Pessoas nos mostraram suas primeiras tattoos feias

Pessoas nos mostraram suas primeiras tattoos feias

“Eu queria alguma coisa de que fosse gostar pro resto da vida, então decidi tatuar o desenho de uma vagina.”

Matéria originalmente publicada na VICE Holanda.

A vida dá segundas chances, mas não quando se trata da primeira tatuagem. Depois que você fez, já era. Você era jovem, estava nervoso e possivelmente bêbado. Você sabia que queria uma tatuagem, mas não sabia exatamente o quê — e agora tem que lidar com o resultado pro resto da vida. Você pode até cobrir com outra coisa, ou só considerar melhor sua próxima tattoo — mas a primeira continua com você. Se você der azar, pode acabar com uma marca da vergonha até o final dos seus dias.

Publicidade

Algumas pessoas me contaram as histórias de suas primeiras tattoos toscas, e ouvi contos de partir o coração sobre tatuadores bêbados, tinta vencida e desenhos zoados de genitais.

Merlijn,19 anos

Foto cortesia de Merlijn.

VICE: Me conta o que aconteceu com seu mamilo.
Merlijn: Minha primeira tatuagem foi inspirada em David Bowie e num antigo apelido, “Thunder Tits”. Uns amigos tocavam numa banda, e tinham uma música sobre uma super-heroína chamada Thunder Tits, que soltava raios pelos peitos. Eles me pediram para interpretar ela no palco durante um show, e o apelido pegou.

Alguns meses depois, decidi que queria o icônico raio do Bowie no meu peito, com o mamilo no lugar do olho. Um colega estava disposto a fazer com um kit de tatuagem emprestado, em troca de um fardinho de cerveja e uma garrafa de vodca.

E como foi?
Nos encontramos na casa do dono do kit de tattoo. Mas não começamos de cara porque a tinta vermelha tinha estragado. Tive que esperar o cara ia até o outro lado da cidade comprar mais tinta, o que levou três horas. Enquanto isso fui ficando mais e mais nervoso, e comecei a beber a vodca que tinha levado.

Quando finalmente começamos, logo percebi que meu desenho era demais para um iniciante — eu não aguentava a dor. Então paramos na metade. Já faz um ano e meio agora, e continuo adiando para terminar o bagulho.

Você se arrepende?
Não tenho certeza — depois descobri que o raio era só a terceira tatuagem que meu colega tinha feito. Ele também não tinha dormido na noite anterior, parece.

Publicidade

Você aprendeu alguma coisa com essa experiência?
Não. Depois deixei um amigo fazer uma tatuagem manual de uma escova de dentes na minha panturrilha, mas um tatuador de verdade me ajudou a consertar um pouco o desenho.

Megan, 24 anos

Foto cortesia da Megan.

VICE: Oi, Megan. Ai ai…
Megan: É, eu sei, parece um rabisco de caneta esferográfica de uma criança de três anos na minha costela, né?

O que aconteceu?
Trabalho num bar no Laos, e meus colegas e eu planejamos tatuar o logo do lugar. Tiramos no palitinho para saber quem ia primeiro, e eu perdi. Como tatuagens são ilegais no Laos, acabamos fazendo num bar todo estranho. Eu estava muito nervosa no caminho, então o tatuador me deu um monte de uísque para me acalmar. Quando a gente começou, eu estava totalmente bêbada e não percebi que o cara também estava bem passado. Depois, quando meus amigos viram minha tattoo, todos deram pra trás. Então agora sou a única com uma tatuagem feia.

Você não ficou puta com eles?
Não muito — provavelmente porque eu faria o mesmo, acho. Me arrependi de ter ido primeiro, mas agora acho engraçado. Talvez eu conserte quando voltar para a Holanda, mas é uma memória legal do meu tempo no Laos.

Manon, 28 anos

Foto cortesia de Manon.

VICE: Quem é Henk?
Manon: O nome do meu ex, na fonte mais feia de todas.

Conta mais.
Eu tinha 18 anos e viajei de férias com uns amigos. Eu estava namorando há quatro meses e sentia muita saudade dele. Eu ligava pra ele todo santo dia e chorava toda vez. Patético, eu sei, mas eu tinha só 18. Tinha um estúdio de tatuagem na praia, lotado com outros moleques de 18 anos fazendo fila para fazer a primeira tatuagem. Eu era um deles, e claro, achava que aquele namorado era o amor da minha vida. Nenhum dos meus amigos tentou me impedir.

