Music by VICE

Um guia para a evolução do estilo da Cardi B

Da bebê Belcalis para a rainha da Paris Fashion Week.

por Douglas Greenwood; Traduzido por Marina Schnoor
24 Outubro 2019, 10:00am

É difícil imaginar que um tempão atrás, o hip hop e a alta moda raramente se cruzavam. Hoje em dia as duas coisas são simbióticas. A primeira fila dos maiores desfiles globais nunca está completa sem os nomes formativos do gênero. Aí entra a Cardi B. Uma personagem desde o nascimento, a estrela de reality show que virou ícone do hip hop rapidamente se tornou uma força do circuito de semanas da moda, aparecendo de Paris a Nova York e rendendo manchetes com cada novo outfit. Mas como a estrela nascida no Bronx fez o salto de vestidinhos colados e mechas coloridos para modelitos de Thom Browne e saltos altíssimos?

De criança até hoje, aqui vai a excelente evolução de estilo de Cardi B.

1996: Isso são listras Thom Browne?

Dá pra acreditar que Belcalis Almanzar, a.k.a. Baby Cardi, literalmente inventou a streetwear sartorial no meio dos anos 90? Esse momento agora memetizado nos dá um primeiro vislumbre do guarda-roupa de Cardi B quando criança, e caramba, ela já era icônica. Combinar um conjuntinho de crop top e calça azul-marinho (com listras que parecem muito Thom Browne) por cima de uma camisa branca? As crianças no parquinho não tinham como competir!

2010: Nasce uma Estrela

Mesmo quando estava no colegial em Nova York, Cardi – ainda conhecida como Becalis – adorava os holofotes. Dá pra ver isso nesse clipe da rapper aos 17 anos, no palco do show de talentos da escola cantando “Bad Romance” da Lady Gaga. Ladeada por dançarinas, já dava pra ver que Cardi sabia que merecia estar no topo: ela canalizou sua popstar interior usando um macacão vermelho-sangue com rasgos nas pernas. Claro, não era o visual do dia a dia dela quando adolescente, mas prova que a Cardi em treinamento sabia como ser notada quando as luzes estavam sobre ela.

1569924388288-Screenshot_2

2012: No Vestiário

Depois de se formar no ensino médio, Cardi pagava as contas equilibrando uma carreira como stripper e a faculdade. Nessa foto do Instagram tirada em Nova York por volta de 2012, vemos a Cardi aprimorando sua identidade fashion, usando coques espaciais e um crop top metálico sentada entre armários. Além de tênis com uma ligeira vibe Prada Cloudbust.

2015: “Cheap Ass Weave”

Alguns anos depois, encontramos uma Cardi que está se estabelecendo como uma rainha econômica nos dias anteriores a sua eventual fama estratosférica. Encontrando fama viral na internet, ela conseguiu entrar para o reality show Love & Hip Hop, e já era um de seus astros que mais gerava interesse do público.

Naquela época, ela sabia quando era OK economizar quando alguém precisa guardar dinheiro para coisas mais importantes. “Sapatos baratos, tudo bem, vestido barato, tudo bem, mas peruca barata é um 'não'”, ela insiste em sua faixa de estreia de 2015 “Cheap Ass Weave”. O vídeo que estreou no World Star Hip Hop a mostra se mantendo verdadeira ao look clássico dominante de 2k15, usando um macacão azul royal com detalhes dourados, mas também é a primeira vez que a vemos sair de sua zona de conforto de estilo.

2015: A Rebelde da New York Fashion Week

Sempre atraído por grandes personagens de Nova York, Rio Uribe, fundador e diretor criativo da Gypsy Sport, tirou Cardi do reino dos reality shows e deu a ela um lugar na passarela. Sim – antes de estar sentada na primeira fila, ela já desfilou num vestido recortado dourado e azul com detalhes de espartilho na frente.

1569924445404-Screen-Shot-2016-12-23-at-8001

2016: A Transformação de Alta-costura

Em 2016, quase um ano antes de “Bodak Yellow” a transformar num sucesso internacional, a estrela de reality TV estava começando a estourar. E o guarda-roupa de Cardi estava mudando com isso. Naquele ano, ela tinha uma rede estimada em US$ 400 mil e sua reputação como rapper estava prestes a implodir com o lançamento de sua primeira mixtape. Nesse look, nosso favorito daquele ano, ela combinou um rabo de cavalo alto com um casaco estampado Gucci e sapatos Louboutin. A estrela do rap haute-couture dos nossos sonhos tinha finalmente chegado.

