coronga

Pornô de coronavírus está viralizando

O pornô tá se metendo no meio da crise global de saúde
05 Março 2020, 10:00am

Os links nesta matéria podem ser considerados NSFW.

Num vídeo ido Pornhub intitulado “Filmagem (Agente CDC) Investiga Wuhan Deserta”, você assiste em primeira pessoa do ponto de vista de “Jerry”, um profissional de saúde num traje hazmat, tropeçando pelos escombros sombrios de uma instalação médica.

Ele respira com dificuldade e seu coração está disparado, uma voz vindo de um walkie talkie tenta fazer ele responder, mas ele não responde. De repente, uma mulher numa camisola de hospital pula nele, tira seu pênis ereto por um buraco do traje, e faz um boquete nele sem dizer nada.

Globalmente, o novo coronavírus, ou COVID-19, já matou mais de 3 mil pessoas e infectou 90 mil. O vídeo “Wuhan Deserta”, de um casal que se chama de Spicy x Rice, tem alguma verdade: a cidade chinesa onde o coronavírus começou realmente parece deserta, com o transporte público parado e o movimento dos moradores restringido há mais de um mês. Outro vídeo deles, “Agente do TSA Prende Mulher Suspeita de Ter o Coronavírus”, poderia ser uma manchete plausível.

Se é verdade que a arte imita a vida, agora a vida deve estar bem ruim para muitas pessoas ao redor do mundo. E se tem um formato que pode transformar uma situação fodida em fuga e entretenimento, é o pornô.

Então sim, claro que existe pornô de coronavírus.

Uma busca por coronavírus no Pornhub traz 112 vídeos com títulos como “MILF em Quarentena de Coronavírus É Fodida em Nome da Medicina” e “Pacientes de coronavírus transam na sala de quarentena”. No xHamster, tem só quatro vídeos para o termo de busca, e pelo menos um é um vídeo mais antigo repostado de pessoas transando com máscaras médicas. Segundo o porta-voz do xHamster Alex Hawkins, depois de uma oferta mês passado para fornecer contas premium grátis para regiões pesadamente afetadas pelo coronavírus, a onda esmagadora de assinaturas ultrapassou a capacidade do xHamster de aprovar novas contas.

“Conhecemos pessoas realmente presas em Wuhan e fizemos o vídeo com elas em mente.”

“Acho que as pessoas estão tão atraídas por pornô temático do COVID-19 pelo mesmo motivo que pessoas que se assustam com a própria sombra são atraídas por filmes de terror: estamos sempre procurando coisas que nos façam sentir vivos”, Spicy, a metade homem da dupla Spicy x Rice, me disse. “O COVID-19 é algo que traz medo e mistério para praticamente todo mundo agora... Você precisa ser capaz de sentir alguma coisa, e que jeito melhor de sentir alguma coisa do que uma crise global em que todos nós estamos agora?”

Outros estão tentando educar seu público no processo da masturbação.

Em “COVID-19 Coronavírus: Vadia Safada Tem que Usar Proteção Durante o Surto!”, a artista Little Squirtles entra pela porta de casa, tira os sapatos e grita “Amor, cheguei! Estou com muito tesão”. O parceiro dela, Chase Poundher, sai de um corredor usando máscara médica, colocando as mãos para impedir que ela se aproxime. “Espera, não chegue mais perto. Você não ouviu falar do COVID-19?”. Aí ele dá uma aula de 30 segundo sobre o coronavírus que faria inveja ao CDC: sobre a situação do surto de coronavírus na China, o propósito das máscaras e por que eles precisam usar proteção durante o sexo.

Chase me disse que esse vídeo foi inspirado nos antigos vídeos de segurança da Delta Airlines. O principal objetivo do filme deles, que está disponível completo de graça, era ajudar a informar os espectadores sobre o uso correto de máscaras e como o vírus se espalha.

Ele disse que experimentou muita censura para seu trabalho, além de seus esforços de conscientização sobre o coronavírus.

“Achamos que poderíamos usar nosso pornô como um meio de transmitir informação legítima com algum alívio cômico, para fazer as pessoas se interessarem e reduzir as chances de sermos banidos”, disse Spicy. “Isso gerou a ideia, sabendo que todo evento atual acaba virando pornô mesmo, sabíamos que as pessoas iam procurar por isso em plataformas menos censuradas como o Pornhub.”

Muitos dos vídeos online com coronavírus e COVID-19 no título estão tentando pegar esse bonde. Um deles é de uma mulher correndo descalça numa esteira de fio dental, com o título vago “Fim do Coronavírus”. Outro mostra duas pessoas usando macacões hazmat embaçados fingindo transar através da borracha. Alguns são só vídeos de caras se masturbando ou recebendo sexo oral com “coronavírus” no título. Muitos deles têm atores asiáticos, e alguns dos títulos e comentários, infelizmente, são bem racistas – como pornô com temas raciais costuma ser.

Alguns dos vídeos na busca por coronavírus parecem ser de pessoas em quarentena, passando o tempo ou ganhando algum dinheiro na internet. Se eles são realmente filmados por pessoas em quarentena ou quarentena parcial não está claro. Alguém com o coronavírus – que inclui tosse, febre e falta de ar – provavelmente não vai se sentir bem pra transar, quanto mais filmar um pornô. Mas se você está bem, superentediado depois de semanas sozinho, e tem uma conexão de internet? Pode acontecer.

“Sabíamos que o evento do coronavírus era um 'bom material viral', mas também sabemos que isso está afetando pessoas de maneira trágica”, disse Spicy. “Não queríamos insultar as pessoas fazendo algo muito real. Conhecemos pessoas presas em Wuhab e fizemos o vídeo com elas em mente.” Eles se perguntaram: Essas pessoas ficariam ofendidas com isso? Ou o vídeo podia tirar a mente delas dessa situação? “Queremos essa última opção.”

Provavelmente não existem mulheres zumbis em regiões afetadas esperando nas sombras pra chupar um pau, e usar uma máscara médica enquanto faz um boquete não vai te impedir de contrair o vírus. Mas essa é a fantasia do pornô.

“Acho que as pessoas estão procurando isso como uma novidade bobinha... Acho que é uma minoria que realmente se masturba assistindo esse tipo de conteúdo”, disse Chase. “Muita gente tem fetiche com máscaras, mas não acho que isso se relaciona diretamente com essa tendência do COVID-19. Acho que isso atrai as pessoas porque ajuda a aliviar o clima de um assunto sério.”

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.