​Nações Unidas pede soluções para acabar com o tráfico de drogas na deep web
Bandeira das Nações Unidas. Crédito: sanjit/Flickr

​Nações Unidas pede soluções para acabar com o tráfico de drogas na deep web

Agência quer que países criem tecnologias para rastrear e inibir o comércio anônimo nas profundezas da internet.
24.6.16

O comércio de drogas na deep web está em alta. Ao menos é o que o Departamento de Drogas e Criminalidade das Nações Unidas (UNODC) afirma em seu relatório anual, publicado na quinta-feira, dia 24, ao pedir por mais métodos tecnológicos e legislativos que combatam o tráfico nas profundezas da internet.

"As autoridades e o sistema criminal judiciário de vários países não estão em posição de combater de forma eficaz com o comércio online anônimo conhecido como 'deep web'", consta no documento.

Publicidade

É natural que as autoridades estejam com dificuldades para identificar suspeitos na deep web, afinal, os sites rodam em serviços ocultos da rede Tor, a localização de seus servidores é incógnita e os usuários também mascaram seus IPs.

A Europol, o serviço europeu de policiamento, também fez declarações semelhantes as da UNODC. Em um relatório de 2014, a agência escreveu que "as autoridades devem gerar capacidades técnicas de forma a dar suporte a investigações técnicas de suspeitos utilizando a deep web, de acordo com a legislação relevante".

O que seriam essas capacidades de combate não está claro. Sabe-se, porém, que, do outro lado do Atlântico, o FBI passou a se valer de soluções cada vez mais sofisticadas, tais como hackear os PCs de usuários da deep web e pesquisar instituições financiadas pelo Departamento de Defesa para conseguir IPs.

O fato é que as autoridades não lidam apenas com problemas de ordem prática. O UNODC comenta que também é preciso determinar a jurisdição responsável para combater determinado crime quando a localização do suspeito é desconhecida.

Num passado recente, pesquisadores mostraram que fiscalizar a deep web levanta sérias questões de soberania nacional. Quando uma agência invade um usuário da deep web, as autoridades não tem certeza de que país ele está localizado.

As Nações Unidas também pedem por uma legislação que exigiria que os suspeitos descriptografassem seus aparelhos quando acusados de crime. Claro, a criptografia de discos rígidos não é exclusividade de usuários da deep web, basta lembrar o mais recente caso no setor, o do iPhone de San Bernardino, que nada tinha a ver com deep web.

Contudo, o UNODC quer ver mudanças na área. "O fornecimento de assistência técnica e capacitação de Estados Membros a coletar e usar evidências digitais é essencial para lidar com a ameaça imposta pelo tráfico de drogas via internet", conclui o relatório.

Tradução: Thiago "Índio" Silva