2017: O Estouro de Cardi

Tem algo que define mais um ícone que participar de seu primeiro VMA da MTV optando não por um, nem dois, mas três looks diferentes? Enquanto o mundo mergulhava na Cardi Mania com a proliferação de “Bodak Yellow” nas rádios, ela fez várias declarações fashion naquela noite. Primeiro, ela apresentou seu hit no pré-show do evento usando um colant coberto de cristais e botas Saint Laurent combinando (que custaram US$ 10 mil), chegou ao tapete vermelho num conjunto de calça e top brancos imaculados com uma capa, que Christian Siriano fez especialmente pra ela, depois apresentou Demi Lovato numa vestido branco com apliques de plumas rosas. Um trio de momentos fashion em poucas horas? Só podia ser a Cardi.

2017: O Look do Desfile de Helmut Lang

Com “Bodak Yellow” ainda reinando nas paradas da Billboard, Cardi entrou na New York Fashion Week e sentou bem na primeira fila para quase todos os desfiles dignos de nota: V Files, Fenty x Puma e, usando um de seus looks mais “frow”, Hemut Lang. Ela passou pela multidão de fãs usando nada mais que óculos escuros gigantes, um trench coat de vinil preto e meia-calça arrastão. Seu noivo Offset bem atrás dela. Ícone.

2018: Cardeal B

Cardi se tornou, de muitas maneiras, a rainha da haute couture irônica, e isso se solidificou no Met Gala de 2018, quando ela cruzou o tapete vermelho num vestido temático de inspiração católica “Heavenly Bodies” como se fosse uma divindade. Sob supervisão de Jeremy Scott, o vestido dela – que ela usou grávida de sete meses – foi feito por 35 costureiras da Moschino em mais de 2 mil horas. Era a versão dela de beleza grávida no Met Gala, iniciada por Kim Kardashian-West em Givenchy alguns anos antes.

2019: Magia Mugler

O queixo coletivo da cultura pop e do mundo da moda caiu no começo de 2019, quando Cardi fez sua segunda aparição no Grammy – dessa vez com várias indicações – usando não um vestido único ousado feito especialmente pra ela – mas um pedaço da história da moda. Na noite em que se tornou a primeira mulher a ganhar o prêmio de Melhor Álbum de Rap, Cardi usou um vestido de arquivo de três peças emprestado a ela do lendário Manfred Thierry Mugler, adquirido por seu leal stylist Kollin Carter. Mesmo que o vestido de franjas branco que ela usou para receber o prêmio seja o que ela deve lembrar com mais carinho, ninguém pode negar que aquele vestido de ostra rosa, com colar de pérolas e enfeite de cabelo combinando, provavelmente é uma das coisas mais incríveis que já agraciaram o tapete vermelho do Grammy neste século.

2019: Paris Fashion Week Primavera Verão 2020

Tudo isso nos traz ao retorno não-anunciado de Cardi ao calendário de semanas da moda, desta vez em Paris, onde ela chegou do jeito mais extra possível: vestida da cabeça aos pés em Richard Quinn – com máscara e tudo – atraindo atenção dos paparazzis embaixo da Torre Eiffel. “Ouvi dizer que vocês sentiram minha falta na New York Fashion Week, b*tches”, ela disse num vídeo postado no Instagram. “Estou aqui pra servir pra vocês, putos, e servir frio.” Logo depois, ela atravessou a rua pedindo para os pedestres prestarem atenção no trânsito pra ela porque “a vadia aqui não está enxergando nada!” Foi uma entrada para encerrar todas as entradas da temporada, no mesmo nível do maravilho Versace da J-Lo, e ela não descansou depois. No final de semana, sentada ao lado Anna Wintour no desfile de Thom Browne, ela estava num delicioso conjunto de blazer e saia, óculo estilo diretora de internato e sapatos de salto altíssimo Thom Browne. E no último dia ela fez sua estreia na Chanel, usando um macacão monocromático com chapéu combinando e um sobretudo xadrez.

Matéria originalmente publicada na i-D.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

.