecimento cibernético e não atingirem tanta gente assim, esse primeiro cypher até que fez um relativo sucesso: em um mês, o vídeo já tem mais de 2,2 milhões de views, o que, pros padrões de rap underground produzidos no Brasil, é um número considerável.

Menos de um mês depois do primeiro cypher, o projeto já voltava com a segunda manifestação nas redes. No último dia 20, eles lançaram o "Poetas no Topo 2", agora com participação dos MCs Orochi, FBC, Froid,  Sain, Ducon, Coruja, Baco Exu do Blues e Raffa Moreira. E, se o primeiro vídeo já tinha hypado, esse segundo tá voando mais alto ainda. Em duas semanas no ar, o vídeo já conta com quase três milhões de views. Um puta de um estouro, nível YouTuber.

Nesta sexta-feira (3), a PineappleStorm TV, canal do YouTube que está promovendo e organizando esses cyphers todos, solta com exclusividade pelo Noisey o teaser da sua websérie de estreia, Vivência / Poetas no Topo, que vai trazer, em três episódios, os bastidores do projeto, com os rappers bebendo, comendo, fumando, o Djonga contando um milhão de histórias, Sain e Raffa Moreira tocando pagode e todos gravando as vozes pro "Poetas no Topo 2".

Você pode assistir ao teaser, que contou com filmagem de Gabriel Solano e edição da Contra Corrente Produções, abaixo:

A PineappleStorm TV surgiu da parceria entre a marca de roupas Pineapple Supply (que veste todos os rappers dos vídeos) e o BrainStorm Estúdio e Produções. Falei com o dono da Pineapple, o carioca Paulo Alvarez, sobre como surgiu o Poetas e dos próximos projetos de rap que o canal vai lançar em breve nesse ano e, claro, sobre o já aguardado "Poetas no Topo 3". Leia abaixo: 

NOISEY: Como que a Pineapple Supply surgiu? E como que rolou essa aproximação com o rap?
Paulo Alvarez: 
Eu já fiz e desisti de várias faculdades. Já trabalhei em loja e, quando resolvi lançar a marca, eu tava trabalhando numa empresa de topografia e geoprocessamento. Foi com o dinheiro da recessão desse trabalho que eu montei a marca, pela primeira vez. Fiz o lançamento num show que uns amigos meus estavam organizando do Nectar Gang com o Marginal Men e me chamaram pra ajudar. Isso em agosto de 2015. Vendeu tudo muito rápido até, só que eu não tinha como me manter e acabei gastando todo o dinheiro pra fazer uma outra leva de camisa com despesas pessoais. Por isso, dei uma parada com a marca. 

Só que lá por abril ou maio de 2016, eu conheci o som do Froid e fiquei maluco. Nessa época, eu já tinha conseguido me reerguer financeiramente e pensei em voltar com a marca. Quando vi o Froid, pensei que era a oportunidade certa. Eu sabia que ela ia estourar. Aí, trouxe ele [que é de Brasília] aqui pro Rio e comecei a patrocinar a carreira dele. Foi assim que tudo começou a engrenar. 

E sobre essa aproximação da marca com o rap: acho que é importante não só a moda, mas qualquer segmento da sociedade que puder colaborar e se sentir inserido na cultura do hip-hop participar dessa cena. No meu caso, sempre ouvi rap, então é o meu interesse é que essa cena se expanda cada vez mais. 

Você sempre foi viciado em rap então? 
Sim. Por exemplo, eu sou apaixonado pelo Don L desde sempre. Tenho "Morra Bem, Viva Rápido" tatuado no meu peito há uns três anos. Ainda penso em criar alguma coisa audiovisual com o Don L e o Froid associados, mas ainda é só uma ideia. Vai acontecer ainda, só que não agora. 

Mas o surgimento dessa nova escola no underground, não só no Rio, mas também o Froid e o Baco, por exemplo, que tem uma preocupação de voltar com a poesia e a lírica no rap, me fizeram me identificar e me envolver ainda mais com o rap nacional. A Pineapple foi a concretização desse meu interesse.

