Publicidade
Entretenimento

As minas que usam o YouTube para ensinar a assentar azulejo e rebocar parede

Quem são as youtubers que empoderam mulheres na construção civil.

por Rennan A. Julio
30 Março 2017, 3:15pm

A primeira vez que Paloma Cipriano trabalhou com argamassa na vida foi aos 16 anos de idade. A menina de Sete Lagoas, em Minas Gerais, estava cansada. Não aguentava mais ver sua casa em obras. O local estava em construção desde que havia nascido e sua mãe não conseguia dar sequência aos reparos. Foi aí que Paloma decidiu ajudar. Mais que acostumada a viver sem uma figura masculina — nunca viu a cara do pai —, a jovem não esperou pedreiro algum para meter a mão na argamassa.

Inscreveu-se em um curso de alvenaria, pesquisou o que precisava na internet, instalou o piso do seu quarto e não parou mais. Sete anos depois, Paloma segue reformando a casa. Só que agora filma e compartilha o que sabe com outras pessoas. A jovem de 23 anos é uma força na web, principalmente para as minas. Mostra que elas não precisam depender de pedreiro nenhum.

Paloma não é a única. Além do seu canal no YouTube, não faltam iniciativas empoderadoras. São diversos os canais, coletivos e produtoras de conteúdo que seguem a ascendente linha do faça você mesmo, também conhecido por do it yourself e bricolagem. Mesmo assim, a mineira segue uma temática nem tão explorada por outras garotas. Ela se especializou em construção civil, e a resposta tem sido ótima. São 100 mil inscritos em seu canal. "Vejo o pessoal falar que é diferente uma menina assentando cimento. Para mim, é normal. Sempre fiz na minha casa", conta.

Quem acessa os seus vídeos encontra de tudo: "como aplicar massa corrida", "como assentar azulejo", "como rejuntar piso" e muito mais. Seu vídeo mais assistido, "como rebocar parede", tem mais de 2 milhões e 300 mil visualizações. "Esse vídeo ainda faz muito sucesso. Depois de um tempo comecei a receber mensagens de mulheres que estavam reproduzindo em suas casas. Me inspirou a continuar gravando", diz.

A resposta positiva fica ainda mais clara nos comentários dos vídeos no YouTube. Apesar dos dizeres machistas e misóginos, não faltam mulheres expressando o apreço pelo trabalho que realiza. "Talvez não tenha noção de quanto isso muda a vidas das pessoas. Mas fico feliz e surpresa pelos comentários que recebo." Sobre o seu feminismo, no entanto, Paloma afirma estar digerindo a informação que recebe. Sente-se orgulhosa por ajudar "mulheres que antes esperavam o marido para fazer uma coisa e agora não esperam mais".

"Isso não vai fazer com o que o mundo mude, mas pode ajudar um pouquinho. Só de algumas mulheres sentirem vontade de tomar à frente o que antes era quase que completamente feito por homens eu já me sinto feliz", conta. Animada com a resposta, hoje foca toda a sua atenção no canal. Largou o estágio para produzir mais vídeos e já conta com alguns patrocinadores. "Agora quero terminar a reforma em casa", diz.

Faça você mesma

Na mesma pegada de Paloma também está bombando o canal Diycore, criado por Karla Amadori, catarinense de Lebon Régis. Mais fiel ao estilo faça você mesmo, Karla ensina seus mais de 500 mil assinantes a fazer uma porrada de coisa. Desde pintura básica e baús estofados até racks e painéis de madeira.

Formada em design de interiores, a jovem teve a ideia do canal em 2015, quando quis reformar seu quarto. A ideia era fazer um rack com caixotes de feira, mas não sabia nem como começar. Foi ao YouTube em busca de ajuda para o manuseio de ferramentas e não achou nada muito específico sobre os tais caixotes. Quando foi montar a peça decidiu gravar e publicar no site. O vídeo bombou — hoje conta com mais de 1 milhão de visualizações — e o sucesso a fez lançar o canal.

Karla Amadori ensinando a pintar paredes. Crédito: Reprodução

Com a resposta positiva do primeiro vídeo, ela começou a gravar outros trampos, tipo construir o armário do seu quarto e os móveis que queria colocar lá. Logo de cara, várias mulheres começaram a se manifestar sobre o conteúdo do canal: as minas adoraram e começaram a sugerir outros temas.

Karla também diz que não iniciou o seu projeto com o pleno objetivo de ajudar outras mulheres a se sentirem mais seguras para adentrar na área de marcenaria e decoração. Foi natural. "Quando viram uma mulher mexendo com ferramentas, fazendo o que na grande maiorias das vezes é feito por homens, elas se inspiraram. Fui alimentando essa coragem e hoje muitas falam que que querem encarar esses desafios", conta.

