Saúde

Conselhos de italianos e espanhóis pra depois do primeiro mês de quarentena

“Não se dê falsas esperanças – tipo achar que depois de duas ou três semanas isso vai acabar e você vai voltar pra sua vida normal.”
Traduzido por Marina Schnoor
24 Abril 2020, 4:48pm
O que esperar depois de um mês de quarentena, segundo os italianos e espanhóis
Foto por Christopher Bethell. 

Em São Paulo, estamos oficialmente em isolamento social desde 24 de março – mesmo parecendo mais tempo. Como alguém no Twitter disse recentemente: “Parece que janeiro, fevereiro e março foram anos diferentes”.

Dito isso – fora o desemprego em massa, a propagação rápida de um vírus infeccioso e um sentimento constante de ansiedade coletiva com o futuro – muita gente parece estar indo bem. Tem gente fazendo pão caseiro! Curtindo vários livros! Se matriculando em cursinhos de francês online! Outra noite eu pintei uma pistinha de skate de dedo com esmalte de unha velho! Hahá. Tá.

Mas um mês não é tanto tempo assim no grande esquema das coisas. Itália, Espanha e China passaram por isso. Então como as coisas vão ser pra gente? Ainda vamos estar fazendo festinhas pelo Zoom depois do primeiro mês? Ou vamos ficar olhando pela janela até a “hora de dormir”?

Não dá pra prever o futuro, mas podemos perguntar para quem está nessa situação há mais tempo. Sendo assim, falamos com alguns colegas da VICE e amigos na Itália e Espanha sobre como poderemos estar nos sentindo depois do primeiro mês na quarentena. Aqui vai o que eles tinham pra dizer.

O clima vai pesar

“No começo, era tudo memes e risadas, planos online, encontros para fazer esportes e festas pelo Zoom com amigos que você não via há três meses”, diz Ana Iris Simón, da redação da VICE Espanha. Ela mora em Madri, que é o epicentro do surto de coronavírus na Espanha, e está em casa desde 14 de março. “Depois disso, enquanto o número de mortos começava a subir – o que obrigou as autoridades a usar um rinque de patinação no gelo como necrotério e um centro de convenções como uma grande UTI – e enquanto as empresas começavam a demitir pessoal, a atmosfera começou a mudar.”

Leonardo Bianchi, editor de notícias da VICE Itália, concorda. Ele está em Roma, que entrou em quarenta com o resto da Itália em 9 de março.

“Na terceira semana, a música e os gritos de guerra pararam”, acrescenta Leonardo. “Eu diria que estamos experimentando uma 'fadiga de isolamento': todo mundo sabe que vai demorar pra isso acabar, e ninguém sabe quanto. É muito estressante e mentalmente exaustivo.”

Dito isso, você vai cada vez mais se acostumar com as circunstâncias

“Psicólogos dizem que leva 21 dias para se acostumar com uma nova rotina ou situação”, diz Ana. “Essa foi a maior mudança: agora estamos acostumados com essas circunstâncias. Piadas e memes de quarentena acabaram, mas ficar sobrecarregado com não poder sair de casa também passou. Sabemos que vamos ter que ficar de quarentena mais tempo do que achamos no começo.”

“Era muito bizarro no começo, mas depois de um mês você se acostuma”, acrescenta Leonardo. “Porque você sabe que todo mundo está seguindo as diretrizes de ficar em casa que as autoridades deram. E eventualmente, você se acostuma a ver mais e mais gente usando máscara, ou com as filas na frente dos mercados.”

Você provavelmente vai conversar menos com os amigos

“No começo, todo mundo estava se falando enquanto tentava se adaptar a essa nova situação. Agora não quero ter as mesmas conversas com um monte de pessoas, então fui parando com isso, e muitos amigos estão fazendo o mesmo”, diz Alice Rossi, editora-chefe da VICE Itália, atualmente em Milão. “Também bloqueei a maioria dos meus chats em grupo – você não quer passar muito tempo lendo as mesmas mensagem sobre os mesmos assuntos, e ninguém vai te fazer sentir mal por isso agora.”

Ana na Espanha disse uma coisa parecida: “No começo, organizamos clubes de leitura, planejamos rotinas de exercício online com um amigo que é personal trainer, de se encontrar para beber no sábado... E fizemos tudo isso na primeira semana, mas cada vez estamos fazendo menos. Primeiro porque é exaustivo fazer chamadas de vídeo o dia inteiro e cumprir as coisas que foram combinadas como uma responsabilidade, assim como era antes do confinamento”.

“Decidi não olhar o celular durante a tarde e só ler as mensagens à noite”, ela acrescenta. “Ainda converso com minha família e amigos, mas tento não ligar demais.”

Mas seus novos hobbies estranhos não vão desaparecer ainda

“Acho que a energia geral diminuiu um pouco, mas as pessoas encontraram novos escapes”, diz Alice. “Muita gente ainda está cozinhando sempre (postar fotos de pizzas caseiras é uma grande tendência agora, como você pode imaginar), mas outras atividades de lazer são menos públicas, como se as pessoas não quisessem se mostrar tanto quanto antes. E mais e mais pessoas em Milão estão tentando fazer algum trabalho de caridade, tipo se voluntariando para buscar mantimentos para pessoas necessitadas, ou buscar doações para hospitais e ONGs.”

“Algumas pessoas ainda estão tentando agir como se estivesse tudo normal (fora todo mundo estar trancado em casa), então ainda estão passando o tempo – e, acima de tudo, postando isso nas redes sociais – com todos esses hobbies e novas atividades”, acrescenta Ana. “Mas esse comportamento está aparecendo cada vez menos com o tempo.”

Algum conselho?

“O primeiro conselho que eu daria: se prepare e não se dê falsas esperanças – tipo achar que depois de duas ou três semanas isso vai acabar e você vai voltar pra sua vida normal”, diz Leonardo. “Isso não quer dizer que você tem que surtar ou ficar deprimido, mas saber que você está nessa por um bom tempo.”

Ele continua: “Você vai ter momentos sombrios, claro. Você pode estar separado dos seus pais ou do seu parceiro; preso num apartamento com colegas com quem não se dá muito bem, ou isolado em casa sozinho (que é o meu caso); sobrecarregado com as notícias (se estiver, desligue tudo) ou pelas atualizações diárias de casos ativos e mortes. Às vezes você vai encontrar alívio lendo um livro, jogando videogame ou assistindo TV; às vezes isso simplesmente não funciona. É muito difícil chegar num equilíbrio entre desespero é (um leve) otimismo. Não se culpe se não conseguir, só continue tentando”.

@daisythejones

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.