Welzijn

Guia básico para não queimar a largada no Carnaval

Juntamos as melhores dicas de profissionais de saúde para você não fazer feio durante a festa da carne.

por Marie Declercq
09 Fevereiro 2018, 1:32pm

Crédito: Felipe Larozza/ VICE

O óbvio ululante neste país é que é só bater meia-noite do primeiro dia do ano que já entramos no modo preparatório – psicologicamente e fisicamente – para o Carnaval. São cinco dias de festa, sem contar com os fins de semanas pré e pós para pular no bloco de rua mais perto de casa. Só que, convenhamos, se trata de uma maratona onde os fracos não têm vez. São muitas horas pulando, bebendo e zoando fora de casa, pouco sono e só um corpo para aguentar tudo isso.

Sabendo que vocês vão raspar a placa neste período, pedimos para nutricionistas, médicos e uma psicóloga especializada em redução de danos para passar dicas confiáveis de saúde. Vamos por partes.

Aquecimento: proteja a pele e coma bem

O calor não perdoa. Fique ligado em passar bastante protetor solar nas áreas descobertas (esperamos que seja cerca de 80% do seu corpo) e retocar sempre que possível. O sol entre as 10 horas e às 17 horas costuma ser o mais forte e também casa com o horário que todo mundo está na rua seguindo o baile, por isso não vacile e se lambuze de protetor solar FPS 30.

Segundo as nutricionistas Cristiani Marton e Gabriela Rigote do Centro de Referência em Alimentação e Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) o maior erro do folião é pular refeições durante esse período. “Na empolgação, as pessoas esquecem de se alimentar e isso é péssimo. O corpo precisa de energia para aguentar os 4 (às vezes cinco, seis…) dias de folia”, explicam.

“Comer antes de sair de casa é a melhor pedida -- isso vale para ter combustível para a festa, mas também é interessante para quem vai beber e quer evitar aquela ressaca no dia seguinte,” aconselha Cristiani. Ou seja, mesmo que você esteja muito animado, não deixe de tomar café da manhã e nem almoçar. No fim do dia você vai perceber a diferença que isso faz na sua vida.

Kit de sobrevivência: sacola simples, amendoins e frutas

Mesmo que você vá só de tanga de crochê pra rua, leve uma sacolinha com algumas coisas que podem te ajudar a ter pique nos próximos dias. Mantenha tudo simples. Identidade, dinheiro vivo, cartão (cuidado com os golpes!), celular, protetor solar, preservativos, óculos escuros e não deixe de investir numas comidinhas pra dar um gás e segurar o tranco do tanto de bebida alcoólica de procedência duvidosa que vai acabar parando na tua boca.

“Castanhas e oleaginosas, como amendoim, castanha do pará e de caju, são uma boa opção de snacks fáceis de levar e que nos dão sensação de saciedade e energia por mais tempo”, elenca Gabriela. “Outra opção para comer durante a folia e repor a energia de maneira mais rápida são os alimentos ricos em carboidrato, como por exemplo as frutas: sempre uma opção fácil e barata de levar. Opte pela banana, uva, maçã ou pêra, que não ocupam muito espaço na bolsa e que se já levar lavada é só pegar e comer. E, para beber, uma boa dica é levar a garrafinha com água e muito gelo, ou até mesmo com a água congelada, assim o gelo vai derretendo ao longo do tempo e, mesmo com o calor, você consegue mantê-la numa temperatura agradável para beber. “

Embora a tentação seja alta, Gabriela sugere não se entupir de biscoito recheado, salgadinho e chocolates. “Por serem alimentos rico em gorduras a energia que eles nos dão não é disponibilizada tão rápido e ainda corre o risco de você sentir desconforto gástrico”.

Na festa: beba água, coma coisas leves e encape

Vale sempre lembrar, embora seja mais que óbvio: cachaça não é água. Se hidrate, pelo amor de tudo que é mais sagrado. Não cansamos de bater nessa tecla, porque é até meio absurdo saber que tem gente que passa o dia todo na zoeira e não bebe uma gotinha de água sequer. “No Carnaval, tanto pela exposição ao sol como pela agitação nos bloquinhos, a transpiração é intensa, por isso é muito importante se manter hidratado sendo recomendável ingerir de 2 a 3 litros de água por dia. E, se estiver fazendo uso de bebida alcoólica, é sempre importante intercalar a bebida com muita água para conseguir curtir a folia da melhor maneira”, diz Gabriela.

