Este artigo tem mais de 5 anos.
Fotografia

Ariana não tem nome, tem uma história

O vício. O mais clássico cliché da mulher da vida. A droga. O dinheiro. A prostituição. A venda do corpo para consolo da alma.

Por Nuno Silva; fotos por José Ferreira
27 Fevereiro 2014, 5:11pm

Todas as fotos por José Ferreira.

“Descubro que não me conheço. Todos os dias. Hoje, amanhã. Descubro que não sei de mim e onde fiquei. Perdi-me e assim prefiro deixar-me viver”. Ariana não tem nome, tem uma história. Tem nas veias - aquelas que constantemente viola - camuflada a razão de tamanha apatia. O vício. O mais clássico cliché da mulher da vida. A droga. O dinheiro. A prostituição. A venda do corpo para consolo da alma.

A mim, diz-me: “Já esqueci o corpo que tenho. Uso-o”. Ariana rende-se todas as manhãs à metadona. Aquele ir e voltar, aquela rotina satânica. Ariana não me sabe explicar porque o faz. Parece que dizem que ajuda na cura ou na ressaca. Deixar nunca e isso sabe-o bem. O sabor parece diluir-se mais depressa que os vestígios de cada homem no seu corpo. O efeito, parece nunca existir.


Vê: "A vida de prostitutas toxicodependentes em Adelaide"


Ariana não parece intimidar-se. Aliás, tem cravados em si, perpétuos e massacrantes, os sete anos de prisão em Caxias, por algo que hoje, nada de si tem. Uma história confusa de passaportes e tráficos. Uma daquelas histórias nebulosas, que de quanto maiores, menos se sabe. Sinto-me porco, sujo e culpado. Oiço-a falar de preços e afogo-me numa consequente assunção de um puzzle que parece não querer completar-se. “O preço de uma voltinha? Cinco, 10 euros”.

Aquele corpo, o seu, sustento dela e de outros. O corpo esquecido, maquilhado por horas, volta a casa com a mesma sensação vazia com que partiu. Não se limpa, não se enoja, não assume qualquer remorso das últimas horas em que deu muito.

“Não sei porque o faço. Não os sinto tocarem-me. Sei que todos os dias me levanto e sei que o tenho de fazer. Se vai acabar um dia? A droga acaba comigo".

Vê abaixo mais imagens e acompanha o trabalho do fotógrafo José Ferreira aqui.

145867-1413265981183
145868-1413265979550
145869-1413265979497
145870-1413265978841
145871-1413265979428
145872-1413265978574
145873-1413265978534
145874-1413265977438
145875-1413265977366
145876-1413265976987
145877-1413265976903
145878-1413265976827
145879-1413265976759
145880-1413265976477
145881-1413265975490
145882-1413265975383
145883-1413265974023
145884-1413265974103
145885-1413265973057
145886-1413265973110
145887-1413265971380

Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.