Os altos e baixos da vida de um moderador de MMO Pornô

O pessoal que faz a moderação nas comunidades em torno desses jogos vê muita coisa — e com frequência se depara com o pior do pior da internet.

|
15 fevereiro 2017, 10:00am

Esta matéria foi originalmente publicada no Waypoint.

O vasto mundo dos videogames pornográficos pode ser um lugar estranho e surpreendente. Tem libertinagem, prazer e, não é surpresa, opiniões — as mais diversas — para todos os lados.

De milhares de romances visuais eroge japoneses a fantasias em realidade virtual, o gênero atende a quase todos os nichos de perversão e do fetiche que você conseguir imaginar.

As comunidades que se desenvolvem em torno desses jogos precisam de um controle bastante rigoroso. O pessoal que faz a moderação vê muita coisa — e com frequência se depara com o pior do pior da internet. Mas há algo de bom aqui também, e essas comunidades são representativas de como os jogos podem unir pessoas, de onde quer que sejam.

Leia também: "A ex-atriz pornô Mia Khalifa xingou o fã brasileiro que tatuou seu rosto"

Para DirtySix, gerente de comunidades e redes sociais da ThriXXX, o trabalho é uma dissonância de coisas. A empresa em si faz jogos desde o início do milênio, mas historicamente se concentra mais em opções para um só jogador. Conhecida por títulos como Sexvilla, Gayvilla e Hentaivilla, a marca ganhou fama ao criar algumas das maiores propriedades do mercado.

Talvez você até se lembre do constrangedor teste integrado com o Kinect que a empresa fez em 2010, com uma mão fantasmagórica que apalpava seios pixelados. Embora o projeto tenha sido fechado sem cerimônia pela Microsoft, a ThriXXX começou a ficar de olho na funcionalidade multiplayer em seu projeto seguinte: Chathouse 3D Roulette, um sex game multiplayer que permite que os usuários encontrem parceiros de forma anônima.

Imagem de Chathouse 3D Roulette da ThriXXX.

Em um jogo parecido com o Chatroullette (por isso o nome), os jogadores entram em um solar com uma decoração extravagante que, de forma muito conveniente, parece uma cena de filme pornô. Com base nas suas preferências, o game coloca você em contato com alguém que espera ser do seu interesse. Como em muitos outros títulos do gênero, os jogadores podem interagir através de uma imensa variedade de animações, em um tipo de Kama Sutra virtual. Além disso, podem enviar mensagens através da funcionalidade chatbox do Chathouse, o que permite que fantasiem o personagem que desejarem. Como você pode imaginar, é aí normalmente que entra o DirtySix.

Ele já fez de tudo para manter a comunidade da ThriXXX sob controle e explica com que frequência é obrigado a se envolver. "Não sei quanto outras pessoas precisam policiar as plataformas delas, mas nosso trabalho é diário." Muitas vezes, DirtySix recebe reclamações através do sistema de suporte de tickets da ThriXXX. Quando não está trabalhando no site da empresa ou administrando os feeds nas redes sociais, ele vasculha a caixa do e-mail, lendo uma denúncia atrás da outra sobre os encontros em que a coisa ficou feia.

"A maioria das denúncias vem de conversas pelo chat", conta. "Vemos os registros da conversa e os perfis dos usuários que foram denunciados. Se forem mesmo babacas, bloqueamos a conta por uma semana ou coisa assim." Ele explicou que o jogo nunca força você a fazer nada. "Não é como se você ficasse preso e tivesse que jogar cinquenta minutos com um sujeito horrível nem nada."

Leia também: "Os bastidores da estreia de Tori Black no pornô de realidade virtual"

O block no Chathouse 3D não é muito diferente do que acontece em jogos multiplayer AAA mais convencionais. Como esclareceu DirtySix: "A maioria dos banimentos que fazemos acontece porque alguém fica ofendendo uma pessoa específica." Ele explicou como em geral vai de um jogador envolvido a outro, colhendo detalhes dos dois lados da história. "Mas muitas vezes, quando entro em contato, eles perdem totalmente a noção e me insultam", afirmou. A maioria dos usuários normalmente dispara uma variedade de palavras de baixo calão antes de serem banidos de vez dos serviços da ThriXXX pelo DirtySix. No fim das contas, gente escrota e troll existe em qualquer lugar. Quem diria?

Mesmo assim, embora a maioria das experiências do DirtySix pareçam universais se comparadas com outros jogos, algumas se destacam quando equiparadas às bravatas comuns carregadas de baboseira de usuários insatisfeitos.

DirtySix descreveu uma situação que começou no fórum oficial da ThriXXX, contando sobre um usuário que transformou os encontros com a equipe de moderação da empresa em rotina. (Destacamos que obtivemos permissão de todas as partes da ThriXXX para publicar esta história.)