Não deixe de almoçar ou comer algo mais reforçado durante a tarde, mesmo se você tiver tomado o desejum dos campeões de manhã. “Comer regularmente e fracionando as refeições facilita controlar a fome imensa que pode vir ao final do rolê.”, aconselha Cristiani.

Crédito: Felipe Larozza/ VICE

A nutricionista também dá a dica de alimentos. “Dê preferência aos alimentos de fácil digestão: deixar a feijoada, frituras e outras preparações muito gordurosas para depois, pois podem dar aquela ‘moleza’. E, como no resto do ano, evitar comer em lugares de procedência duvidosa ou ambulantes: maioneses, molhos à base de queijo, frutos do mar e outras comidas mal-conservadas podem provocar uma intoxicação alimentar”.

Vocês são espertos, mas quem avisa amigo é: usem camisinha. Não tem choro e nem vela, usem camisinha. Não importa quem seja seu parceiro ou onde você vai transar, use camisinha. Ela previne gravidez indesejada e doenças venéreas. Ela te protegerá de uma dor de cabeça pro resto da vida. Já falamos pra você usar camisinha?

Drogas: redução de danos

A gente não é idiota. Sabemos que vai rolar droga no carnaval e você possivelmente vai consumir. Vamos deixar algumas coisas bem claras antes. 1) Grande parte das drogas é ilícita e podem te causar problemas com a lei se você for pego. No mínimo, um grande stress num momento de festa. 2) Pelo fato da maior parte das drogas serem ilícitas, você não sabe a procedência dela e poderá fazer mal ao seu corpo. 3) Não incentivamos você consumir drogas ilícitas ou drogas lícitas sem a recomendação de um médico. 4) Em hipótese alguma aceite drogas de estranhos e 5) Não dirija ou faça coisas que podem colocar a sua e a vida dos outros em risco.

Mas, já que vocês vão usar mesmo assim, tivemos uma conversa bem séria com Maria Angélica Comis, psicóloga e coordenadora do Centro de Convivência É De Lei, organização que promove ações de redução de danos sobre os cuidados que o usuário deve tomar ao consumir substâncias ilícitas. Vale lembrar, ela também não aconselha que você saia usando drogas por aí.

ÁLCOOL

“Se alimente antes, se hidrate durante e preste atenção no teor alcoólico e na qualidade do produto que for beber”, aconselha Comis. “Normalmente uma cerveja tem de 3,5 a 5% de teor alcoólico e outras parecidas têm 7,0%, deixando você alcoolizado mais rápido. Beba devagar, portanto.”

Na rua, tome cuidado na hora de comprar bebidas de garrafa de plástico e sem procedência confiável. É o famoso vinho químico, evite.

O álcool parece inofensivo muitas vezes, mas, segundo Angélica, ele afeta bastante nossa percepção de risco assim como todas as drogas. “Sempre tenha preservativo no bolso. A gente sabe que a AIDS voltou com tudo e muitas pessoas que não viveram os anos 90 não têm muita essa percepção de risco e por isso tivemos um aumento triplicado entre jovens com o HIV e outras doenças venéreas.”

Na folia, tente intercalar o álcool com água para se manter hidratado. Inclusive, Comis diz que o problema em si nem é misturar fermentados com destilados e sim não se atentar ao teor alcoólico. Além disso, ela alerta para você não beber e usar outras substâncias junto. “O álcool atua como um depressor no sistema nervoso central e pode gerar grande risco de você entrar em coma. O álcool é uma das piores drogas para misturar com outras coisas, na verdade.”

Crédito: Felipe Larozza/ VICE

MACONHA

O cigarrinho de artista também pode te zoar, por isso Angélica dá a dica de não fumar quando estiver já muito bêbado porque sua pressão vai baixar lá pro pé. Escolha um ou outro (preferirmos que você fique só nos lícitos para não dar problemas legais) e fique nisso durante a festa.

“Se oriente em relação à procedência da substância. O pessoal tem fumando muito Skank com um alto teor de THC e acaba passando mal. Melhor você parar de fumar antes de 'bater' para aguentar a onda.”

