Boletim Matutino da VICE

Tudo o que você precisa saber sobre o mundo esta manhã com curadoria da VICE.

|
28 setembro 2018, 12:51pm

Agência Brasil

Eleições

Ex-mulher acusou Bolsonaro de furto de cofre, agressividade e ocultação de patrimônio

A separação litigiosa de Jair Bolsonaro (PSL) e da ex-mulher dele foi além da disputa pela guarda do filho do casal e incluiu acusações de furto de cofre, ocultação de bens e relatos de "comportamento explosivo" e "desmedida agressividade" do hoje candidato à Presidência da República pelo PSL. As informações constam de um processo de cerca de 500 páginas obtido pela revista Veja e revelado na noite desta quinta-feira (27). No documento, Ana Cristina Siqueira Valle acusou seu ex-marido de ocultar milhões de reais em patrimônio pessoal na prestação de contas à Justiça Eleitoral em 2006, quando foi candidato a deputado federal — e eleito em seguida. Segundo a revista, Ana Cristina também acusou o ex-marido de furtar US$ 30 mil e mais R$ 800 mil —sendo R$ 600 mil em joias e mais R$ 200 mil em dinheiro vivo— de um cofre que ela mantinha em agência do Banco do Brasil, em 26 de outubro de 2007. – Folha de S. Paulo

Tribunal Superior Eleitoral barra candidatura de Anthony Garotinho

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou nesta quinta-feira (27), por unanimidade, o registro da candidatura de Anthony Garotinho (PRP) ao governo do Rio de Janeiro. Todos os 7 membros da Corte votaram por negar recurso da defesa contra decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), que já havia barrado a candidatura, com base na lei da Ficha Limpa. Em tese, Garotinho ainda poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas a decisão do TSE terá efeito imediato. Com isso, o ex-governador foi impedido de fazer campanha e veicular propaganda no rádio e na TV. – G1

Acusado de abuso por CPI da Pedofilia denuncia senador Magno Malta por tortura

Com o objetivo de ganhar os holofotes da mídia na véspera de disputar a reeleição para o Senado, em 2010, o senador Magno Malta (PR) é acusado de usar uma menina de dois anos e seus pais. O pai, que mais tarde foi inocentado, respondeu por estupro da criança e a mãe por ter sido conivente com o fato. O senador colocou o caso na mídia do Estado e do país na época, ganhando espaço até na imprensa internacional, legitimando a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, rebatizada de CPI dos Maus-Tratos, da qual ainda é presidente. Seu alvo principal foi o então cobrador de ônibus Luiz Alves de Lima, à época com 35 anos, acusado de ter violentado a própria filha, então com dois anos. O acusado passou nove meses preso, até ser declarado inocente pela Justiça. Durante a prisão Lima relata que foi torturado fisicamente nas dependências do Centro de Detenção Provisória de Cariacica (CPDC), até quase ser morto. Dentre as práticas de tortura a que foi submetido no local, aponta asfixia com sacola na cabeça; choques elétricos, principalmente no órgão genital; e surras. Como consequência das torturas, diz que ficou cego do olho direito e tem visão parcial do esquerdo (só enxerga entre 20 e 25%). Afirma que também teve dentes arrancados por alicates. – Século Diário

Ex-governador de Goiás Marconi Perillo é alvo de busca e apreensão em operação da PF

A operação Cash Delivery, deflagrada na manhã desta sexta-feira, 28, pela Polícia Federal (PF), realiza busca e apreensão em endereços ligados ao ex-governador de Goiás e candidato ao Senado pelo PSDB, Marconi Perillo. A investigação teve como base os relatos dos delatores Fernando Reis e Alexandre Barrados. Em suas colaborações, eles citaram terem repassado R$ 10 milhões a Perillo - R$ 2 milhões na eleição de 2010 e outros R$ 8 milhões em 2014. Em nota, a defesa de Perillo diz que "a busca e apreensão na residência do ex-governador a nove dias da eleição assume um caráter claramente eleitoreiro e demonstra um abuso por parte do Ministério Publico e do Poder Judiciário". – UOL

Bolsonaro não vai participar de debate da Globo por recomendação médica

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, não vai participar do debate da Globo com os presidenciáveis na próxima semana por recomendação médica, mesmo que tenha alta hospitalar até domingo, disse à Reuters o presidente do partido, Gustavo Bebianno, nesta quinta-feira (27). “Não, não (vai participar do debate da Globo), ele não pode falar por tempo prolongado. Há uma forte recomendação médica (para) que ele evite ao máximo falar porque na fala ele produz gases no abdômen e isso dá uma distensão abdominal, aí ele sente muitas dores. Pelo menos mais uma semana, 10 dias, ele deve procurar não falar muito”, disse Bebianno. O debate com os presidenciáveis na Rede Globo – emissora líder de audiência no país – está marcado para 4 de outubro, a três dias do primeiro turno da eleição. – Exame

