Publicidade
Motherboard

'Privacidade Hackeada' da Netflix não chega no ponto

O verdadeiro 'hack' não é a Cambridge Analytica, o Facebook ou as eleições de 2016. É o sistema que tornou nossas tragédias de dados inevitáveis.

por Janus Rose; Traduzido por Marina Schnoor
30 Julho 2019, 10:00am

Privacidade Hackeada / Netflix.

“Quem já viu um anúncio que te convenceu que seu microfone está ouvindo suas conversas?”, David Carroll pergunta a seus alunos no começo de Privacidade Hackeada, o novo documentário da Netflix sobre privacidade de dados e desinformação na internet. Carroll ri nervoso quando quase todas as mãos da classe se levantam.

A resposta é perturbadora, mas não uma surpresa – uma boa introdução para uma história sobre a Cambridge Analytica, a empresa agora infame que forneceu dados de segmentação de anúncios para a campanha de Trump na eleição de 2016. A empresa, como sabemos agora, peneirou os dados de questionários do Facebook para construir milhões de perfis psicográficos, depois os usou para hiperdirecionar anúncios para os eleitores com campanhas publicitárias personalizadas. Como o homem que fez a denúncia, Christopher Wylie, diz de maneira sucinta mais tarde no filme, a Cambridge Analytica não é uma empresa de ciência de dados, mas uma “máquina de propaganda”.

Mas mesmo que a narrativa de Privacidade Hackeada sobre a guerra de privacidade e informação possa abrir os olhos de muita gente, o documentário não consegue mostrar o grande panorama das coisas. O “grande hack” não foi o uso mal-intencionado de dados pela Cambridge ou o fracasso do Facebook em proteger esses dados. O hack é todo o modelo de negócio do Vale do Silício, que incentiva o uso de dados pessoais para manipular o comportamento humano em grande escala.

*

Alguns anos antes de todo mundo ouvir o nome Cambridge Analytica, a ex-professora da Escola de Administração de Harvard Shoshana Zuboff cunhou um termo para esse fenômeno: Capitalismo de Vigilância. Como ela define, Capitalismo de Vigilância é uma “lógica de acumulação” econômica que envolve extrair dados pessoais de maneira muitas vezes irreconhecível, criando “novos mercados para previsão, modificação e controle comportamental” que exploram esses dados como seu principal recurso.

Em outras palavras, esse é o modus operandi de empresas como o Facebook e Google, que dependem dos usuários fornecendo um fluxo constante de fotos, likes e outros dados úteis que podem ser usados para mapear relacionamentos, medir respostas emocionais e sim, direcionar anúncios. E quando se trata de publicidade, o santo graal da propaganda é conseguir prever o comportamento das pessoas – e assim manipulá-lo.

Considere essa citação do artigo de 2015 de Zuboff, atribuída a um cientista de dados anônimo de uma empresa do Vale do Silício:

“O objetivo de tudo que fazemos é mudar o comportamento real das pessoas em certa escala. Quando as pessoas usam nosso aplicativo, capturamos seus comportamentos, identificamos comportamentos bons e maus, e desenvolvemos maneiras de recompensar os bons e punir os maus. Podemos testar quão eficientes nossas sugestões são para as pessoas e quão lucrativas para nós.”

Como jornalista e educadora que cobre privacidade por mais de uma década, considero essa citação um resumo perfeito da mentalidade do Vale do Silício. É minha principal referência quando alguém me diz que tem medo da vigilância do governo, mas não se importa com corporações como Amazon e Facebook coletando seus dados. Programas nefastos do governo como reconhecimento facial e policiamento preventivo não vêm do nada. São uma consequência inevitável de um sistema que incentiva um acúmulo infinito de dados por lucro, o que por sua vez abastece a máquina de vigilância do governo que frequentemente se volta contra imigrantes, ativistas e outros grupos marginalizados.

Quando a Cambridge Analytica ficou sob os holofotes da mídia, eu esperava que o caso iniciasse um diálogo sobre o complexo industrial de vigilância e as estruturas capitalistas adjacentes que o dirigem. Mas Privacidade Hackeada foca a maior parte de seu tempo em dissecar os sintomas: especificamente, como uma empresa vem a possuir o poder aterrorizante de influenciar eleições, e como o Facebook não conseguiu impedir isso.