COCAÍNA

“A cocaína é quase sempre adulterada,” alerta Comis. Fique esperto e tenha certeza nas coisas que você está comprando. Também não divida canudos para aspirar o pó e – jamais – use notas enroladas para consumir. Além de ser nojento (sabe quantas pessoas pegaram nessa nota depois de coçar o saco?) você tá passando bactérias pra sua mucosa.

“Misturar cocaína com bebida é um problema porque ela dá uma falsa impressão que você está sóbrio”, lembra. Por isso, fique no suquinho.

Se você cheirou, lave o nariz com soro para sua mucosa não ficar lesionada.

LANÇA-PERFUME

“O Loló não tem muitos cuidados porque ele é uma coisa bizarra”, discorre Comis. “Não é mais o lança perfume de antes e por isso aconselho ter um pouco de noção do que é composto antes de inalar.”

Evite consumir sem nenhum amigo do lado, porque você pode desmaiar e não ter ninguém pra te ajudar. Aliás, se você tá tonto, significa que seu sistema nervoso já está bastante deprimido por causa do lança.

MDMA/ECSTASY

“Se hidrate a cada meia hora com pelo menos 150 ml de água, “avisa a psicóloga. “Mas também, não se entupa de água porque ela em excesso pode causar danos para você.”

Angélica também pede para nunca tomar um comprimido inteiro se você não sabe do que é composta sua bala. “Comece com um quarto e vá aumentando caso se sentir bem. Normalmente, o MDMA dilata a pupila e por isso aconselho que se use óculos escuros para minimizar a incidência de raios solares nos olhos.”

Vale avisar: se na sua família tem gente com histórico de transtornos psiquiátricos evite o uso de drogas, especialmente o ecstasy. Misturar com o álcool pode também sobrecarregar os rins e o fígado.

Se você toma antidepressivo, também pode dar ruim. “O ecstasy e os remédios atuam na mesma parte do cérebro que cuida da liberação de serotonina. Com isso, pode sobrecarregar seu corpo e aumentar demais sua pressão arterial.” Você já viu um pessoal com o corpo meio travado na balada? Normalmente é em decorrência desse sobrecarregamento. “Se chama síndrome serotoninérgica”, conta.

LSD

“Cuidado com a procedência, porque tem muito papel sendo vendido como LSD, mas é NBME – que é muito mais tóxica. O LSD não tem gosto e as substâncias parecidas tem um gosto muito amargo, provocando um efeito mais intenso”, avisa Comis.

Lembre sempre que os efeitos são mais duradouros com o LSD, por isso não tome uma dose inteira de uma vez. Vá aos poucos para ver a intensidade do papel.

Se você entrar nas bad vibes, saia da muvuca acompanhado de um amigo para se acalmar. “Uma dica boa é anotar na mão o horário que você tomou o LSD, que fica no corpo entre seis a sete horas. “Assim você tem uma noção de quanto tempo esse efeito vai durar em você.”

Outra coisa que Angélica alerta é não comprar substâncias no meio do bloco, especialmente porque as chances de você consumir algo desconhecido é bem alta.

KETAMINA

“Cuidado para não confundir com cocaína. Se for aspirar, lembre-se que as carreiras devem ser menores do que de cocaína”, diz. A Ketamina pode trazer problemas no trato urinário, então procure sempre se hidratar e ficar atento ao atravessar a rua porque a pessoa fica com menos controle do corpo sob a influência dessa substância.

Ressaca: dá pra não ficar tão ruim

É inevitável, você vai ter ressaca. Respeite os limites do seu corpo e descanse no dia seguinte antes de enfrentar mais uma maratona de blocos na rua.

“Em relação a alimentação, para ajudar a se recuperar, tome muita água e suco natural de frutas para repor os nutrientes perdidos. Um boa dica para melhorar sintomas como dor de cabeça e enjôo é investir nas frutas cítricas como laranja, limão, abacaxi tanto in natura como na forma de sucos (só não vale na caipirinha), que são ricas em vitamina C e potássio, e ajudam a repor as vitaminas e minerais que são perdidas durante a folia”, aconselha Gabriela.

Leia mais matérias de saúde no canal Tonic.
Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .