FYI.

This story is over 5 years old.

Retratos dos DJs Enquanto Jovens

Nossos DJs e produtores preferidos mandaram fotos da infância e nos contam qual sua lembrança musical mais antiga.
DJ Patife e sua mãe.

Falar em Dia das Crianças e não recair sobre os mais belos clichês da data seria, na real, uma grande babaquice. Todos já fomos jovens mancebos, estilo criança viada, prontos a descobrir o mundo e suas maravilhas. Coisas daquele tempo bonito que não volta mais, etc. Sem ironia, o louco é resgatar na memória aquela velha lembrança que se perpetua como uma boa explicação para entendermos quem somos hoje, na vida adulta (ou algo parecido com isso). Afinal, por que nos tornamos o que somos? Perguntamos aos nossos DJs e produtores preferidos qual sua lembrança musical mais antigona. A seguir, eles contam essa história ilustrada por fotos fofas daquele tempo que não volta mais.

Publicidade

Carlos Nunez

"A primeira lembrança musical que tenho (e que me despertou o interesse para música) foi fuçar nos discos do meu pai e colocar pra tocar no "3 em 1" Gradiente em casa: Al Green - Soul Survivor."

MYMK

"Lembro do meu pai voltando de uma viagem de Paris em 1983 com um vinil enorme do Jean Michel Jarre, o disco se chamava Oxygène e ele escutava direto enquanto eu colava nele na poltrona pra ouvir junto. Ficava assustadíssimo com o encarte todo dark, mas vidrado naqueles barulhinhos de synths."

DJ Tricy

"Sobre primeiras lembranças musicais, tenho duas bem nítidas na minha memória. A primeira, (quando ainda só ouvia músicas infantis) eu estava num restaurante com a minha família e depois que a banda parou de tocar, fui lá no palco e pedi para cantar "Doce Mel" da Xuxa, rs.. #mico. A segunda [lembrança], eu já era maiorzinha e curtia muito Madonna e Michael Jackson ( inclusive, torcia todos os dias para que eles se casassem, rs). Nessa época, cheguei a montar um fã clube, (de brincadeira, nada registrado), que se chamava MMJ (nome super criativo #sqn) e eu ficava fazendo as outras crianças do prédio decorarem todos os recortes que eu juntava dos dois e depois fazia perguntas para ver se eles estavam manjando do assunto, rs… Quem errava, "ia pro paredão" e saía do fã clube, rs. Lembro que nesse período, eu cantarolava "La Isla Bonita", da Madonna, (numa fita k7, chamada The Immaculate Collection, que rolava no Meu Primeiro Gradiente) por todos os cantos e inclusive fazia a coreô nos eventos familiares."

Publicidade

Diego Meneses

"As minhas primeiras lembranças musicais são o rádio e os vinis do meu pai. Eles chamavam muito minha atenção. Eu ficava sempre muito curioso tentando descobrir como eles emitiam aquele som legal. Gostava de olhar por muito tempo eles girando no toca-discos. Às vezes o meu pai ficava puto quando eu atrapalhava este seu momento especial."

Palinoia

"Uma das minhas coisas que eu mais curtia quando era pequeno era acordar nos finais de semana com minha mãe ouvindo Tears For Fears estralando no vinil logo cedo. Risos."

Orange Boy

"Quando eu tinha uns seis anos, eu me lembro que minha mãe, dona Liz, guardava todas as vasilhas de casa no lugar mais alto armário porque eu usava tudo de bateria. Até nas latas de Nescau e copos de alumínio eu batucava! Tudo que emitisse um som legal eu fazia de instrumento, para o desespero da minha família."

Formafluida

"Eu estava sempre mexendo em coisas que não eram minhas, só pra como funcionava, pra ver o que acontecia, mudando de estação o tempo todo, no radinho de pilha, gravador k7, encartes rasgados de vinil. Meus pais gravavam muito áudio, meu pai ainda faz isso, vários rolos de fita BASF com coisas aleatórias, que eu ouvia por não ter mais o que fazer. Além da rádio que todo mundo ouvia no carro, especialmente a "Eldorado", que tocava muito new wave repetido. Mas o que ganhava de longe era Caetano dos anos 80, minha família toda era bitolada em Caetano, porque era foda mesmo, em especial "O Estrangeiro" é uma produção que continua muito atual pra mim."