Após um confronto acalorado com outro usuário, a pessoa foi suspensa temporariamente. Embora tenha ficado conhecida por ser banida, não havia motivo para esperar alguma coisa diferente dela após o retorno ao serviço. Todo mundo seguiu com a vida, sem nenhuma expectativa de mudança da norma, e na esperança de que esse dedo na cara fosse o suficiente para a pessoa aprender a lição. No entanto, depois que o ban foi retirado, surgiu um vídeo na própria plataforma de conteúdo gerado pelos usuários da ThriXXX, a Gamerotica, em que a moderadora aparecia como alvo de violência sexual.

O fato foi logo levado a conhecimento da ThriXXX, graças, principalmente, ao filtro da Gamerotica que organiza o conteúdo do mais recente ao mais antigo na página inicial. Infelizmente, isso significa que a mesma pessoa que o vídeo tinha a intenção de atingir foi uma das primeiras a assisti-lo. Foi uma experiência traumática, explicou DirtySix, apontando que a moderadora chegou a chorar na mesa de trabalho.

Logo, todos no estúdio, incluindo o CEO da ThriXXX, acabaram se envolvendo ao tentar tomar o controle da situação. DirtySix tirou o vídeo do ar na mesma hora e baniu o usuário para sempre. Embora o banido tenha tentado argumentar que a ThriXXX não tinha direito de excluí-lo para sempre dos jogos porque ele tinha pago por eles, DirtySix e a ThriXXX deixaram claro que a transgressão já tinha ido muito além das orientações da comunidade. Nunca mais DirtySix e mais ninguém do estúdio ouviu falar do usuário. O incidente enfatiza a necessidade de uma moderação ativa nesses espaços.

Cabeçalho e tela do 3DX Chat cortesia da SexGameDevil.

Outro jogo pornô famoso na internet, o 3DX Chat, vem satisfazendo o público desde 2008. O título não só traz espaços pessoais que podem ser explorados, mas clubes e espaços sociais que proporcionam uma comunidade exclusiva de jogadores habituais. Enquanto a maioria das pessoas que procuram esse tipo de game se joga por um mês, faz o que tem que fazer e vai embora, outros encontraram um lugar nas áreas sociais abafadas do 3DX.

Um jogador com que me deparei descreve o jogo como uma "masturbação, só que melhor", enquanto outro fala de sua experiência como indo além da mera sexual, ostentando uma grande lista de amigos com quem se encontra cotidianamente. Pelo menos como anedota, o 3DX Chat conseguiu reunir um grupo diverso de pessoas em busca de um pouco de tudo. Lisa e Gizmo, dois dos moderadores, contaram algumas das experiências que já tiveram com o trabalho.

Eles dizem que os banimentos não são frequentes, em contraste com o Chathouse 3D. Os dois explicaram que as denúncias de jogadores "não acontecem muito". "Algumas vezes por semana, vemos infratores das regras do jogo. O mais comum são as suspensões temporárias. Às vezes, as pessoas simplesmente não leem as regras e infringem, e temos que realizar a prevenção necessária de suas ações." Eles contaram também que o jogo facilita a proteção do jogador. "Graças ao sistema de ignorar que temos, as pessoas podem bloquear provocadores e limitar a comunicação com eles. O jogo não pede informações de contato dos usuários, então isso elimina a possibilidade de perseguição paralela."

Lisa e Gizmo explicaram que suas vidas não são muito diferentes das de outros trabalhos de suporte técnico. "Você acorda, lava o rosto, toma café da manhã, vem para o escritório e liga o computador." Existe um sentimento de normalidade, algo com que muitas pessoas se identificam, apesar do tipo de material com que lidam diariamente.

DirtySix observa algo semelhante. "Não sei o que as pessoas acham que acontece aqui. Tipo, meninas peladas correndo para todo lado e a gente capturando movimentos sexuais em quartos escuros. É uma galera normal da computação programando em um espaço normal de escritório." Ele explicou também como chegou a esse trabalho na ThriXXX: "Eu tinha muito interesse no lado da tecnologia."

As pessoas que trabalham nesse ambiente não são nenhum tipo de taradas sexuais com vontade de encher o cotidiano com obscenidades. São pessoas normais e, no caso do DirtySix, alguém que viu uma oportunidade na empresa. "Não dá para fazer as coisas elaboradas que faço aqui para a ThriXXX em uma agência de mídia normal. Sempre tem o cliente e... Não é muito criativo, você faz sempre a mesma coisa. Aqui, é mais 'vamos experimentar uma coisa'."

O mesmo sentimento ecoa pelas comunidades desses jogos. Lisa e Gizmo explicaram que o sucesso do game deles não está completamente no sexo. "Muitas pessoas procuram pelo sexo, mas acabam ficando por meses e até anos. O jogo é cheio de vida social, e até hoje, em toda a vida do projeto, nossos jogadores se reuniram em muitos lugares e criaram uma comunidade bacana com uma atmosfera especial."

Tradução: Aline Scatola

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.

Mais VICE
Canais VICE