A história dos brasileiros que trabalharam em 'Horizon Zero Dawn', no Poligonal

Convidamos Thiago de Freitas, da Kokku, para conversar sobre 'external development', games mainstream e incentivos fiscais do governo.

|
dez 1 2017, 11:03am

O robô Corruptor, desenvolvido em parte pela Kokku, estúdio brasileiro. Imagem: Sony/Divulgação.

Quando foi anunciado que o estúdio Kokku, do Recife, estava fazendo "desenvolvimento externo" (ou external development, no inglês) para o incrível Horizon Zero Dawn, os fãs e a imprensa brasileiro entraram em combustão de alegria. Afinal, não é todo dia que desenvolvedores brasileiros trabalham num game deste porte.

Para nos contar os altos e baixos dos bastidores dessa produção multimilionária, convidamos o CEO da Kokku, Thiago de Freitas (além dos tradicionais Bruno Izidro e Letícia Wexell), para trocar uma ideia sobre games mainstream, por que tem poucos estúdios de games no Porto Digital do Recife, e a importância vital de incentivos fiscais para alavancar a produção nacional de joguinhos.

Links relacionados:

Você pode receber nosso podcast diretamente no iTunes, ou pode usar o feed RSS para se inscrever na sua plataforma de preferência. Você também pode baixar o episódio clicando aqui. Curtiu o episódio? Então dê uma ajudinha e aproveite para deixar o seu review lá no iTunes. Mande perguntas e sugestões para o email do nosso editor.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.

Mais VICE
Canais VICE