Publicidade

Castelan

"A minha primeira lembrança musical é ouvir o Master of Puppets do Metallica em um loop infinito. Cresci ouvindo metal por influência do meu irmão, ficava vidrado vendo ele tocar as músicas deste álbum na guitarra. Escolhi esta foto porque nela estou com o meu irmão João Vicente em alguma loja de instrumentos musicais, procurar instrumentos nessas lojas foi uma das maiores diversões da minha infância."

Fefa (Sweet Grooves/INVDRS)

"Meu pé já era grande naquela época. ele sempre cresceu mais do que eu. Minha primeira lembrança de música era dançar "Thriller" na sala de casa com a minha mãe e minha irmã. A gente aproveitava o chão de madeira pra simular uns excelentes break dance. Nessa foto, era carnaval de 1990, eu tinha quatro anos. O pior é a fantasia que era de galinha, tinha uma touca, mas eu já tinha tirado uahuhauha tinha usado na apresentação de ballet de fim de ano."

Ruxell

"O primeiro instrumento que tentei tocar na vida foi um cavaco de um amigo de infância, com uns 10 anos de idade. Peguei o instrumento sem sentir a menor afinidade, não saiu uma nota e eu logo vi que aquilo não era pra mim (risos). Quando era bem pequeno não achei que iria me tornar músico um dia e anos depois me arrisquei no violão. De primeira eu achava muito chato, mas logo após comecei a tocar guitarra e esse foi o meu pontapé inicial no mundo da música."

Lennox Hortale

"Nasci no bairro da Tijuca no Rio de Janeiro e lá morei por toda minha infância. Costumava brincar na rua jogando bola, andando de skate e bicicleta até ser atropelado. Aos 12 ano comecei a juntar o dinheiro da merenda pra comprar meus primeiros discos e o restante da história vocês já devem imaginar como foi…"

Publicidade

Mauro Farina

"Minha primeira lembrança de um show que era algo mais… Eu era menor de idade, mas estava lá … Vi o Kurt [Cobain] estuprar um amplificador com a guitarra. Dizem que o show foi um lixo, mas foi o mais importante da minha vida. A primeira vez que vi um clipe em um puta som irado, home teather , foi um vídeo laser do Michael Jackson, do Thriller, algo assim… Foi emocionante."

Mauro Telefunksoul

"Em 1990, eu já ouvia Thaide e Dj Hum e já riscava. Meus primeiros passos foram aos 11 anos e os discos de rap a gente nunca esquece — cresci musicalmente ouvindo soul, black e rap nacional Thaide e DJ Hum , Pavilhão 9, aqui no Brasil e Run DMC, Beastie Boys e llcool J na gringa… Bons tempos. Até conhecer o Afrika Bambaataa e o miami bass ou funkmelody ou freestyle."

Omulu

"Eu não consigo lembrar exatamente o primeiro contato que tive com a música. Mas a primeira música que me marcou bastante foi o "Bolero de Ravel" interpretado pela sinfônica brasileira embaixo de uma réplica da torre Eifel que a Mesbla montou no aterro do Flamengo. Fiquei impressionado com o som de uma orquestra ao vivo e aquela melodia ficou muito tempo ecoando na minha cabeça."

Carol Schutzer (Mamba Negra)

"Infelizmente minha lembrança musical infantil é a de dançar na boquinha da garrafa no Colégio Friburgo com as amigas do primário."

VINÍ

"Minha primeira lembrança musical é, sem dúvidas, a caixinha de fita cassete da minha mãe. Tinha Michael Jackson, Stevie Wonder, Bee Gees, Earth, Wind & Fire, Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Claudinho e Buchecha, Sampa Crew, entre um monte de coisa dos mais variados estilos, que agora não lembro exatamente. Foi ali que aprendi, de forma inconsciente, a não ter nenhum tipo de amarra e muito menos preconceito na música."

Publicidade

QRG

"Eu tinha uma coleçãozinha de vinil quando era bem pequeno. Lembro de ter quebrado uma porrada só de onda, por jogar na parede e escrotisses do tipo. A parada é que meu pai sempre teve mó gosto doido, então eu sempre pegava uns cd's dele pra ouvir, tudo num espectro gigante: Massive Attack, Prodigy, Daft Punk, Jamiroquai, Banda Japonesa tocando disco inspirado em samba e outras coisas que nem vou lembrar mais… Eu passei muito tempo ouvindo coisa que nem sei o que era e mexendo no computador enquanto fingia saber ler inglês."

