Crédtio: Sebastiaan ter Burg/Flickr

​E agora que o WhatsApp quer revelar a localização de cada membro do seu grupão?

Em fase de testes, ferramenta facilitaria o encontro de membros do mesmo grupo, mas pode apresentar alguns riscos para privacidade.

|
31 Janeiro 2017, 4:00pm

Crédtio: Sebastiaan ter Burg/Flickr

O sonho de todo stalker nacional pode estar prestes a se realizar: o WhatsApp está testando, segundo o jornal britânico The Independent, uma ferramenta que possibilitará saber, em tempo real, a localização precisa dos amigos que estão no mesmo grupão. A ideia, dizem, seria facilitar o encontro dos seus membros.

Ainda em fase beta, a nova funcionalidade pode parecer meio assustadora de primeira, já que, a partir de agora, todos teríamos que ficar vigilantes sobre qual grupo estamos inseridos e saber quem está em cada um. Ao que parece, porém, a coisa não é tão Black Mirror assim: os usuários só teriam a capacidade de ligar a opção de monitoramento por até cinco minutos depois de habilitá-las nas configurações do app. Isto é: a coisa não viria de fábrica, teríamos que acioná-la.

Disponível para alguns usuários em versão Beta, nas atualizações mais recentes que as versões 2.17.3.28 em iOS e a 2.16.399+ em Android.

"Como existe a opção de desabilitar a localização em tempo real e ela viria desabilitada por padrão, não acho que esse tipo de funcionalidade seja uma ameaça à privacidade dos usuários, seria uma troca consentida entre empresa e usuários", comentou o professor de Sistemas de Informação da EACH-USP, Márcio Moretto.

Mas não é pra ficar tão tranquilo assim: há, por ora, muitas dúvidas sobre onde ficarão essas informações de localização. Para Moretto, a questão em relação ao novo serviço é como os dados produzidos serão armazenados. "Não é possível saber se essas informações vão ficar guardadas de maneira criptografada e, mesmo que fiquem, uma questão relevante é quem possuirá a chave", diz.

Leia também: WhatsApp, Telegram ou Singal: qual é o app de mensagens mais seguro?

No ano passado, o WhatsApp começou a trabalhar com criptografia de ponta-a-ponta. O recurso permite que apenas os usuários presentes em uma conversa tenham sua chave de acesso e possam ler seu conteúdo. A adoção do sistema de seguro de mensagens aconteceu, em parte, devido às revelações feitas por Edward Snowden de que a agência de inteligência americana, a NSA, monitorava a comunicação de muita gente ao redor do mundo.

Para Moretto, caso as chaves estejam em posse da empresa (que pertence ao Facebook), ainda existe o problema sobre a forma do armazenamento. "Uma quantidade grande de dados como essa em um servidor centralizado, cujas chaves estão todas com um mesmo ator, cria um ponto único de falha e nós já sabe que a NSA, por exemplo, é ótima em explorar esses pontos de falha", afirma Moretto.

O WhatsApp já permite que o usuário compartilhe a localização atual, que é enviada como um anexo dentro das mensagens, mas o monitoramento em tempo real seria um novo passo na ferramenta. Perguntada a respeito da possível nova funcionalidade, a companhia dona do WhatsApp declarou que não comenta produtos que ainda não tenham sido lançadas no mercado. No Brasil, o app é usado por 100 milhões de usuários.