Educação Ocupada

'Tá tranquilo, tá ocupado': os secundaristas tomaram a Alesp para pedir a CPI da merenda

A casa dos deputados estaduais de São Paulo foi ocupada por estudantes que exigem a instauração da CPI da merenda.

por Débora Lopes
04 Maio 2016, 12:30am

Foto: Felipe Larozza/ VICE

Normalmente ocupada por deputados estaduais, a bancada do plenário Juscelino Kubitscheck, na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), foi tomada por estudantes secundaristas por volta das 18h desta terça (3). O protesto em forma de ocupação pede que a CPI para investigar a máfia da merenda seja instaurada. Por falta de quórum, a Comissão de Educação e Cultura ainda não analisou nenhum requerimento sobre o esquema de corrupção cujos contratos fraudados podem envolver até R$ 20 milhões.

Foto: Felipe Larozza/ VICE

Os estudantes fizeram "cadeiraços" para obstruir diversas entradas e cantavam "Tá tranquilo, tá ocupado", brincando com o hit do funkeiro Mc Bin Laden. A Polícia Militar estava no local controlando alguns pontos de entrada e saída e filmando a movimentação dos secundaristas, puxada por movimentos como Upes (União Paulista dos Estudantes Secundaristas) e UEE (União Estadual dos Estudantes).

Foto: Felipe Larozza/ VICE

"Estamos comendo bolacha de água e sal com metade de uma xícara de leite desnatado misturado com farinha láctea. Isso não é uma refeição decente, principalmente para os estudantes do período noturno, que voltam do trabalho", relata a estudante D.N*, de 17 anos, que está na ocupação.

No local, os secundaristas simularam uma sessão plenária em que a decisão final foi pela instauração da CPI. Um dos estudantes fingia ser o deputado Fernando Capez (PSDB), presidente da Alesp citado no escândalo. Deputados favoráveis a instauração da CPI permaneceram no local para demonstrar apoio.

"A CPI deveria ser instaurada porque precisamos investigar o caso de desvio da merenda. Chegou a um nível escandaloso", relata D.N.

A OCUPAÇÃO FOI PREVIAMENTE ORGANIZADA

A ocupação da Alesp não foi espontânea. Os estudantes haviam agendado uma sala da Assembleia para debater sexualidade e gênero. "Viemos em peso, mobilizados de diversos município", detalha D.N. Durante o debate, quando viram a oportunidade, correram e ocuparam o plenário.

Até a publicação desta reportagem, a VICE não conseguiu contato com a assessoria de imprensa da Alesp.

Foto: Felipe Larozza/ VICE

Os secundaristas não pretendem sair do local enquanto não obtiverem respostas sobre a CPI. "Nós vamos ocupar e resistir o máximo de tempo que pudermos. Só sairemos daqui arrastados ou a partir do momento que eles lançarem alguma nota a respeito da CPI do desvio da merenda. E que os ladroes não fiquem mais impunes", finaliza a estudante.

INVESTIGAÇÃO

Desde janeiro, a Operação Alba Branca, da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual, investiga compras suspeitas e superfaturadas realizadas em 22 municípios do Estado de São Paulo. Presidente da Alesp, o deputado Fernando Capez foi citado por um dos funcionários da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), uma das empresas suspeitas. Ele teria sido uma das pessoas a receber propina.

*O nome da estudante foi abreviado para preservar sua identidade

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.