Um guia pra não ser babaca durante a Copa do Mundo de Futebol Feminino

Na verdade é bem fácil.

|
13 Junho 2019, 10:00am

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O maior evento esportivo do ano começou esse mês e se você não está planejando abrindo um latão de cerveja pra acompanhá-lo, não sabe o que está perdendo, cara. Isso mesmo, começou a Copa do Mundo de Futebol Feminino da FIFA, e até o fim de julho, 24 times vão competir em cidades da França pra ver qual deles é o melhor. Aproveitando que os marmanjões chorões da seleção brasileira só nos trouxeram desgosto e vergonha alheia nas duas últimas Copas, nada melhor do que curar essa ressaca assistindo a seleção brasileira feminina.

Não vai ser fácil, fique avisado. O Brasil, apesar de ter participado de todas as edições, só chegou na final uma vez em 2007 e perdeu para Alemanha (a maldição é antiga). Porém, a escalação promete momentos de emoção com a meio-campistas Formiga e Andressinha, e as atacantes Marta (eleita a melhor jogadora de futebol feminino do mundo SEIS VEZES e melhor artilheira da Copa anterior com 15 gols) e Cristiane. Aliás, no último domingo a nossa seleção já jogou contra a Jamaica e ganhou de 3x0.

Não se preocupe, a Copa do Mundo de Futebol Masculino não deixará de ser o torneio esportivo com maior cobertura do planeta caso você se interessar de acompanhar a feminina. Hoje, mesmo ganhando um pouco mais de atenção e tendo mais incentivo, a Copa feminina quase sempre é deixada de lado como um evento sem importância. Isso parece estar mudado. A FIFA, por exemplo, prevê uma grande audiência para esta edição do evento. Em países como o nosso, Inglaterra e EUA, os jogos já estão batendo recordes de audiência.

A negligência contra o futebol feminino tem muito a ver com a falta de patrocínios milionários que rolam na Copa do Mundo masculina e também com proibições históricas. No Brasil mesmo, o país do futebol, mulheres foram proibidas durante quatro décadas de jogar futebol nos campos. Só no fim dos anos 70, que foi revogada a lei que proibia o futebol feminino. Durante os anos de proibição, muitas mulheres desafiavam as autoridades e jogavam clandestinamente.

Bom, enquanto o futebol feminino tenta alcançar o masculino, tem algumas coisas que você pode fazer para não ser babaca. Bora parar de ser gado do Neymar e torcer pro seu time também, pô.

EVITE SER A PESSOA QUE FALA “A COPA DO MUNDO NÃO FOI ANO PASSADO???”

Quando alguém disser “Você vai assistir o jogo da Copa hoje?” / “O que você vai fazer no jogo da Copa na terça?” / “Eu queria viver como se sempre fosse Copa do Mundo”, não se faça de desentendido. Não vá corrigir a pessoa e dizer que, na verdade, a Copa do Mundo foi ano passado, na verdade (com a testa enrugada, começando a suar), a Copa só acontece de quatro em quatro anos, então, na verdade, não tem Copa do Mundo este ano.

Tem Copa este ano sim. Daqui três anos, você vai ter os marmanjos de sempre correndo pelo gramado de novo. As duas coisas são Copa do Mundo.

FIQUE TÃO EMPOLGADO QUANTO FICARIA COM A COPA DO MUNDO MASCULINA

Vamos falar a verdade aqui. Pelo menos 78% das pessoas assistindo a Copa do Mundo na verdade não ligam pra futebol. Não são as assistências que atraem as pessoas pro eventos; os cartões vermelhos ou substituições; é a diversão coletiva, um senso vago de comunidade que você sente sentado em volta da televisão, com uma cerveja na mão, cercado de amigos. É a emoção de poder abrir uma cerveja vendo um futebol daora. Na nossa sociedade neoliberal, onde o indivíduo é colocado acima de tudo, e grandes cidades, Tinder e comida congelada pra um te fazem sentir sozinho, que jeito melhor de fazer conexão humana que assistindo esportes com outras pessoas?

INCENTIVE TODO MUNDO DO ESCRITÓRIO A TORCER

Sim, sabemos que o país está em crise. Temos que pensar mais em trabalhar do que sermos felizes por algumas horas e não sofrer que nem um gabo indo pro abate. Mas, cara, é Copa do Mundo. Por que não parar o trabalho pra assistir o jogo? Não é como sua produtividade no escritório fosse lá muito alta.

Este ano você tem a chance de recriar a incrível energia de escritório da Copa do Mundo do ano passado, e realmente trabalhar menos recebendo a mesma coisa. Organize o bolão. Saia mais cedo pra ver as partidas. O momento certo de fazer corpo mole é agora. Crie um complô para convencer seu chefe. Eu sei que ele vai se achar super descolado e moderno se você explicar do jeito certo.

1560368299811-torcedoras_brasil
Foto: Creative Commons.

ASSISTA MESMO OS JOGOS

Tá vendo? As exigências pros homens são muito baixas. Até demais, diríamos.

SAIBA O NOME DE PELO MENOS PARTE DO TIME

Tem muito cara que sabe até as cueca usadas por cada jogador escalado para a Copa do Mundo de 1998 E ainda assim, dizer o nome de três jogadoras é pedir demais. Se você não liga mesmo pra futebol – tudo bem, só conheça os grandes nomes. Mas se você acha que ganhar a Libertadores é quase melhor que sexo, e sabe dizer a ordem das substituições como se fosse o nome dos seus filhos, então procure saber o nome das jogadoras. Seu cérebro obviamente tem a capacidade de absorver duma esponja para saber todas as coisas relacionadas com esportes de bola, é hora de usá-lo.

NÃO DIGA “SEI LÁ, ACHO QUE NÃO ACHO TÃO INTERESSANTE QUANTO O FUTEBOL MASCULINO”

O sucesso de um esporte geralmente, se não sempre, tem a ver com dinheiro. E quando se trata de Copa do Mundo, a grana é bem menor para o futebol feminino. E isso é algo amplamente aceito, inclusive pela FIFA. Em 2018, o presidente da FIFA, Gianni Infantino disse com todas as letras: "Talvez um dia o futebol feminino gere mais receita do que o futebol masculino".

Além da taça, também há um prêmio de US$ 4 milhões que o time ganhador leva pra casa. Parece uma boa grana, né? Pois é, a seleção francesa levou pra casa US$ 38 milhões pela vitória. Além do prêmio, o investimento nos times femininos são baixíssimos, assim como os salários e as péssimas condições para treinar. Não há financiamento suficiente, com alguns times femininos do mundo jogando em instalações de treino praticamente improvisadas.

Num nível individual, as jogadoras ganham significativamente menos que os colegas homens. Por exemplo, a melhor jogadora do mundo, Ada Hegerberg, está se recusando a jogar em seu time nacional, Noruega, por causa de uma disputa de salário, enquanto o time dos EUA teve que levar seus empregadores para o tribunal por causa dessa discrepância, apesar de ser mil vezes melhor que o time masculino do país. Em um levantamento feito em 2017 pela Forbes, mostrou que Neymar ganhou mais dinheiro por ano de seu clube Paris Saint German do que os salários combinados de todas as mulheres nas sete principais ligas femininas.

Considerando a falta de dinheiro e cobertura do futebol feminino, não é surpresa que você esteja mais acostumado a ver homens suados correndo no campo. Mas dizer que prefere futebol masculino ao feminino é machismo, simples assim. É o mesmo jogo, cara. Não venha me dizer que é menos interessante.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.