Publicidade
Games

Como o Bomba Patch formou uma geração que consome futebol pelo videogame

A história do mod de PlayStation 2 que redefiniu nossa relação com o futebol nos anos 2000.

por Matheus Fernandes
03 Julho 2018, 5:56pm

Todas as imagens: Bomba Patch/Reprodução.

“100% atualizado, é ruim de aturar. Bomba Patch virou moda todo mundo quer jogar”. No auge do PlayStation 2, esse som era onipresente. Não tinha competição: o Bomba Patch era maior que FIFA e Winning Eleven. O mod de futebol, inicialmente baseado no Winning Eleven 10, conseguiu juntar a paixão pelo esporte com os games do jeito mais brasileiro possível.

Não foi só a inclusão dos times nacionais que fez o patch ser sucesso. Antes das empresas estrangeiras investirem no país, esses mods semi-amadores já tinham o elenco, o estádio, as bandeiras e até os gritos das torcidas. A narração vinha das mesmas vozes da televisão e a trilha sonora trocava o indie britânico por funk e canções do poeta Chorão. Nem os glitches frequentes e os "stats" questionáveis que igualavam os jogadores do Brasileirão aos ídolos europeus abalavam essa identificação. A disponibilidade também era um fator importante, se não o mais influente nessa popularidade. Se o preço dos games oficiais equivaliam a boa parte de um salário mínimo, o Bomba Patch estava disponível por valores módicos em quase todo camelô do país.

Pela própria questão da pirataria, é difícil quantificar em números o sucesso do patch, mas não é uma estimativa irreal dizer que é o jogo não-oficial brasileiro mais bem sucedido. Ainda assim, o game é relegado a uma espécie de informalidade, um lado B da história dos games.

Nós trocamos uma ideia com o cientista e engenheiro da computação Allan Jefferson, da Geomatrix Games, a equipe original do Bomba Patch, para entender melhor a história do mod, que sobrevive firme há mais de uma década com jogos sempre atualizados.

Segundo Allan, o Bomba Patch começou no ano de 2007, com um campeonato de videogame em Mogi Mirim, município de 90 mil habitantes localizado no interior de SP. Como rolava em todo o país, a molecada do bairro se organizou em um torneio de Winning Eleven 10, mais especificamente o mod Brazukas, o mais popular do período. O torneio de 20 times durava 7 meses e tinha uma estrutura bem complexa, com rodadas aos finais de semana e até uma segunda divisão e copa paralelas.

Com a demora nas atualizações do Brazukas, o pessoal aprendeu a criar o próprio patch para “saciar a vontade da galera que participava do torneio”. O nome escolhido foi Bomba Patch, em homenagem a Copa Bomba, o campeonato de bairro. A Bomba do nome não se refere a nenhuma forma de explosivos, mas a uma mistura de farinha com iogurte e achocolatado que o público tacava no vencedor do campeonato durante a comemoração.

As atualizações do Bomba Patch rolavam semanalmente e eram disponibilizadas em uma locadora. Conforme a galera comprava o game, geral ia atrás do Bomba Patch para chegar com o memory card calibrado na rodada do final de semana. O rolê foi se espalhando pela cidade e chegando até em quem não participava do campeonato. Em pouco tempo, o jogo começou a aparecer nos camelôs, lojas de games e sites para download, diz Allan.

O estudante Adalton Fernando, administrador do projeto Museu dos Patches, acervo virtual colaborativo que busca resgatar o futebol “do nosso guerreiro PlayStation 2”, conta que a história dos patches de futebol no Brasil vêm desde 2002, mas esses primeiros experimentos são os mais difíceis de recuperar, porque foram distribuídos na maioria das vezes em locadoras e não em camelôs, como os posteriores.

Para Adalton, o boom do futebol no console começa em 2006 com o lançamento do Winning Eleven 10 (ou PES 6), game que contava com uma melhora mecânica em relação aos antecessores. No mesmo ano, começam as primeiras versões do Brazukas, cuja popularidade atrela ao capricho nos vídeos de entrada e na trilha sonora. A partir de 2007 foi a vez do Bomba Patch fazer sucesso, com o lema do “100% atualizado” e a ampla disponibilidade em feirinhas e camelôs. “Jogar com os primos, amigos, os colegas da escola, foi um rebuliço no futebol de PlayStation 2”.

Em 2008 a trajetória do mod, então em sua versão 4.5, foi interrompida pela separação da equipe. “Cada um foi para um local diferente para fazer universidade”, diz Allan. Ele mesmo saiu de Mogi Mirim e foi pra Paraíba atrás do sonho de cursar Ciências da Computação, passando um ano “isolado do mundo dos games” na cidade de Mulungu, de pouco mais de 10 mil habitantes.