Pedro Zopelar

"Cresci com música em casa. Nas folgas, meu pai sempre reunia os amigos que tocavam violão e cantavam por horas em casa e eu sempre curti. Lembro muito do grande violonista João Jovino que foi quem me deu meu primeiro instrumento musical que foi esse cavaquinho da foto…"

Érica Alves

"Minha primeira lembrança musical foi aos três ou quatro anos. Minha mãe ouvia Bee Gees bem alto na vitrola de casa (lembro bem das vozes características) e ela me puxou pra dançar. Lembro de achar muito engraçado, mas não entender muito o que estava acontecendo."

Fepa

"Lembro quando era muito pequeno e passava horas na sala da casa dos meus avós ouvindo Harry Belafonte na vitrola e dançando com meu irmão aquele som gostoso e contagiante. Quando tocava "Jump in The Line" a casa ia abaixo. Muitos anos mais tarde fui saber que aquilo era calypso e que vinha de uma tal de Jamaica."

Publicidade

DJ Memê

"Este aniversário de 11 anos marca literalmente o nascimento do DJ que sou hoje. Entre os presentes que ganhei, havia um álbum de vinil chamado DISCO PIRATA com as faixas mixadas entre si, e ali eu ja me perguntei "como faziam isso ??". Pronto ! Foi o primeiro da coleção, e no ano seguinte eu ja estava fazendo minhas festinhas no playground do prédio com esse e outros discos comprados com a minha mesada."

Nyack

"A primeira lembrança musical da minha infância é do meu pai me dando o album Off The Wall, do Michael Jackson. Tinha uns quatro ou cinco anos e me lembro de ter ficado ouvindo o disco inteiro o dia todo, mas quando chegava na faixa-título do disco, eu pedia pro meu pai trocar, porque tinha medo da risada de bruxa maléfica que tem na introdução da música. Foi ali que minha paixão pela música começou."

Erick Jay

"A minha primeira lembrança musical é a de ouvir "Thriller", do Michael Jackson. Tinha medo. Meu pai colocava e eu chorava, saía correndo, abominava. Mas gostava da música sem o clipe."

DJ Paulão

"Uma das minhas primeiras memórias da vida é cantando Belchior em casa no boom do "Rapaz Latino Americano" e pegar a famosa Sonatinha, aquela vitrola portátil vermelhinha cuja tampa se transformava em um par de caixas de som, juntar os discos da vizinhança e fazer festinhas de quintal."

Marcos Leite (sentado no chão)

"Quando eu era criança, acho que com uns seis ou sete anos, estava sentado em frente à TV na casa da minha vó e vi o vídeo de "Fourth Rendez-Vous", do Jean-Michel Jarre. Nunca me esqueci, ficou guardado na minha memória pra sempre. Essa é minha primeira memória musical consciente. Eu disse a alguém, que estava na sala, que queria muito tocar aquilo um dia. E aquele foi talvez o primeiro insight relacionado ao novo e o desconhecido pra mim na música. Simplesmente me pegou sem que eu soubesse o motivo. Algo de futurista e cósmico naquilo tudo, e não sei por que, mas reconheci aquilo. Ainda sou viciado nessa sensação e ainda a sinto quando encontro algo novo na música, à frente desse tempo e acontecendo no agora. Essa música foi lançanda em um álbum que a princípio teria uma faixa gravada no espaço, mas que não deu certo por causa da destruição do ônibus espacial Challenger — o álbum foi dedicado aos astronautas mortos no acidente. Foi a primeira música que eu aprendi a tocar ainda criança. Ainda hoje quando eu a escuto me traz uma sensação de portal incrível. O primeirosintetizador que eu vi na minha vida, sentado com sete anos na sala da casa da minha avó era a visão do meu futuro, eu em si não me dei conta, mas todo o meu corpo e espírito reagiu aquilo como se já soubesse."

Publicidade

Renato Cohen

"Quando eu tinha sete anos, eu e meu pai construimos uma bateria caseira. Nessa época, só tinha um disco, o "Dynasty" do Kiss, que eu acompanhava todas as faixas na bateria."

Akin

"Todos os dias, enquanto um sol invadia a casa, minha mãe, com os olhos marejados, escutava algum disco de sua coleção da Elis Regina. Ela era meu verão musical, meu astro emotivo, meu exemplo de sensibilidade. Meu pai guardava o que eu chamava de "sopro de ouvido"; uma série de discos dos Begees, Billy Paul, The Carpenters, Ray Charles, Miles e todos os icônicos do jazz, Vangelis, Tomita e demais como Emerson, Lake & Palmer e Black Sabbath, que só tocavam uma única vez em nosso toca-disco Gradiente devido à rotina de trabalho que ele seguia.

