Outros

O que acontece com os clubes depois que eles fecham?

Viajamos pelo país para conhecer as pessoas que agora dormem, comem e trabalham onde os ingleses costumavam dançar.

por Tess Reidy
28 Janeiro 2016, 1:41pm

Como o clube Bangley's de King's Cross é hoje – todas as fotos por Jake Lewis.

Turnmills em Farringdon, The End em Tottenham Court Road, Shelly's em Stoke, The Quad em Bootle: Clubes como esses abriram caminho para a vida noturna britânica, mas hoje estão sendo demolidos, abandonados ou dando espaço a arranha-céus de apartamentos ou escritórios.

Há sempre uma tristeza quando um clube fecha. Esses são lugares nos quais conexões aconteceram e amizades foram formadas; algumas duraram horas, outras, décadas.

Leia mais: Como os conservadores vêm acabando com a noite de Londres desde 1986

Dos clubes londrinos que ainda estão de pé, muitos estão com os dias contados. Conselhos municipais, a polícia e especuladores imobiliários estão fechando esses espaços numa velocidade alarmante. Mas o que acontece depois do fim, com essas arenas derrubadas e vazias?

Viajamos pelo país para conhecer as pessoas que agora dormem, comem e trabalham onde os ingleses costumavam dançar.

Leia mais: Como o Vegas transformou a noite e a música eletrônica em São Paulo

THE END, LONDRES

Um porão intimista comandado por Mr. C e Layo, bem atrás de High Holborn, na região central de Londres. Com a cabine no centro da pista de dança, esse foi um dos primeiros clubes londrinos feitos por DJs e para DJs.

Abertura: 1995

Fechamento: 2009

Hoje: A maior parte do prédio está vazia ou ocupada por guardiões, pessoas que vivem na propriedade por um aluguel mais barato para evitar que eles sejam invadidos.

Residente: Brian Sury, 39 anos, jornalista freelance

VICE: Como você acabou morando aqui?
Brian: Me mudei três ou quatro meses atrás, mas já havia pessoas morando aqui antes. Eu costumava frequentar o The End — um amigo meu dava festas aqui e eu ajudava na promoção. Eu frequentava às terças-feiras, uma noite chamada Players Club, que era para pessoas da indústria [da música] que trabalhavam nos finais de semana. Nosso final de semana acontecia às terças-feiras.

Quando foi isso?
Acho que uns oito anos atrás. Passei muito tempo tentando entrar naquele clube e fiquei muito empolgado com a ideia de morar aqui. Meu quarto é numa pista de dança particular, uma área que eu nunca tinha ouvido falar.

Você mora aqui no esquema de guardião. Esse tipo de coisa é mais temporária, certo? Eles já te disseram o que pretendem fazer aqui no futuro? O prédio é como uma ilha, uma praça, e os donos compraram o quarteirão todo. Eles são russos, acho, ou alguma corporação, e não temos a menor ideia do que eles irão fazer. O prédio tem três andares subterrâneos e acho que eles vão transformar isso em megamansões, porque todo mundo em Londres quer garagens, cinemas ou piscinas subterrâneas. É um espaço subterrâneo muito grande e seria perfeito para isso, mas acho que eles não têm um plano ainda, porque tudo continua como está.

Você já esteve lá embaixo?
A única vez que desci foi quando fizeram uma festa na ocupação e, literalmente, o pior techno gabber do mundo estava saindo debaixo da minha rua, então fui investigar.

Leia mais: Uma geração de crianças holandesas arruinada pelo movimento gabber

Como era, parecia com como você se lembrava?
Era bem industrial, uma coisa meio Berlim, mas agora está tudo coberto de pichações. Os ocupas são anarquistas, então eles picham muito. Estava horrível. Essa é a última imagem que vou ver do The End.

BANGLEY'S E THE CROSS, LONDRES

O Bangley's e o The Cross ficavam num ponto bem maior de Kings Cross, na região norte de Londres, que foi totalmente renovada. O Bangleys era um clube num armazém com várias salas, que abrigava algumas das maiores festas de sábado na cidade. O Cross preenchia seis arcos e trazia uma atmosfera de festa das Ilhas Baleares para uma das partes mais decadentes de Londres.

Abertura: 1991 (Bagleys), 1993 (The Cross)

Fechamento: 2007

Hoje: Como parte da renovação de Kings Cross, os prédios estão sendo reformados e transformados em lojas, restaurantes e o novo quartel-general do Jamie Oliver.