Um dia, dando um rolê pela cidade de Guarabira, também na Paraíba, Allan entrou numa loja de games para dar um confere no que estava rolando e se surpreendeu ao ver o Bomba Patch nas prateleiras e a distância que o jogo tinha percorrido desde seu início. “Não acreditava que nosso jogo tinha chegado tão longe”. Trocando uma ideia com o vendedor, descobriu que era o jogo mais vendido da loja, e que a galera se queixava da falta de atualizações. Conversa vai, conversa vem, Allan acabou revelando que era o autor da modificação, e a loja se ofereceu para patrocinar uma retomada do patch.

Acima e abaixo: as capas marcantes de algumas edições do Bomba Patch.

Dessa maneira, o jogo voltou a ser atualizado, começando com a versão 4.6, que trazia como maior novidade a transferência do meio-campista britânico David Beckham pro Milan. Em contrapartida pelo patrocínio, a loja de games ganhou espaço nas publicidades dentro do jogo, o que segundo Allan levou muitos a acharem que a loja era a responsável pelo patch.

Sem sua equipe original, Allan decidiu que a melhor maneira de fazer o Bomba Patch continuar era ensinar a galera a editar, o que ajudou na profusão de versões do jogo, assinadas por diversas equipes. “A partir desta comunidade, surgiram várias equipes criadas por fãs do Bomba Patch que editam até hoje e isso foi importante pro jogo”, conta Allan. “Uma nova equipe quer editar o jogo, quer colocar o estádio do Maracanã em seu patch, ela não precisa criar do zero. Ela tem o estádio já criado pela comunidade e pode usar tranquilamente. A mesma coisa com narrações, uniformes de times, vídeos de abertura. A comunidade Bomba Patch se ajuda nas criações e assim quem sai ganhando são os jogadores”.

O funk do Bomba Patch

É nessa época que surge o funk do Bomba Patch. Todo o rolê foi meio por acaso: o primo de Allan era candidato a reeleição como vereador, e Allan ajudava no marketing da campanha. Durante a gravação dos jingles de campanha para os candidatos do partido bateu a ideia de gravar uma música, como resposta às provocações dos rivais do grupo Brazukas, que acusavam o Bomba Patch de amadorismo.

O objetivo era ter “uma música própria, algo que eles não tinham”. Com a letra completa, o programador encomendou no estúdio uma música “chiclete”, que ficasse na mente dos jogadores. Deu certo demais, tanto que até hoje o funk é o elemento mais identificável do jogo. Na opinião de Adalton, os jogos da série 4 são os mais importantes do Bomba Patch, por serem onde o jogo se tornou conhecido, e os primeiros com o funk “que ficou famoso no Brasil”.

Allan explica como se definiu a estética do mod. Com a proliferação das infames capas retratando mulheres semi-nuas nas versões de vários grupos do patch, se tornou necessário o desenvolvimento de box arts oficiais para dissociar o jogo, “de família”, desse conteúdo erótico que se multiplicava pelo comércio popular.

Se as últimas versões de FIFA e PES pro PlayStation 2 saíram em 2013, marcando o fim comercial da plataforma, o Bomba Patch continua recebendo novas edições. O lançamento mais recente é o Bomba Patch 81, que traz as transferências do início do Brasileirão. Ao exemplo do FIFA, o jogo também ganhou sua versão temática da Copa do Mundo, que seguindo o lema do “100% atualizado”, deixa os erros bizarros da versão oficial de lado, com um elenco brasileiro já sem Dani Alves e com a inclusão de Fred e Taison. Até o cabelo do Neymar recebeu um update. Questionado sobre as diferenças de elenco entre FIFA e Bomba Patch, Allan não hesita em dizer que “o Bomba Patch sempre está mais atualizado”.

O PlayStation 2 continua sendo o carro-chefe do Bomba Patch, mas o game atualmente conta com versões para outras plataformas: Xbox 360, baseada no PES 2013 (o melhor da série, na opinião de Allan); PSP, que acaba sendo a de Android também por meio dos emuladores; e PlayStation 3 e 4, via pendrive, corrigindo o conteúdo não licenciado dos games oficiais.

Atualmente, o Bomba Patch também está no YouTube, onde parte dos patches é disponibilizada gratuitamente. O canal, criado em 2006, tem cerca de 130 mil inscritos que acompanham os vídeos sobre as novidades no jogo e lives onde os seguidores são recriados em campeonatos virtuais.

Com 18 anos desde seu lançamento e fora de produção há pelo menos seis, o PS2 poderia estar no fim de sua vida. Adalton explica que 90% das equipes dos patches nostálgicos se aposentaram, mas há um interesse renovado nos últimos anos, o que reflete nas mais de três mil visitas diárias que seu blog recebe. Entre as equipes recentes que disponibilizam patches onlines destaca o trabalho de dois grupos estrangeiros, o Crymax, jogo no idioma espanhol, mas que vem recebendo versões em português, e o Blezz Patch, desenvolvido em Gana. “Para o mercado ele não faz mais diferença”, diz Adalton, “mas ainda está firme e forte no meio dos fãs”.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tagged:
brasil
GAMES
futebol
Playstation 2
jogos piratas
jogos brasileiros
magia do futebol
funk brasileiro
desenvolvedores brasileiros
Bomba Patch
história dos videogames brasileiros