Em uma sequência, Brittany Kaiser, uma ex-executiva da Cambridge de motivação dúbia e um dos principais temas do filme, explica como a máquina de propaganda da empresa funcionava. O principal alvo dessa máquina eram os “persuadíveis”, pessoas com perfis psicográficos que sugeriam que estavam abertas a sugestões. Quando seus gatilhos específicos eram identificados, o conteúdo era personalizado para visar seus medos e inseguranças mais profundos. “Aí as bombardeávamos com anúncios”, diz Kaiser, “até elas verem o mundo como queríamos que elas vissem. Até elas votarem no nosso candidato”.

The Great Hack
Privacidade Hackeada / Netflix

Naturalmente, o principal antagonista do filme é o CEO da Cambridge Analytica Alexander Nix. Ele é um cara inegavelmente desonesto, e o filme o mostra dando declarações que mais tarde são contraditas por Kaiser e outros, se esquivando de perguntas da mídia, e pego numa filmagem com câmera escondida se gabando de seus feitos – incluindo oferecer usar trabalhadoras sexuais para fazer armadilhas e desacreditar oponentes políticos. O vemos se contrair em audiências diante do Parlamento do Reino Unido, onde ele é duramente criticado por como as manipulações de sua empresa renderam vitórias para Trump e os defensores do Brexit, o que acabou desencadeando a saída tortuosa do Reino Unido da União Europeia.

Depois vemos trechos dos membros do Congresso americano balançando a cabeça para Mark Zuckerberg sobre a falha do Facebook em prevenir o desastre – ao que Zuckerberg responde com suas falas padronizadas e agora sem sentido sobre “sentir muito” e prometer “melhorar”. Mas diferente de Nix, o filme parece ainda ter alguma fé em Zuckerberg, e na indústria de tecnologia como um todo.

Em uma cena quase no fim do filme, a jornalista do Guardian Carole Cadwalladr, que cobriu extensamente a história da Cambridge Analytica, sobe ao palco do TED para confrontar Zuckerberg, Jack Dorsey e outros líderes da indústria. Falando com “os deuses do Vale do Silício”, ela pede que eles considerem o dano que causaram, e que mudem seu modo de agir pelo bem da democracia.

“Essa tecnologia que você inventaram tem sido incrível, mas agora é uma cena de crime, e vocês têm a prova”, diz Cadwalladr. “E agora não é o suficiente dizer que vão melhorar no futuro.”

O trecho deveria ser um momento empoderador. Vemos uma jornalista falar a verdade para os poderosos e exigir responsabilização das plataformas de tecnologia para mediar nosso mundo. Mas Cadwalladr não parece considerar que titãs do Vale do Silício como Zuckerberg – agora um veterano em incontáveis escândalos de privacidade e turnês subsequentes de desculpa – simplesmente não se importam.

No começo do mês, a Federal Trade Commission multou o Facebook em US$ 5 bilhões por uma longa história de violações de privacidade vindo desde 2010. Mesmo sem precedentes, a “punição” na verdade foi um bom negócio para a empresa, que fez quase quatro vezes essa quantia em receita no último trimestre. Quando a decisão foi anunciada, o preço das ações do Facebook não sofreu – na verdade subiu.

Melhor ainda para o Facebook, a multa efetivamente absolveu a empresa e seus executivos de quase uma década de problemas de privacidade e práticas enganosas – incluindo permitir que a Cambridge Analytica colhesse dados de 87 milhões de pessoas.

Capitalismo de Vigilância é um modelo de negócio no Vale do Silício. Se o acúmulo infinito de dados é a lógica central da indústria, podemos mesmo esperar que qualquer coisa seja uma mudança significativa? Em vez de perguntar como o Facebook poderia ser punido, não deveríamos nos perguntar se o Facebook deveria mesmo existir?

Na conclusão de Privacidade Hackeada, ironicamente é Julian Wheatland, ex-CEO da Cambridge Analytica, que toca no que deveria ser a tragédia central do filme: que esse desastre estava codificado no próprio sistema que deu à luz ao Vale do Silício moderno.

“Sempre haverá uma Cambridge Analytica”, ele confessa para a câmera. “Só é uma merda pra mim que ela tenha sido a Cambridge Analytica.”

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.