Ocupante: Morwenna Hall, diretora de projetos da renovação de Kings Cross.

VICE: Kings Cross mudou muito recentemente. Quais são os planos de vocês para esta área?
Morwenna: Kings Cross passou por três eras — a industrial e de canais de transporte, depois terreno baldio, mas agora está se tornando um lugar onde você pode trabalhar e morar. Embaixo do prédio estão os arcos e era aqui que ficava o The Cross. Ele foi construído originalmente como estábulo para cavalos que levavam carvão e peixe para toda Londres.

E onde vocês estão atualmente?
Completamos quase metade da reforma e estamos trabalhando com Jamie Oliver e sua empresa. Jamie vai usar isso como seu principal escritório. Os arcos em si vão ser um novo restaurante conceitual do Jamie. As pessoas vão poder beber e comer lá. O Bagley's ficava do outro lado do prédio Coal Drops. O clube se chamava assim porque uns 100 anos atrás, isso era uma fábrica de garrafas e um armazém chamado Bangley's. Estamos trabalhando há um ano e meio com Thomas Heatherwick e novos arquitetos locais, e mês passado levamos o plano de aplicação para as autoridades locais.

Quais são os planos para o lugar onde ficava o Bangley's?
A ideia é que essa seja uma área destinada aos alugueis em Kings Cross; serão 60 unidades de vários tamanhos.

Ouvi dizer que vocês estão fazendo uma competição para dar os nomes das ruas.
É importante que as pessoas que vivem e trabalham aqui possam dar sua opinião, então abrimos isso aos locais. Temos uma lista [de nomes] pré-aprovada — não podemos ter duas ruas com o mesmo nome e temos 10 mil inscrições. Estamos estudando todas. Há muitas sugestões com Amy Winehouse, mas isso é Camden, não Kings Cross, e temos um Bagley's Way/Lane também.

Dá para perceber que esses prédios eram clubes icônicos? Vocês estão tentando preservar esse legado?
É muito importante para nós que as camadas de história sejam representadas, queremos contar a história do começo até hoje. Você pode ver isso na arquitetura — todas as placas nas paredes são dos anos 90. Não vamos esquecer isso. Trabalho com os empreiteiros e as pessoas dizem "sim, eu costumava dançar aqui". Isso também é parte da história.

QUADRANT PARK, LIVERPOOL

O lugar começou como um clube noturno brega e depois se tornou um destino famoso de raves nos anos 90. Com convidados como Orbital, Sasha, Carl Cox e "o francês" Laurent Garnier, The Quad foi a primeira rave legal aberta durante a noite toda no Reino Unido.

Abertura: 1988

Demolido: 1998

Ocupante: Carl Trevaskiss, capataz do Centro de Reciclagem South Sefton.

Há quanto tempo você trabalha aqui e o que você faz?
Carl: Trabalho aqui há 11 anos. Temos uma Loja de Reuso no local, na qual as pessoas podem descartar coisas, doar para reuso e até comprar. Isso evita que essas coisas vão parar no lixão e levanta dinheiro para o YMCA.

Você ouviu falar do Quadrant Park?
Eu sei que aqui funcionava um clube noturno. Sempre morei em Bootle, então lembro disso daquela época. Não há mais sinais disso aqui, o lugar foi completamente demolido antes que o centro de reciclagem fosse construído. Não achamos nada ligado a isso nos anos em que estamos aqui.

As pessoas ainda falam disso?
Algumas pessoas comentavam sobre como clube era, mas mais quando abrimos. As pessoas diziam que adoravam o lugar. Pelo que me disseram, esse clube era muito popular e estava sempre lotado nos finais de semana, mas nunca fui.

Essa ainda é uma parte de baladas da cidade?
Não, a vida noturna mais próxima é em Bootle Strand, mas principalmente bares hoje em dia, não clubes grandes como esse.

THE HACIENDA, MANCHESTER

O local de nascimento da cena "Madchester" e a balada que começou a revolução da música house. Lançado como uma versão mais chuvosa dos clubes badalados de Nova York, o Hacienda recebeu shows de Madonna, The Smiths e New Order.

Leia mais: Soul Boys, Ravers e Pillheads: Fotos suadas da cultura clássica dos clubes britânicos

Abertura: 1982

Demolição: 2002

Hoje: Apartamentos de luxo e Imobiliária Bridgfords

Ocupante: Wolfgang Webster, 50 anos, fotógrafo de propriedades para a Bridgfords.

