É possível tratar do Massacre de Suzano sem perversão jornalística?