Publicidade
Music by VICE

Lembrando das coletâneas póstumas do Sabotage

Uma breve análise das duas clássicas (apesar de não oficiais) seleções da obra do Mestre do Canão, que reúnem mais de duas horas e meia de inéditas, remixes, instrumentais e participações da lenda do rap.

por Eduardo Ribeiro
14 Outubro 2016, 9:18pm

Embora Rap é Compromisso (1999) seja o único álbum oficial do Sabotage​ lançado com o artista em vida, durante a sua trajetória o Maestro do Canão produziu diferentes versões para suas faixas e também soltou algumas inéditas, alguns remixes, outras instrumentais, além de ter realizado vários improvisos, no palco e no estúdio, com os camaradas, e participações em discos de outros grupos.

A maioria dos sons concebidos fora das sessões de Rap é Compromisso são fruto dessas interações com seus parceiros criativos. Nomes como Instituto, Z'África Brasil, RZO, SP Funk, Chorão, KL Jay, B. Negão e, até, o Sepultura ("Black Steel in the Hour of Chaos").

Essas músicas soltas foram alastradas pelos sites de compartilhamento de MP3, CD-Rs e compilações de rap entre os anos de 2000 e 2008. Mas foram reunidas em dois bootlegs em CD, para sanar a demanda pela expressão do rapper, morto no auge de seu apelo com o público, em 2003.

Alegra que as versões presentes em Uma Luz que Nunca Irá se Apagar (2002) e em Rap É o Hino que me Mantém Vivo (Cosa Nostra; 2008) não são nada toscas. A qualidade das gravações mostra que rolou uma masterização até que honesta na parada, e por isso são discoteca básica para quem curte a onda do Sabota. O primeiro título vem recheado com mais de uma hora e meia de rap. O segundo, com quase uma hora. Por coincidência, ambos saíram com 18 faixas.



No repertório geral, entrou só uma música do EP com quatro sons que o Sabota lançou em 1997,
Supervisionando a Sociedade. Trata-se de "Rap Nacional 2000º", e está na lista de Rap é o Hino... . Neste, incluíram ainda cinco trechos de entrevistas com o Sabotage, cheias daquelas máximas marcantes que ele disparava, como: "Se existem 300 milhões de habitantes neste hemisfério, existem 300 milhões de tipos de vida diferentes".

Em meio aos depoimentos garimpados acha-se até o áudio original da clássica entrevista em que ele conta como surgiu um pedaço da letra de "Cocaína". Foi quando ele cantou pela primeira vez a dobradinha "Rap é Compromisso" e "Cocaína" numa rádio, acompanhado do camarada Max B.O.: "Eu estava bem louco na rádio, comecei a errar a letra, e ele começou a improvisar um freestyle que, em homenagem a ele, eu falei: 'Cara, eu vou usar essas palavras que você inventou na hora. Dalí o pessoal conseguiu fazer uma pirataria'."

Nem espanta que o Sabota tenha deixado esse rastro de faixas soltas por aí. Afinal, é sabido que, a cada take, ele costumava mandar uma letra diferente, com novas palavras e improvisos. Assim, músicas diferentes brotavam o tempo todo de sua mente, cheias de gírias, neologismos e onomatopeias. Talvez você até encontre Uma Luz... e Rap é o Hino... em CD nos camelôs ou galerias da 24 de maio. Mas, para a nossa alegria, está tudo na internet. Pega esse flow:

sdifuhisuhdfiushdf

E nesta segunda (17) transmitiremos o Facebook Live que o Spotify está armando para trazer garbo, elegância e emoção para o tão aguardado lançamento do álbum póstumo do Sabota​. Enquanto segunda não é hoje, ouça a playlist que o pessoal do Spotify Brasil bolou só com as clássicas do Maestro do Canão e fica ligeiro nas redes sociais do Spotify​ e do Noisey​.

Tagged:
Music
Hip-Hop
Noisey
Rap
sabotage
coletânea
coletâneas
Sepultura
KL Jay
instituto
rzo
SP Funk
matérias
rap é compromisso
Chorão
B. Negão
Z'Áfrika Brasil