VICE: Você conhecia o Hacienda?
Wolfgang: Eu frequentava vários clubes de Manchester nos anos 80 e 90. Comecei a fotografar nessa época, por volta de 1989, e trabalhei para Sankeys, Hacienda e em uma revista de música chamada Blue Planet. O clube fechou em 97 e ficou abandonado. Aí eles fizeram os apartamentos e o escritório em frente era de arquitetura antes da Bridgfords se instalar.

É lá que você trabalha hoje, certo? Como isso aconteceu?
O diretor entrou em contato comigo procurando fotos do Hacienda, e eles compraram minhas imagens de lá e de outros prédios de Manchester. Hoje eu fotografo as festas corporativas deles. É bom porque ainda estou envolvido com este prédio.

Quando está trabalhando, você pensa na época em que frequentava o Hacienda?
Sim, sempre. O piso inferior nunca mudou, só este piso está diferente. Os bares foram retirados mas o layout continua o mesmo.

VELVET ROOMS, LONDRES

Fundado pelo empresário de festas de Ibiza Nicky Holloway, o local recebeu DJs internacionais e algumas noites seminais, incluindo a festa de dubstep FWD>>.

Leia mais: Uma história oral VICE do dubstep na Inglaterra

Abertura: 1993

Fechamento: 2003

Hoje: Farmácia Superdrug

Ocupante: Ayo Nuga, 25 anos, líder de equipe Superdrug.

VICE: Dá para dizer que aqui costumava ser um clube noturno?
Ayo: Não, não na minha opinião.

Isso te surpreende?
Sim. Vejo os pubs aqui perto, mas nenhum sinal de clubes noturnos. Essa não é uma área de baladas. Quando clientes chegam perguntando por clubes por aqui, sempre indico o Soho, esse tipo de lugar.

Você costuma sair à noite?
Ocasionalmente, mas não com muita frequência. Eu iria mais longe para uma noite fora, para o centro de Londres.

TURNMILLS, LONDRES

O primeiro estabelecimento do Reino Unido a conseguir uma licença de funcionamento 24 horas. A noite mais conhecida deles era a Trade — a afterparty original.

Abertura: 1990

Demolição: 2008

Hoje: Agência de mídia SMG

Ocupante: Scott Curtis, diretor de desenvolvimento e estratégia móvel na Europa da SMG.

Você chegou a frequentar a Turnmills?
Scott: Sim. Era um clube incrível, eu costumava dançar aqui naquela época, muitos anos atrás.

Que tipo de festa você gostava?
Principalmente as noites de house. Não lembro de nenhum DJ em particular, mas costumávamos sair muito em Londres e a Turnmills era um dos principais destinos.

Vocês têm uma placa da Turnmills bem grande na entrada do prédio agora. Há outras pistas dessa vida passada?
As salas de reuniões foram batizadas com os nomes dos festivais e DJs. É um jeito de continuar o legado do prédio antigo e manter aquela criatividade. A Turnmills fechou faz um tempo. Claro, não é a mesma coisa, somos uma agência de mídia, mas o local ainda está sendo usado para uma coisa criativa. E como eu costumava frequentar essa balada, é legal trabalhar aqui de uma perspectiva pessoal.

Você ainda sai muito à noite?
Estou muito velho para sair com frequência. Às vezes vou a lugares como The Egg ou algo assim, mas não tanto como no passado. Eu adorava. Quando eu tinha 17 anos, ia sempre para as noites True Playas no Fabric e depois para a Pacha, The Egg, The Cross, The Key e Turnmills. Parei um bom tempo atrás, quando o trabalho foi ficando mais importante.

SHELLY'S LASERDOME, STOKE

Conhecida por lançar as carreiras de Sasha e Dave Seaman, residentes das noites de sexta, enquanto a megamarca Amnesia House comandava as noites de sábado.

Abertura: 1987

Demolição: 1998

Hoje: Supermercado Farmfoods

Ocupante: Jane Johnson, gerente da loja Farmfoods, Longton, Stoke.

Você costumava frequentar a balada que ficava aqui?
Jane: Não.

Alguém já comentou sobre o clube noturno que ficava aqui?
Não sei nada sobre isso, não sou de Longton. Acho que já ouvi alguma coisa, mas foi há muitos anos. Não era um lugar que o Tom Jones frequentava? Minha mãe e meu pai provavelmente sabem, mas é melhor falar com eles.

Você não costumava sair à noite quando era mais nova?
Não, isso nunca foi minha praia.

Tradução: Marina Schnoor

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.