emprego

Como tornar o seu trabalho menos chato

Encontrar um emprego significativo que te inspira — assim como um empregador que recompensa seus talentos — pode ajudar muito a não odiar sua vida.
Madalena Maltez
Traduzido por Madalena Maltez
MS
Traduzido por Marina Schnoor
22.6.18
Foto: ©Patrick Zachmann/Magnum Photos.

O som do seu despertador te enche de uma sensação de resignação, ou até desespero, por mais um dia de trabalho escroto pela frente? A probabilidade é que esse seja exatamente o caso. Só 16% das pessoas com um emprego fixo, segundo uma pesquisa da Gallup, disseram se sentir engajadas em seus empregos. Apesar de o número ter subido (em 2013 era de 13%), ainda é uma realidade triste.

Um trabalho significativo se correlaciona positivamente com todo tipo de benefício emocional e psicológico, do bem-estar do empregado a níveis mais altos de inovação e produtividade. A parte difícil é encontrar isso, principalmente porque uma carreira que é significativa para uma pessoa pode parecer vazia para outra, dependendo do que motiva cada uma.

Publicidade

A psicóloga Tatjana Schnell separa a probabilidade de você encontrar um trabalho significativo em quatro fatores centrais: quão bem seu emprego se relaciona com suas forças pessoais, a significância social do seu trabalho, se você acha que seu empregador é ético, e o papel do empregador em impactar positivamente a sociedade numa escala mais ampla. Claro, quão importante cada fator é para você é altamente subjetivo.

Para te ajudar a encontrar um trabalho que você realmente goste (ou até ame), aqui vão algumas dicas apoiadas por pesquisas para se engajar mais no seu emprego atual — ou encontrar uma vocação que pareça ser seu chamado.

Lutando contra a indiferença existencial

Falta de busca pessoal é uma razão-chave para pessoas acabarem numa carreira que não as anima. Isso é especialmente problemático para jovens trabalhadores que se sentem sobrecarregados pelo mercado de trabalho moderno, e que acabam vítimas da “indiferença existencial”, diz Schnell, que se especializou na busca de significado na vida.

“Pessoas existencialmente indiferentes acreditam que não podem controlar a própria vida, e que sua competência é insuficiente”, ela disse. “E mais, elas relatam uma relutância em explorar e entender a si mesmas.”

Um jeito de sair dessa rotina psicológica é tirar um tempo para refletir sobre experiências de trabalho passadas.

“Acho que passamos de emprego para emprego sem nem parar cinco ou dez minutos e dizer: 'O que mais gostei nisso? O que aprendi?'”, diz Beverly Kaye, autora de vários best-sellers sobre engajamento na carreira. “Passamos rápido demais para a próxima coisa sem tirar um tempo para analisar o que fizemos e aprendemos, as partes disso que nos excitaram e as que não nos satisfizeram.”

Publicidade

Quando o trabalhador tem um entendimento firme de seus próprios talentos, fraquezas e motivações, ele está melhor equipado para abrir um diálogo significativo com gerentes e mentores — um passo crucial para um engajamento mais forte no trabalho. Para aqueles que se sentem intimidados demais para pedir ao chefe um tempo para discutir seus objetivos e preferências, ou que sentem que seus gerentes não são receptivos, Kaye recomenda começar falando com colegas, e construir um plano de ação a partir daí.

Seja o chefe do seu dia de trabalho

Mesmo se você não adora seu trabalho, uma das melhores maneiras de se engajar com ele é escrever suas tarefas e priorizá-las. “Planejamento dá ao empregado uma sensação de controle e posse de seu trabalho, o que é importante para achar seu trabalho significativo”, disse o psicólogo organizacional Justin Weinhardt, coautor de um estudo de 2018 publicado no Journal of Applied Psychology, que comparou a eficácia das técnicas de planejamento de 187 profissionais de vários campos.

Por que empregados deixam uma empresa:

1 a gerência
2 falta de plano de carreira
3 burocracia e políticas
4 trabalho sem significado
5 falta de reconhecimento e recompensas

“Planejamento de contingência”, uma estratégia de antecipar distrações no local de trabalho, era especialmente eficaz em melhorar a produtividade e o engajamento. “Empregados precisam monitorar as horas do dia onde têm muitas distrações, e precisam descobrir como voltar aos trilhos depois dessas interrupções”, aconselhou Weinhardt.

Publicidade

Um jeito de refocar nas tarefas depois de uma distração, como indivíduo, é praticar a atenção total e consciência dos seus próprios hábitos ruins de procrastinação, disse o especialista em produtividade em negócios Edward G. Brown ao Washington Post. Por exemplo, você pode colocar um limite no número de vezes que olha seu e-mail pessoal ou visita seu site preferido.

Também ajudar exigir um tempo de concentração não interrompida do seu gerente, especialmente se você trabalha num escritório aberto e ambientes similares, onde interrupções frequentes são mais prováveis. Weinhardt recomenda que pessoas nessa situação combinem uma hora de sessão de trabalho com os colegas, o que também funciona como exercício em equipe, ou agendar trabalho pessoal num formato estilo reunião, para os colegas de trabalho pensarem duas vezes antes de te distrair.

“As pessoas raramente interrompem reuniões”, disse Weinhardt. “Honestamente, sempre faço isso.”

Lembre-se que dinheiro ≠ significado

Dinheiro é um motivador central de trabalho para muitas pessoas, mas não necessariamente a razão para alguém se engajar em seu trabalho. Na verdade, o impacto do salário no bem-estar emocional expira por volta de US$ 75 mil (uns R$ 270 mil, na cotação atual) por ano, como relatado na pesquisa de 2010 do economista comportamental Daniel Kahneman para o PNAS. “Renda alta compra satisfação, mas não felicidade, e renda baixa é associada com avaliação baixa de vida e bem-estar emocional”, diz o estudo. (Um segundo estudo do mesmo ano, publicado no Journal of Vocational Behavior, descobriu que não há correlação essencial entre salário e satisfação no emprego.)

O site de dados de emprego PayScale ranqueou algumas das carreiras mais significativas com base numa combinação de salário, satisfação e significado. Alguns dos trabalhos no topo incluem clero, professor, cirurgião, psiquiatra e outros trabalhos associados com serviço público. Trabalhadores em alguns dos trabalhos de menor salário, como professor de jardim de infância, que geralmente ganha menos de US$ 40 mil (uns R$ 150 mil) por ano, relataram taxas surpreendentemente altas de satisfação, assim como aqueles nos trabalhos mais bem pagos, incluindo anestesiologistas, cujo salário médio é de quase US$ 300 mil (próximo de R$ 1,1 milhão) por ano.

Em outras palavras, quando você está em busca de uma vocação, é melhor deixar suas paixões pessoais — e mais importante, o tipo de pessoa com quem você gosta de trabalhar — guiar sua tomada de decisão, em vez de se focar apenas no salário, ou você pode acabar um estado permanente de indiferença existencial.

Matéria originalmente publicada na VICE US.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.