Alexandre Frota é condenado a indenizar Gilberto Gil em R$ 20 mil

Alexandre Frota foi condenado a indenizar Gilberto Gil em R$ 20 mil, por danos morais, por causa de postagens ofensivas no Twitter. O ex-ator pornô e atual candidato a deputado federal em São Paulo teria dito que Gil não pode mais "roubar livremente recursos oriundos da Lei Rouanet". A decisão é da juíza Rafaella Ávila de Souza Tuffy Felippe, da 50ª Vara Cível do Rio, na ação movida pelo compositor, alegando que a postagem causou angústia e sofrimento para sua família. Frota alegou que apenas realizou críticas repercutidas em matérias amplamente divulgadas pela imprensa, relativas à suspeita de utilização indevida, pelo autor, de recursos provenientes de políticas públicas de fomento à cultura. Na decisão, a juíza diz que o ator fez "afirmações desprovidas de qualquer lastro probatório, causando danos à imagem e à honra do autor". – UOL

Brasil

Justiça condena PM por corromper testemunhas no caso Amarildo

Os desembargadores da 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio condenaram o soldado da Polícia Militar (PM) Bruno Medeiros Athanasio a uma pena de 4 anos de reclusão, em regime aberto, pela participação no plano de corromper duas testemunhas que prestariam depoimento no caso do desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, ocorrido em agosto de 2013. Amarildo foi preso na favela da Rocinha, zona sul do Rio, por militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) e seu corpo não foi encontrado até hoje. Os acusados ofereceram R$ 850 em dinheiro e o aluguel de uma casa fora da comunidade da Rocinha para uma moradora, a fim de que ela prestasse depoimento fictício sobre os inquéritos da Polícia Militar e da Divisão de Homicídios da Polícia Civil que buscavam apurar o envolvimento de policiais militares no desaparecimento de Amarildo. – Agência Brasil

Aluno coloca fogo em prova e quase incendeia escola em Itaguaí, no RJ

Um princípio de incêndio causou pânico nos alunos do Ciep Senador Teotônio Vilella, em Itaguaí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (27). A escola quase foi incendiada depois que um aluno resolveu colocar fogo na prova. Os alunos tiveram que sair às pressas da sala de aula, pois a chama se espalhou rapidamente para a cadeira onde o jovem estava sentado. No momento do incidente, a professora de Português estava virada para o quadro. Desesperados, alunos e funcionários começaram a apagar o fogo com os extintores e mangueiras de incêndio. Um professor foi levado ao hospital por inalar fumaça. – G1

Mundo

Polícia holandesa frustra 'grande atentado terrorista'

As forças de segurança da Holanda detiveram sete suspeitos de planejar um "grande atentado terrorista" no país com cinturões de explosivos e fuzis de assalto AK-47, informou o Ministério Público do país nesta quinta-feira (27). Os detidos planejavam "causar numerosas vítimas" e seu plano estava em uma "fase muito avançada", explicou a instituição. Durante uma investigação que durou vários meses, a polícia observou um grupo de pessoas ligadas a um iraquiano de 34 anos condenado em 2017 por tentar entrar em território controlado pelo grupo Estado Islâmico. Os detidos, originários das regiões de Arnhem e Roterdã, têm entre 21 e 34 anos, incluindo dois já condenados por tentarem viajar para zonas jihadistas no Iraque e na Síria. – G1

Regulador do mercado nos EUA processa Elon Musk por suspeita de fraude

A SEC (Securities and Exchange Commission), agência federal que regulamenta os mercados de valores mobiliários dos Estados Unidos, entrou com uma ação nesta quinta-feira (27) contra Elon Musk, acusando o executivo-chefe da Tesla de fazer declarações públicas falsas com potencial de prejudicar investidores da companhia. O processo, aberto em um tribunal federal em Nova York, busca impedir que Musk atue como executivo ou diretor de empresas de capital aberto. A medida está relacionada a uma postagem que Musk fez em uma rede social em 7 de agosto. Nela, afirmou ter "fundos garantidos" para fechar o capital da Tesla. – Folha de S. Paulo

Mais VICE
Canais VICE