Como é comandar a maior enciclopédia de drogas do mundo

O PsychonautWiki é uma fonte online sobre mais de 300 alucinógenos.

|
20 dezembro 2018, 9:00am

Foto: David Meulenbeld.

A PsychonautWiki é uma enciclopédia de drogas online que visa documentar num tom claro e acadêmico toda substância alucinógena conhecida e seus efeitos. É louco: o site conta com sumários sobre drogas obscuras como o 5-MeO-DiBF ou 25B-NBOMe, termos geralmente usados por traficantes da deep web como descrição.

Até agora, o grupo – formado principalmente por estudantes de PhD de vários países como EUA, Alemanha, Irã e Suíça – já documentou mais de 300 alucinógenos.

A PsychonautWiki não é a primeira tentativa de criar uma enciclopédia de drogas online, mas é o caso de maior sucesso. Hoje o site atrai cerca de um milhão de visitantes por mês, um quarto deles vindo da deep web. Atualmente, a principal pessoa por trás do projeto é o engenheiro de software alemão Kenan Sulayman. Falei com o berlinense de 23 anos por Skype para saber como é comandar uma base de dados de drogas tão abrangente.

VICE: Oi, Kenan. O que te inspirou para fazer a PsychonautWiki?

Kenan Sulayman : Desde de sempre me senti atraído para fazer coisas que ultrapassam barreiras típicas. Essa atitude já me colocou em muitas encrencas. Fui expulso de vários colégios e geralmente me consideravam um outsider. Mas uma coisa que sempre foi minha paixão é programação – acho muito bonito poder escrever uma coisa e ver isso ganhar vida. Com isso aprendi muito sobre o Tor.

Como você foi do Tor e da deep web para o site?

Tudo começou com o blog de Josie Kins, Disregard Everything I Say. Kins e seus leitores tentaram criar uma visão geral clara de todos os efeitos que psicodélicos podem ter em pessoas. Esse projeto se tornou maior que o blog, então ela criou a Wiki. Primeiro ela se chamava Encyclopedia Psychonautica, mas tenta pronunciar isso. Logo essa ideia se transformou na PsychonautWiki. (Nota do editor: a pronúncia continua foda.)

Quem é Josie e por que você está comandando o projeto agora?

É uma história meio longa. Josie era uma mulher trans da Inglaterra que conheci no começo de 2016 enquanto ela trabalhava na Wiki com uma americana chamada Jenny. Elas se conheceram no blog e depois Josie se mudou para ficar com a Jenny.

Quando me juntei ao projeto eu era só um colaborador, mas rapidamente percebi que a ideia era realmente apaixonante e eu queria ajudá-la a crescer. Esse se tornou meu maior hobby. Me foquei em profissionalizar a coisa toda: trouxe mais voluntários e ajudei a criar diretrizes para os artigos. Por exemplo, nunca usamos a palavra “drogas”, já que isso tem uma conotação ruim em várias línguas. Coloquei minha experiência como engenheiro de software para ajudar a ideia a crescer.

Uma coisa que me preocupava no projeto era a relação pouco saudável que nossos colaboradores tinham com drogas. Antes de me juntar a Wiki, alguns escritores morreram de overdose e ninguém parecia achar isso um problema. Eles usavam de tudo, como o 3-MeO-PCP – um tipo de ketamina que pode te deixar psicótico. Tinha um cara que colaborava muito com o site no começo, mas acabou perdendo o controle e atacou uma idosa. Ele está preso agora.

Deve ser difícil comandar um site quando seus colaboradores estão enlouquecidos e atacando idosos.

E não foi só isso. Outro dos nossos administradores estava usando a mesma coisa e ficou extremamente paranóico. Ele começou a acreditar que todos os colaboradores estavam sendo controlados por alienígenas e acabou transformando a homepage num templo para esses extraterrestres. Para mim, esse era outro sinal de que a organização precisava ser profissionalizada.

Como você transformou tudo isso num site que funcionasse normalmente?

Com muita paciência. Claro, levou tempo para as pessoas me conhecerem. Assumi todas as responsabilidades técnicas e comecei a fazer pequenas edições. Foi assim que lentamente ganhei a confiança de todo mundo. Foi desconfortável no começo – eu não estava acostumado com um ambiente onde as pessoas agissem tão loucamente; às vezes eu me sentia meio que um terapeuta. Eventualmente fui assumindo mais e mais responsabilidades. Aí, no fim de 2016, nos encontramos em Durham, onde usamos muitas drogas juntos. Pareceu meio que uma iniciação que aproximou todos nós. Foi lá que pude conhecer Josie e Jenny melhor. Pelo lado negativo, comecei a notar que as coisas não estavam indo muito bem para elas.

Como assim?

Prefiro não entrar em detalhes, mas posso dizer que a Jenny faleceu em 2017 depois de misturar benzodiazepinas e antipsicóticos. Foi o que nos fez acordar. Nesse ponto, a Josie já não era mais capaz de trabalhar. Então, em 2017, assumi o site. Se não tivesse feito isso, o projeto teria desmoronado. Hoje, 20 mil edições depois, estamos nos trilhos de novo.

O que mudou quando você assumiu o comando?

Coloquei mais estrutura no projeto, com um grupo central de editores. Você tem que contribuir ativamente para ser parte e não pode atacar os outros editores. A PsychonautWiki precisa ser um lugar onde as pessoas se sintam seguras. Também tentei melhorar a qualidade dos artigos. Por exemplo, muitos dos sumários de certas substâncias eram claramente escritos por pessoas que tinham acabado de experimentá-las. Então introduzimos outra regra dizendo que você não pode escrever um artigo quando ainda estiver sob a influência de qualquer tipo de droga.

Como você garante isso?

Fazendo uma limpeza editorial. Muitos artigos eram escritos de maneira irresponsável. Às vezes, por exemplo, a página sobre heroína dizia “se certifique de usar agulhas limpas”. Se você coloca isso assim para um usuário, ele vai achar que tudo bem usar heroína desde que tenha uma agulha limpa.

Uma das coisas mais notáveis que fazemos agora é colocar alertas no topo de certas páginas. Fazemos isso com coisas que os usuários realmente precisam ter cuidado – certas combinações e quantidades perigosas. Não queremos julgar ninguém, só nos baseamos nos fatos. Ainda acredito que as pessoas devem ser livres para cometer seus próprios erros.

Matéria originalmente publicada pela VICE Holanda.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais VICE
Canais VICE