Games

Game de terror lida com os fantasmas da Ditadura Militar no Brasil

'Prison Island' é baseado em histórias reais de tortura detalhadas na Comissão da Verdade.
26 September 2017, 2:18pm
Todas as imagens: Utopia Games/Divulgação

A alguns quilômetros de Porto Alegre, no Lago Guaíba, existe um pedaço de terra popularmente conhecido como Ilha do Presídio. Ali serviu de lugar para várias instalações do governo – de depósito de pólvora do exército no século 19 a laboratório de pesquisa para gripe suína nos anos 1940 –, até finalmente ser usado como um presídio para detentos comuns e políticos da Ditadura Militar.

Leia mais: 'Fish' é o game inspirado na novela 'Kubanacan' que você sempre quis jogar

Entre a sua abertura nos anos 1960 e o fechamento das suas portas em 1983, o presídio foi palco de inúmeras torturas e assassinatos que, assim como tantos outros casos similares dessa época tenebrosa, foram varridos para debaixo do tapete da história brasileira.

Anos depois, um grupo de estudantes de um curso técnico de jogos digitais de Porto Alegre resolve recontar as histórias assustadoras que aconteceram na Ilha do Presídio através de Prison Island, um game que, sem dúvidas, é de terror.

"É um tema que, no Brasil, ainda não é muito falado", me contou Nathália Cruz, uma das fundadoras do estúdio universitário Utopia Games, quando perguntei por que escolheram retratar casos da Ditadura. "É um tema muito escondido do público. Tem gente que acha que a Ditadura foi boa. Tem gente mais velha que acha que era melhor no tempo da Ditadura, que antes era uma maravilha de se viver, que era seguro. Pesquisando sobre as pessoas que foram torturadas na época, sobre as atrocidades que aconteceram, você vê que é importante olhar para esses fatos históricos."

Nathália sempre foi fã de histórias e filmes de terror, e até mantinha um blog sobre o assunto na adolescência. "A gente se inspirou muito no P.T. (Playable Teaser) de Silent Hill e na série Amnésia. Essas são as maiores referências", disse a desenvolvedora, que se inspirou nos novos games do gênero para dar corpo a Prison Island. Mas, diferentemente das fantasias desses jogos, o game brasileiro se baseia em histórias de terror que aconteceram de verdade.

"Inseriam ratos e baratas nas genitálias das pessoas. Eram coisas absurdas que aconteciam e isso não é falado."

O jogo conta a história de uma pesquisadora da Comissão Nacional da Verdade (grupo que investiga as violações de direitos humanos praticadas pela Ditadura Militar) que vai até a ilha atrás de pistas sobre um antigo detento que foi visto pela última vez por lá. A história é baseada em um dos casos mais infames da Ilha do Presídio, do Sargento Manoel Soares, que foi preso pelos agentes do DOPS e cinco meses depois teve o seu corpo encontrado com as mãos amarradas nas águas do lago onde se encontrava a ilha. Para dar ainda mais veracidade aos acontecimentos, o game também traz as cartas que Manoel trocava com a esposa na época do cárcere.

Boa parte da pesquisa dos desenvolvedores é fundamentada justamente nos relatórios publicados pela Comissão da Verdade, que dão detalhes horrendos sobre a realidade na ilha. "Tem várias atrocidades", contou Nathália. "Os documentos da Comissão da Verdade falam que inseriam ratos e baratas nas genitálias das pessoas. Eram coisas absurdas que aconteciam e isso não é falado."

Para Nathália, o Brasil não lidou com os fantasmas da Ditadura. "A gente vê hoje o Bolsonaro fazendo discurso no impeachment da Dilma glorificando o [Coronel Carlos] Ustra, que torturava pessoas durante a Ditadura", disse a desenvolvedora, lembrando que os games podem ser uma maneira de resgatar parte da história brasileira enterrada pelo passado. "A gente queria contar essas histórias através de novas mídias."

Com o jogo, Nathália espera abrir caminho para representações melhores da cultura e história brasileira que, segundo ela, "É muito estereotipada nos games".

"Tem alguns jogos bacanas que exploram outros lados, como o Xilo, do Rodrigo Motta, sobre a cultura brasileira, e o Árida, que ganhou edital da Ancine e fala sobre a Guerra de Canudos", explicou. "Agora estão começando a surgir jogos que exploram a cultura brasileira."

Apesar da vontade de contar mais histórias brasileiras, Nathália esbarra em barreiras comuns a outros desenvolvedores locais. "Até mesmo eu tenho receio de fazer alguma coisa muito regional, que não faça sucesso lá fora e que não dê certo", explicou, "e por isso, os desenvolvedores acabam pegando elementos de culturas estrangeiras, da cultura oriental, da americana, pro jogo ter uma linguagem mais global."

Mesmo assim, Nathália garante que Prison Island é tão interessante para um brasileiro que quer conhecer mais sobre as atrocidades da Ditadura, quanto para um gringo que só está atrás de um jogo de terror. "A gente fala pra eles que o local é real, que existe mesmo essa ilha onde tinha uma prisão onde pessoas foram torturadas e morreram, e essa história de terror funcionaria para qualquer ilha macabra, na Índia, na China, nos EUA", disse. "O conceito já é assustador em si."

Prison Island está em desenvolvimento para PC e deve anunciar uma campanha de financiamento coletivo em breve. Você pode jogar uma demo agora mesmo clicando aqui.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.