E de onde veio a ideia de criar o Poetas no Topo?
O Poetas no Topo, na real, foi surgindo com o tempo e foi derivado de um outro projeto, o Favela Vive. A Pineapple patrocinou o primeiro cypher do Favela Vive — que tem o ADL, Sant, Raillow (PrimeiraMente), Froid e o beat do Índio —, mas acabou saindo pelo canal da [produtora carioca] Esfinge, que já tava fechando uns trabalhos com os meninos do ADL. A gente acabou ficando de fora do Favela Vive 2, e aí que eu resolvi criar meu próprio canal no YouTube e armar meu projeto de cypher. Chamei o Lucas Malak, do estúdio e produtora BrainStorm, que já era meu parceiro com os trampos do Froid, montamos a PineappleStorm TV, um canal no YouTube pra gente upar os nossos cyphers. 

Aproveitei um dia que o Makalister (que é de São José) tava hospedado na minha casa aqui no Rio pra gravar um feats pro disco do Froid e perguntei pra ele com quem ele queria fazer um som, aí foi assim que o BK entrou no jogo. Já tava conversando com Djonga pra um outro projeto, Pretos no Topo, e resolvi convidá-lo pra esse primeiro cypher. O Malak é produtor do Menestrel e o BK conhecia o de Jnvsx e do Sant por causa do Pirâmide Perdida. Aí um foi passando um fio pro outro e, pronto, a gente reuniu todo mundo no estúdio do Lucas pra poder gravar as rimas e, depois, o clipe.

E no que você se baseou pra curadoria pra esse primeiro cypher?
O primeiro foi mais com a galera dessa nova escola do rap daqui, que a gente já tem contato sempre. Menos o Djonga, que é de MG, e o Makalister, né. Mas foi meio que no improviso, tanto que o Froid ficou de fora porque não tava aqui no Rio na época. E ele com certeza faria parte do primeiro se tivesse aqui. Logo que a gente gravou o primeiro e vimos que teve uma resposta boa na internet, começamos a pensar no segundo e, principalmente, em quem a gente queria que tivesse no segundo cypher.  

Achei daora que o "Poetas no Topo" traz uma galera que não é só do Rio ou de São Paulo [tipo do Baco, no Poetas 2]. 
Eu desde o começo defendi "Sulicídio", por isso que quis trabalhar com ele. Tirando que o cara é muito bom. Pro segundo cypher, outro cara que queria muito chamar [e chamei] também era o Raffa Moreira. O Raffa tem o lance de ter muitos haters na internet, mas eu quis dar esse espaço pra ele pras pessoas verem que ele tem muito talento por trás disso.

Ah, e já que a gente falou sobre o Baco, tô armando o "Poetas no Topo 3com participação do Diomédes Chinaski (Chave Mestra).

E o que mais cê pode adiantar o que mais sobre o Poetas no Topo 3?
Vai ter Rincon SapiênciaLuccas Carlos, por enquanto. Vai ser mais de uma parte e sai em março. Tamo produzindo um clipe do Ducon com o [grupo] ADL [PoetasNoTopoXFavelaVive], que vai sair ainda em fevereiro. 

O primeiro episódio de Vivência | Poetas no Topo estreia semana que vem no canal da PineappleStrom. Os outros dois próximos episódios da série vão ao ar nas duas próximas semanas seguintes. 

Ficha técnica do teaser:

Filmagem: Gabriel Solano (@solanoav)
Edição e finalização: Guilherme Brehm (@gb_contracorrente). Contra Corrente Prod. (@contracorrenteprod)
Produção Musical: Disstinto (@disstinto)
Produção Executiva: Paulo Alvarez | Pineapple Supply
Produção: Uriel Calomeni (@urielcalomeni)

Tagged:
Music
Noisey
froid
Raffa Moreira
Makalister
BK
SANT
slim
cypher
Sain
matérias
Baco Exú do Blues
Poetas no Topo
FBC
Ducon
Coruja
Menestrel
Jxnvs
Djonga
Pineapple Supply
Orochi
Poetas no Topo 2
Paulo Alvarez