Publicidade

Você se arrepende?
Tivemos um relacionamento ótimo por quase quatro anos e continuamos amigos quando nos separamos. Não fico superarrependida quando vejo a tatuagem, só um pouco — não dá pra contornar o fato de que está escrito “Henk” no meu pé. Tenho sorte de ser holandesa e só fazer calor por uns três dias por ano aqui, então na maioria das vezes as pessoas nem veem a tattoo.

Você tem uma segunda tatuagem, certo?
Honestamente, me arrependo mais dessa. É um desenho tosco do símbolo da paz no meu punho esquerdo. Provavelmente vou me livrar dessa antes da “Henk”, porque não dá pra esconder.

Você não prefere cobrir com outra coisa?
Não, porque vou acabar me arrependendo da tatuagem que vier por cima também. Eu me conheço.

Jonna, 21 anos

Foto cortesia da Jonna.

VICE: Como isso aconteceu?
Jonna: Quando tinha 19, eu estava estudando para ser ilustradora, e pegamos um trabalho de fazer um mural para um cinema em Groningen, no norte da Holanda. Projetamos um rascunho na parede, e em certo ponto quando eu estava na frente do muro, uma parte do desenho ficou projetado nas minhas costas. Um dos meus amigos viu uma casinha na projeção, desenhou com uma caneta, e depois sugeriu que eu fizesse uma coisa permanente.

O que o pessoal do estúdio de tatuagem disse?
Eles riram na minha cara. Me fizeram pagar adiantado porque não acreditavam que eu ia realmente fazer. Fiquei um pouco irritada e até comecei a discutir com um deles sobre como a arte não precisava ser sempre esteticamente agradável.

Publicidade

Então você não se arrepende?
Não. Estou feliz com ela. Por que toda tatuagem tem que ser bonita? Até comecei uma conta no Instagram para a minha tatuagem, porque meus amigos mais artísticos — e até estranhos em festas — gostam de desenhar todo tipo de coisa em volta dela.

Nicole, 16 anos

Foto cortesia da Nicole.

VICE: O que aconteceu aí?
Nicole: Um ano atrás, um tatuador fez um concurso no Facebook onde você podia ganhar uma tatuagem por apenas US$30. Uma amiga ganhou, mas perguntei para o tatuador se eu podia ir junto e fazer uma tatuagem pelo mesmo preço, e ele concordou.

O que aconteceu depois?
O cara normalmente trabalha num estúdio, mas para as nossas tattoos, fomos até a casa dele. Ele não pediu minha identidade – acho que ele pensou que eu era mais velha. Minha amiga foi primeiro, e a tatuagem dela ficou legal, então confiei nele. Mas na metade da minha, ele disse “Opa, errei um pouco”. Ele tentou consertar a coisa deixando as letras e o símbolo mais grossos.

Você ficou feliz com ela?
Quando cheguei em casa, achei que tinha ficado OK – mas tem alguns erros, como o “i” flutuando aleatoriamente. É uma bosta, mas vou tentar consertar um dia.

Martijn, 19 anos

Foto cortesia do Martjin.

VICE: O que é isso na sua panturrilha?
Martjin: Eu estava numa festa na casa de alguém e um cara levou uma máquina de tatuagem. E eu pensei “Tatuagem grátis, por que não?” Eu queria alguma coisa de que fosse gostar pro resto da vida, então decidi tatuar o desenho de uma vagina.

Quem fez o desenho?
Achei um pedaço de papel na festa e fiz todo mundo desenhar. A única instrução que dei foi que queria que os lábios fossem o maior possível. No final, tive que escolher entre meu próprio desenho e um da minha amiga Lisa. Depois de consultar minhas irmãs por mensagem do celular, escolhi o desenho da Lisa.

Você se arrepende?
Não. Eu sempre soube que se fizesse uma tattoo, ia ser muito idiota. Sempre rio dela, e é isso que importa. A maioria só entende que é uma vagina depois que conto. E se um dia me arrepender, sempre posso transformá-la num inseto, acho.

<

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .