​Jovens estão criando versões internéticas do Nelson Rubens no YouTube

​Jovens estão criando versões internéticas do Nelson Rubens no YouTube

Decepcionados com a falta de notícias de webcelebridades na mídia tradicional, usuários gerenciam canais que abordam fofocas e picuinhas de vlogueiros e afins.
05 July 2016, 5:37pm

O vídeo começa com uma animação de telejornal. Na sequência, um apresentador narra a notícia: "Caracol Raivoso teve sua conta no Twitter hackeada". O tom que segue é sério e, caso você não acompanhe o que acontece no YouTube, parece ficcional. Polêmicas. Detalhes pessoais. As perguntas dos navegantes de primeira viagem são: quem é Caracol? Por que ele está bravo?

Quem gasta horas no YouTube sabe, porém, que o molusco é o apelido do youtuber Marcos Coelho, de Goiás. Com mais dois milhões de seguidores, ele pertence à nova geração de webcelebridades brasileiras ao lado de gente como Felipe Castanhari, do Canal Nostalgia, que tem quase sete milhões de inscritos e Kéfera Buchmann, do 5incominutos, com mais de oito milhões. Todos têm em comum o fato de influenciar multidões pela internet e de viver como verdadeiros astros da mídia fora dela: dão autógrafos pelas ruas, tiram fotos em eventos e o que mais o pacote da fama pode trazer.

No final do ano passado, estes canais ganharam mais um dos elementos que acompanha as celebridades do mundo offline: gente trabalhando exclusivamente para cobrir as suas vidas. O maior canal empenhado nessa função é o Treta News, que, desde seu início, em dezembro de 2015, conquistou por volta de 700 mil inscritos. Seu criador, que ironicamente prefere permanecer fora dos holofotes, atende pelo pseudônimo de Fluffy. "É até engraçado porque muita gente pensa que eu sou algum youtuber grande 'disfarçado'", afirma o autor do canal, que divide seu tempo entre a produção de conteúdo online e seu trabalho. "Infelizmente o retorno financeiro do canal ainda é baixo."

Embora o foco principal seja cobrir o que acontece em outros canais, isso não significa que todo mundo gosta de aparecer. O youtuber Aruan Felix, famoso por serrar um prêmio concedido a ele pelo YouTube, criticou o Treta News por contar que ele havia passado mal. "Os youtubers geralmente gostam porque isso dá publicidade para eles. Esse foi um caso isolado", diz Fluffy.

Inspirado pelo canal Treta News, o técnico em informática Daniel Verçosa, de 20 anos, criou o canal New York Treta em janeiro deste ano. Sua primeira versão acabou sendo deletada no começo de abril, porém a nova já conta com pouco mais de oito mil inscritos. Diferentemente de outros canais focados nas polêmicas de webcelebridades, Verçosa mostra a cara e usa este fato para tentar uma abordagem mais cômica, simulando links externos onde ele é o repórter e também colocando créditos finais em que seu nome é praticamente o único a aparecer em múltiplas funções.

Crédito: Treta News

Segundo Verçosa, a ideia central é contar os bastidores do YouTube: "Não gosto de chamar de canal de treta. Me arrependo de ter colocado essa palavra no nome". De forma muito semelhante, Fluffy também negou que seu único objetivo seja cobrir brigas. "A ideia do canal é cobrir também assuntos polêmicos na internet que a mídia tradicional deixa de lado na maioria das vezes", diz.

O vídeo mais acessado do New York Treta mostra a carência que esses tipos de canais suprem. Trata-se de uma briga entre webcelebridades da velha guarda, o vlogueiro Felipe Neto e Cid Cidoso, do Não Salvo. Verçosa criou um conteúdo para explicar os motivos da briga – uma brincadeira de Neto sobre Cid ser um vetor de vídeos toscos – e mostrou os desdobramentos da discussão por meio de trechos de posicionamentos de ambos via outras redes sociais, como Snapchat. Fluffy também segue a mesma linha. Muitos de seus vídeos trazem prints de tuítes e outros materiais colhidos desta maneira. A ideia é servir de resumão dos pormenores das vidas dos vloggers.

Tretas não são novidades no YouTube. Na verdade, talvez sirvam como combustível para o site. Canais como o do Felipe Neto criam polêmicas desde 2010. O quadro "Não faz sentido", um dos maiores sucessos do canal, foi um dos primeiros vlogs a falar mal de tudo e todos. Depois dele, vieram muitos revoltados e brigas sem fim. Algumas dessas tretas tiveram até nome, como o Panelacraft. Teve também os irmãos Piologo xingando os youtubers da BGS e o Contente desafiando uma galera. O público gosta de uma faísca e, como é de costume, os youtubers alimentam o fogaréu ao exporem suas opiniões.

Para o professor e doutor em comunicação Dado Schnieder, este é um movimento natural. "Outros meios de comunicação sempre tiveram as 'notícias das celebridades', isso desde a época da rádio-novela", diz. E, segundo ele, levando em consideração a velocidade que as coisas acontecem na internet, "demorou bastante para surgir canais com este caráter de 'culto à celebridade', dedicados exclusivamente a falar de outros youtubers".

Por isso, se você estiver pensando em começar a sua carreira de sucessos com vídeos para internet sem aparecer em um canal desses, mantenha as tretas no seu inbox. Afinal, agora há uma galera vivendo de caçar essas picuinhas.