Nos seus comentários também não faltam mulheres de diferentes idades agradecendo as dicas. O Diycore, curiosamente, também é um puta sucesso entre os homens. Segundo Karla, eles já começam a crescer e muito nos comentários dos vídeos. "Mulher predomina um pouco mais, mas agora está bem masculino. Não sei se eles são mais quietos e só comentam depois de assistirem vários vídeos, mas sei que é um público que cresce."

Independentemente de quem é maioria, Karla está feliz em incentivar pessoas a colocarem a mão na massa. "Elas se sentem capazes de fazer e produzir e isso é muito legal da corrente faça você mesma", diz. Ela também recebe contato de gente do Brasil inteiro para mostrar a sua influência na vida delas. "Recebo mensagem de mulher que não tinha coragem de mexer em nada e agora se sente mega feliz ao instalar um chuveiro ou pintar uma parede. Isso é muito bom. Estão se inspirando no meu trabalho."

Por que uma mina não sonha em ser marceneira quando criança?

Por causa de mulheres como Paloma e Karla, o YouTube está chamando a atenção de iniciativas como a Lumberjills, uma marcenaria fundada e tocada por duas minas feministas que lutam para mostrar que não há profissão que elas não possam dominar. O curioso é que a empresa não nasceu com o intuito de ser feminista. Tornou-se depois de tanto machismo e assédio que as fundadoras sofreram dentro do setor.

Criado pelas paulistanas Leticia Piagentini e Fernanda Sanino, o negócio se especializou em marcenaria customizada. O cliente pede e as minas fazem. As duas largaram tudo para abrir o negócio. Elas nunca tinham trampado com marcenaria antes na vida. Tinham na conta um curso básico e a vontade de abrir um negócio juntas. Encararam o machismo em suas tradicionais famílias italianas, que não viram sentido em duas mulheres bem-sucedidas largarem tudo para construir móveis, e meteram a cara a pau.

Leticia Piagentini e Fernanda Sanino, fundadoras da Lumberjills, marcenaria feminista. Crédito: Divulgação

"A gente não começou na militância, mas em pouco tempo deu pra perceber o quanto ela seria importante. Começamos a sofrer muito preconceito entre família e amigos e vimos que a empresa tinha que abraçar essa bandeira", diz Fernanda. Além do núcleo familiar, ela fala que o foda é ainda ter que lidar com o machismo do setor, mesmo depois de três anos de empresa. "Quero um dia falar que sou marceneira e não causar espanto em ninguém", conta.

Menos pior seria se fosse só o espanto. Fernanda conta que já passou por situações de assédio assustadoras. Uma vez, quando foi realizar o trabalho em um imóvel, se viu sozinha junto com outros 20 homens trabalhando na reforma da casa. Em pouco tempo, pelo menos 15 deles pararam seus trabalhos para assistir a marceneira realizar o seu. "Em um quarto fechado, com esse bando de cara encarando. Eu tava fazendo uma cabeceira e os caras começaram a falar de usar a cama. Foi horrível. Eu estava completamente rendida. Não aguentei, saí para almoçar e pedi para retornar um dia que não tivesse mais ninguém trabalhando na casa", diz a jovem.

Mesmo assim, Fernanda está muito feliz com o sucesso do negócio. E mais contente ainda com o impacto entre as mulheres. "O mundo está mudando. Devagar, mas está. Estamos lutando contra o machismo. E o nosso trabalho vai mostrar que as mulheres podem ser marceneiras se elas quiserem." E é exatamente por isso que elas já começam a dar seus passos no YouTube. O canal da Lumberjills já conta com alguns vídeos próprios.

A dupla diz que falta tempo para fazer mais vídeos. Passam o dia inteiro na oficina trabalhando nos pedidos dos seus clientes. Mesmo assim, acreditam no empoderamento que passam quando compartilham conhecimentos específicos como os que têm. "A gente quer muito produzir mais desse conteúdo. Já compramos a câmera e temos uma parceira para editar os vídeos. Queremos fazer a mulherada colocar a mão na massa", diz. Além disso, a empresa também realiza aulas para mulheres que querem aprender sobre o setor. "Estamos fazendo de tudo para as minas quebrarem essa barreira e entrarem no mercado. Afinal, por que uma menina não sonha em ser marceneira quando é criança? Está na hora disso mudar."

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal MOTHERBOARD.
Siga o Motherboard Brasil no Facebook e no Twitter.
Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter e Instagram .