Sempre existiu música em casa, mas foi minha prima que, no meu aniversário de 10 anos, mudou minha vida ao me presentear com um exemplar do disco Hip-Hop Cultura de Rua, coletânea essencial de rap dos idos de São Bento, que guardo até hoje. Por conta deste disco, aos meus 12 comecei a comprar vinil. De jaqueta de mesma imponência que a dos b-boys e mcs da contra capa do Cultura de Rua, um personagem meio familiar me chamou a atenção em uma prateleira da loja Mappin. Era Michael, do The Jacksons 5, que havia sido sopro de ouvido na memória em carreira solo e jaco preto no álbumBad."

Junior C

"A lembrança musical mais antiga que tenho é de estar ouvindo Pink Floyd com o meu pai. Ele passava os finais de semana na sala ouvindo música, e eu o acompanhava. Na foto, somos eu e minha irmã a caminho da festa junina da escola."

Publicidade

Iggor Cavalera, Mixhell

"Minha primeira lembrança musical vem de um grande colecionador de discos que era meu pai, Graziano Cavalera. Ele tinha uma variedade imensa, que ia da música italiana dos anos 1940, 50 e 60, passando pela disco music até chegar no Black Sabbath."

Laima Leyton, Mixhell

"Aparentemente a primeira música que ouvi na vida foi "She Loves You", dos Beatles, ainda na maternidade. Aos oito anos, achei um disco do meu pai do Kiss, Love Gun, que adorava ouvir sem parar."

Branko

"Acho que a minha lembrança mais antiga de musica foi ouvir o "Can't Touch This" do MC Hammer com o meu pai e com a minha irmã e não conseguir parar de dançar! Não conseguir controlar o corpo pela primeira vez foi sem dúvida foi algo que me marcou."

Anderson Noise

"Minhas primeiras lembranças musicais, acho, são de quando eu tinha cinco ou seis anos e ia pra casa da minha avó. Eu ficava horas ouvido disco music com minhas tias, dentro de casa, e lá fora, com meus tios, ficava na roda de samba. Sem dúvida isso tudo influenciou muito no início da minha carreira, mas a minha vontade de comprar meus próprios discos, aos sete anos, fez meu pai me levar junto com ele para o trabalho. Daí passei a comprar meus discos com o dinheiro que ganhava trabalhando com ele."

João Woo, Apavoramento Sound System

"Minha família tinha uma fita VHS original do Michael Jackson com o videoclipe e o making of do Thriller. Gastei essa fita , ela foi meu fundamento com os breakbeats e arte de fazer clipes. Em todos videos e tracks do Apavoramento, mesmo que seja piscando em dois frames, tem um sampler ou loop do MJ."

Publicidade

Paulo Tessuto

"Minha primeira memoria musical foi um disco de tango q meu avo colocou quando eu tinha trê anos. Na foto, eu e minha prima — eu tinha sete anos."

Sants

"Meu primeiro contato com música foi com um Dynavision que eu ganhei de presente aos cinco anos, em 1997. O Dynavision videogame pirata que tinha a mesma placa gráfica e de som do Nintendinho, eu lembro de jogar um game nele que se chamava Mighty Final Fight, ele tinha umas trilhas que ficaram na minha cabeça pra sempre. Eu com o meu pai na foto."

Tutu Moraes

"A minha memória musical mais remota é de ser embalado pela minha mãe ao som de "João e Maria", do Sivuca e do Chico Buarque de Holanda."

DJ Marky

"Lembro de diversos momentos, mas um que foi marcante aconteceu em 1981 (se não me engano), quando tínhamos uma TV preto e branco Philco e lembro de ver o clip do "The Police Spirits In The Material World" e "Every Little Thing She Does is Magic" sentado no colo do meu pai e foi quando tive certeza de que queria ser músico!"

DJ Patife

"A música mais marcante na minha vida de quando eu ainda era pequeno foi "Billie Jean" (Michael Jackson) Era tão fã que até broche do Michael eu usava."

Gui Boratto

"Aos 5 anos, escutando meu avô materno, maestro, tocando clarineta."

Colaboraram Carla Castellotti, Débora Stevaux, Eduardo Ribeiro, Eduardo Roberto e Peu Araújo.

Siga o THUMP nas redes Facebook // Twitter