A primeira escola a ser ocupada, E.E. Fernão Dias Paes. Foto: Jardiel Carvalho/ R.U.A Foto Coletivo

'Escolas de luta': o livro que conta a história das ocupações dos secundaristas em SP

A primeira experiência política de boa parte dos secundaristas paulistas virou publicação impressa.

|
set 14 2016, 1:00pm

A primeira escola a ser ocupada, E.E. Fernão Dias Paes. Foto: Jardiel Carvalho/ R.U.A Foto Coletivo

Se houve alguém que riscou o fósforo e incendiou o debate sobre educação pública brasileira nas últimas décadas foram os estudantes secundaristas de São Paulo durante o segundo semestre de 2015. A pressão feita por eles com as ocupações das escolas estaduais fez com que o governo de Geraldo Alckmin (PSDB) retrocedesse no plano de reorganização que pretendia cumprir, fechando unidades e transferindo alunos arbitrariamente. A luta se estendeu pelo Brasil. Exitosa, a primeira experiência política de boa parte dessa meninada serve como mote do livro Escolas de Luta, da editora Veneta, que será lançado oficialmente no dia 24 deste mês.

Capa do livro Escola de Luta, com foto de Sérgio Silva.

A publicação, que já se encontra nas livrarias, é assinada pelo trio acadêmico formado por Antonia M. Campos, mestre em sociologia pela Unicamp; Jonas Medeiros, doutorando em educação pela Unicamp e pesquisador do Cebrap (Centro Brasileiro de Análise e Planejamento); e Márcio M. Ribeiro, professor do bacharelado em sistemas de informação na EACH/USP e membro do GPoPAI (Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas de Acesso à Informação).

"Foi uma revolta que nasceu da vida escolar daqueles sujeitos, a partir dos problemas vividos ali", justifica a socióloga Antonia M. Campos, uma das autoras

Na época, ainda sem a pretensão de fazer um livro, Antonia e Jonas passaram a frequentar as ocupações e entrevistar os estudantes a fim de registrar e coletar dados. "Quando um evento histórico pega os cientistas sociais de surpresa, não há tempo de ir a campo enquanto aquilo existe. E depois ficamos todos correndo atrás do prejuízo para reconstruir empiricamente determinados processos", pondera Antonia. Na sequência, Márcio, que já possuía experiência de militância autônoma e em ocupações, se juntou à dupla.

Escola Estadual Fernão Dias Paes durante ocupação. Novembro/ 2015. Foto: Rodrigo Zaim/ R.U.A Foto Coletivo

Antonia delimita um ângulo essencial que desencadeou nas escolas ocupadas e foi pouco – ou quase nada –­ explorado pela imprensa. "Muita gente acha que as ocupações foram as primeiras medidas tomadas pelos estudantes contra a 'reorganização', mas, na realidade, elas foram uma última medida, quase de desespero, mas deu muito certo", pontua a socióloga. "Antes disso eles tinham tentando de tudo, desde atos de rua até apelos ao secretário, a vereadores e aos dirigentes regionais de ensino." A VICE, inclusive, esteve em um dos protestos organizado pelos secundaristas, que terminou com carros apedrejados e bombas de gás lacrimogêneo arremessadas pela Polícia Militar (PM) em frente ao Palácio dos Bandeirantes, no Morumbi, sede administrativa do governo Alckmin.

Assista ao documentário "São Paulo: Educação Ocupada"

O trio de pesquisadores teve como objetivo alcançar as escolas ocupadas na periferia e na Grande São Paulo, já que o foco da imprensa eram as unidades localizadas na região central. As reações dos alunos, conta Antonia, eram das mais diversas. Em alguns momentos de desconfiança, as entrevistas foram realizadas na calçada. Já outros estudantes convidavam os pesquisadores para almoçar e fazer tours pelas ocupações.

Escola Estadual Cefam Diadema. Novembro/ 2015. Foto: Felipe Larozza/ VICE

"Ficamos impressionados tanto com a convicção no discurso quanto com a resistência na prática", rememora a pesquisadora, que viu os jovens se organizando em comissões de limpeza, comunicação e segurança. Nas escolas, não havia hierarquia. Não havia um movimento estudantil sólido ou partidário por trás do planejamento dos próprios alunos. Cada um cumpria com suas funções. "Uma força assim, considerando que se tratou da primeira experiência de luta de muitos ali, só pode vir da concretude daquela indignação. Não foi uma indignação que veio de fora, trazida por uma ideia abstrata de educação pública, foi uma revolta que nasceu da vida escolar daqueles sujeitos, a partir dos problemas vividos ali."

Escolas de Luta é recheado de histórias, depoimentos, informações e reproduções do que alguns veículos publicaram na época. "Não há pretensões acadêmicas ou grandes interpretações, é um livro que tenta reconstruir um processo do ponto de vista dos estudantes, com o objetivo de registrar e potencializar suas vozes", define a socióloga.

A publicação traz a curadoria de imagens do fotojornalista Jardiel Carvalho, integrante do R.U.A Foto Coletivo e colaborador frequente da VICE. As fotos que aparecem nesta matéria estão no livro e já haviam sido publicadas por aqui. Já a imagem que ilustra a capa do livro é do fotógrafo Sérgio Silva.

Título: Escolas de luta
Autores: Antonia M. Campos, Jonas Medeiros, Márcio M. Ribeiro
Curadoria de imagens: Jardiel Carvalho
Editora: Veneta
Páginas: 352
Preço: 49,90

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.


Mais VICE
Canais VICE