FYI.

This story is over 5 years old.

Vice Blog

Apresentamos-te os missionários cristãos de Ibiza

Se estiveste recentemente em Ibiza quase de certeza que sabes quem é o Charlie Clayton.
27 July 2015, 10:53am

Um voluntário de 24-7 Ibiza (à direita). Todas as imagens são cortesia de 24-7 Ibiza.

Se estiveste recentemente em Ibiza - com ecstasy até dizer chega, até bater com o maxilar inferior, tão mamado que os olhos quase te saem das órbitas, tão, mas tão empanturrado de ecstasy que perdeste o telemóvel e acabaste a noite perdido, a dormir na berma de uma estrada, a beijar o chão, com baba a escorrer, e foste pisado por vários grupos de despedidas de solteiro, então quase de certeza que sabes quem é o Charlie Clayton.

Charlie, acompanhado pela sua mulher, Abby, e um grupo de voluntários, é o responsável de 24/7 Ibiza, um colectivo de jovens, cristãos, vestidos com t-shirts pretas, que actuam na zona este de San Antonio. Devotos do Senhor no epicentro da mamadice. Todas as noites, entre as 23h e as 7h da manhã, dedicam-se a recolher as baixas, na batalha perdida da guerra contra as drogas. No meio desta árdua tarefa ainda conseguem arranjar tempo para dirigir as almas destes desgraçados até ao Senhor.

24/7 Ibiza existe desde 2002. Começou como um grupo de oração, na ilha. "Mas não podes ir para um sítio e pôr-te a rezar, ignorando as necessidades dos outros", explica Clayton, para justificar a mudança de rumo do grupo.

Na Ibiza de 2015, podemos encontrar estes cristãos na zona dos bares tão ou mais entusiasmados que os próprios relações públicas, mas a questão é se o seu esforço se vê, ou não, recompensado. Deus foi a Ibiza este Verão? Falei com Charlie Clayton para averiguar esta situação.

Charlie Clayton.

VICE: Olá, Charlie! Estiveste a trabalhar hoje à noite? Suponho que tenham o vosso próprio veículo. Como é que se chama? A Vómitoneta?

Charlie Clayton: Talvez a melhor forma de o definir seja "assistência nocturna". Funciona assim: metade da equipa está na sala de oração, a rezar, e a outra metade anda pelas ruas. Trocamos de hora em hora. Por isso, se alguém bebeu demasiado ou tomou demasiada droga, acompanhamo-lo até casa - às vezes numa cadeira de rodas - ou, se a sua casa é longe, levamo-lo na Vómitoneta.

Quantas pessoas encontram por noite?

Na temporada passada ajudámos mais de mil pessoas.

E depois entram logo com o tema Jesus?

Se virmos que estão muito bêbedos, não é o momento para falar com eles sobre fé. Mas quando não estamos a ajudar pessoas a voltar para casa, perguntamos nas ruas: "Gostavas que rezássemos por algo?", e, surpreendentemente, muitas vezes, a resposta é sim.

A sério? Por que coisas pedem para rezarem?

Pelas suas famílias, os seus trabalhos ou o futuro, quando estão doentes ou a atravessar uma fase má. Às vezes fazem pedidos um bocado parvos, mas não faz mal. Não estamos à procura de orações perfeitamente estruturadas.

Encontram algum tipo de resistência mais violenta?

Raramente. Mesmo que muita gente não entenda muito bem o que ali estamos a fazer, são bastante tolerantes. Respeitam-nos. Ao fim e ao cabo, estão aqui de férias.

Já alguém se virou contra vocês enquanto ajudavam?

Não de forma intencionada. Às vezes é porque se sentem confusos, mas estão acompanhados pelos amigos, o que ajuda muito.

Video da equipa de 24-7 Ibiza em acção.

Deves ver coisas muita malucas nesta zona. Não te deprime ver todos esses narcisistas drogados, perdidos, de orgia em orgia?

Não. Preferimos encará-lo como se Jesus tivesse entrado nas suas desastrosas vidas para purificá-los e ajudá-los a chegar a casa.

Mas, como é que te sentes, rodeado por este ambiente de festa? Não te sentes marginalizado, rodeado de coisas das quais tu não fazes parte?

Não somos contra esta cultura. Eu, pessoalmente, não sou muito de ir a discotecas, mas há malta da equipa que vai e bebe álcool, embora não em excesso. Não consomem drogas ilegais. Ou seja, não somos contra. Vamos lá ver, à nossa maneira também fazemos parte desta cultura.

A malta da tua equipa tem alguma discoteca preferida?

Trocamos de equipa de duas em duas semanas e levamos todos os recém-chegados à Ushuaïa e ao Hotel Ibiza Rocks. Queremos que o pessoal venha e experimente a vida na ilha, de todas as formas possíveis.

Voluntários de 24-7 Ibiza.

Dirias que têm tido sucesso? Há quem tenha vindo a Ibiza passar umas férias loucas e tenha regressado totalmente devoto a Jesus?

Sim, já houve gente que veio a Ibiza e depois tornou-se cristã. Ajudamos muita gente à qual nunca mais voltamos a ver. Mas não é assim que medimos os nossos êxitos.

Gostas da música das discotecas?

Não gosto muito de sair à noite, mas gosto de música... No ano passado lembro-me desta canção dos Swedish House Mafia: "Don't You Worry Child" [a letra diz: _Heaven has a plan for you_]; também havia outra, a "Hallelujah", e ainda "God is a DJ". Há muitas imagens espirituais presentes na música. Ibiza é um lugar muito espiritual. É um sítio muito tolerante com a fé.

Achas que meter cinco pastilhas e dançar ao ritmo de uma música chamada "Hallelujah" pode ser considerado uma forma legítima de manifestar uma epifania religiosa similar ao cristianismo?

Não consigo estabelecer nenhuma relação entre alguém que mete cinco pastilhas e dança numa discoteca com algum tipo de confissão.

Por outro lado, muitas pessoas se sentem mais positivas quando tomam pastilhas, mais conscientes do seu lugar na ordem mística das coisas e, regra geral, melhores pessoas. Nunca te sentiste tentado por estes argumentos?

É uma pergunta difícil. Não se podem apoiar as drogas ilegais precisamente porque são ilegais. Sim, claro que as pessoas que tomam pastilhas parecem muito felizes. Vemos imensos casos assim, e cria-se uma atmosfera que pode ser... interessante. Mas não acho que uma droga possa tornar-te numa pessoa melhor. A maior parte das vezes, a malta que levamos a casa tomou demasiado ecstasy e isso não é nada benéfico para o seu corpo, mesmo que a sua mente esteja a adorar.

Se o ecstasy não é a resposta, poderias descrever que efeitos tem Jesus sobre o corpo humano?

Deixa-me pensar... O efeito de Jesus no coração é o que te faz acreditar que a humanidade foi criada para relacionar-se com Deus. Isso satisfaz a alma. Aqui há muita gente que procura constantemente, que tenta preencher esse vazio com o álcool ou com as drogas. Apenas Jesus pode preenchê-lo.

E isso é bom?

É incrível.

Muito obrigado, Charlie.

Segue o Gavin em @gavhaynes