Publicidade
Outros

O Guia das Minas para Ser Uma Miga Firmeza

Como encarar essa transa da amizade na vida real.

por Lucy Hancock, Roisin Kiberd e Javaria Akbar
11 Junho 2015, 8:30pm

(Foto por Jamie Clifton)

A amizade entre mulheres é estranha, maravilhosa e de uma intensidade perversa. Ter um ~elo feminino~ forte é um pouco como se você estivesse nadando pelada nas emoções o tempo todo, sem precisar se preocupar com aquele pedaço de pele descascando na narina ou se alguém vai ver o contorno quase imperceptível da sua vulva, porque sempre vai ter alguém lá – seu confessionário pessoal sensível – para te avisar discretamente.

Quando o coração é arrancado do peito, tem uma amiga por perto para pegá-lo de volta e ajudar a tirar os caquinhos dele. Uma boa amiga é uma pessoa que vai sentir a vibe certa na hora certa e aparecer sem cerimônia na sua porta com uma linha completa de docinhos do mercado. Uma boa amiga é aquela para quem você pode dizer coisas bestas sem pensar, do tipo: "Fala a verdade, você acha que as pessoas acham que eu estou na moda?" no escuro das duas da manhã sem medo de recriminação.

Veja como ser uma miga desse tipo.

(Foto por Bruno Bayley)

SEJA PARCEIRA NA PAQUERA ATÉ O FIM

Você está na frente da balada. Surtando porque todo mundo reparou no suor embaixo do seu peito agora que o sol está nascendo. O som dos pardais acordando e gritando está te deixando decepcionada com você mesma. Você olha para a sua amiga e ela está com aquela cara arregalada.

"O fulaninho tem um monte de bebida em casa", diz ela, cheia de lamúria e súplica. Você está tão perto do seu apartamento, mas por algum motivo, ela gosta muito desse sujeito que tem uns amigos estranhos, e está óbvio que ela quer transar com ele. O problema é que ela não quer ir para lá sozinha, por motivo de cuidado com estranhos, e também por causa daqueles amigos esquisitos.

E é assim que você vai parar no apartamento de um prédio novo às cinco da manhã, assistindo um cara com um sapato pontudo dando teco em cima da capa do DVD de Se Beber, Não Case! Parte II. Ao fundo, está passando a KISS TV e o Amigo Estranho encarou aquela música nova do Trey Songz como uma deixa para colocar a mão nas suas costas. Aí você se arranca do sofá de couro marrom e vai no banheiro, onde se vê abrindo a bula de um remédio para gripe e limpando distraidamente as torneiras com uma flanela por mais de 45 minutos. Você ouve uma risadinha no corredor, seguida de uma respirada profunda quando pulseiras e nádegas se chocam contra a parede.

No dia seguinte, como retribuição, você vai obrigar a amiga a te dizer por que o sexo vai assombrá-la para o resto da vida depois que ela sair para comprar um suco de manga no mercado para você.

(Foto por Olivia Percy)

FICA DE BOA COM A FESTA DE ANIVERSÁRIO RIDÍCULA DELA

Se fosse por você e pelas suas melhores amigas de verdade – aquelas que já viram todas as suas verrugas e lembram daquela vez que você cagou em uma toalha –, vocês só precisariam de cinco garrafas de Casillero del Diablo, um pacote de biscoitos recheados e um cartão de aniversário caseiro bem ofensivo. Quem melhor te conhece tem as menores expectativas, o que significa que você pode dançar as músicas da Paris Hilton na sinceridade e segurar a mão delas quando elas dizem que você é a melhor pessoa e tem a clavícula mais bonita de todas as amigas.

No entanto, envolva gente de fora do seu círculo mais íntimo e o aniversário pode dar até coceira de tanto estresse. A amiga do trabalho da aniversariante, leu uma matéria qualquer e agora você passa o almoço participando de um grupo de WhatsApp para fazer a coisa toda acontecer. Por causa do fluxo de indiretas agressivas do grupo, você aceita contribuir com 40 lcontos para comprar uma chaleira de bolinhas.

A próxima etapa – a festa em si – vai ser tão elaborada e multifacetada que você pode até se perguntar se a amiga está com uma doença terminal e essa é a lista de tudo que ela quer fazer antes de morrer, mas ninguém te contou ainda. Inevitavelmente vai ter uma batida em uma "porta secreta" ou uma aula de como fazer Cosmopolitan, ou – o pior da porra toda – ter que usar uma fantasia de bicho. E aí vem a comida, momento em que você é largada ao lado da amiga de escola e conversa sobre netball e o coelho de estimação dela, que anda bem doente. Você paga 120 pilas pela pior noite desde o dia em que sua mãe contou que ia se divorciar do seu pai.

Mas se segura, porque tem uma vida toda de eventos desse tipo pela frente. Sem dúvida, você já ouviu os presságios das grandes estadistas do passado: boatos de despedidas de solteira de 300 realidades num balneário, listas de casamento em que todos os presentes são da Tok Stok. Em alguns anos, até suas amigas mais próximas vão pedir para você desembolsar duzentão num sapato de cetim roxo de dama de honra, então aceita que dói menos e agradece pelo ensaio completo. E dito isso:

SEM MESQUINHARIA COM DINHEIRO

Por mais que dividir a conta nesse tipo de coisa te dê vontade de dar um pulo, jogar um prato num estranho e gritar "EU NÃO PEDI NOZES E AZEITONA", deve-se manter o decoro e encarar o golpe. Pague a sua parte, porque não pagar é tecnicamente roubar das amigas. Não seja aquela pessoa que diz "Pessoal, por que a gente não compra mais salgadinho?", dá uma de Beyoncé na hora de pedir e de repente vira Annie quando chega a conta.

(Foto por Jamie Clifton)

GONGUE SEMPRE AS INIMIGAS SEM JULGAMENTO NEM INQUÉRITO

Você precisa abandonar todas as formas de racionalidade quando sua amiga precisa de uma aliada. "A sicrana é uma vaca", ela diz. "Ela falou que o meu cabelo é 'armado'. Quem é que diz uma coisa dessas, porra?", explica, com toda a fúria que o momento pede. "Nossa", você responde, fingindo revolta, congelando toda atividade cerebral. "Que escrota."

Frases como "meu chefe é um idiota", "a menina que mora comigo nunca dá comida para o peixe" e "acho que a namorada do meu irmão está roubando meus elásticos de cabelo" podem ser todas respondidas com sucesso usando essa mesma solução rápida. A outra opção é simplesmente reformular a oração original e repetir deixando a voz mais aguda até que a última palavra só seja audível para os morcegos. "O quê? Ela nunca dá comida para o peixe e a sei-lá-quem está roubando os seus elásticos??"

Com a técnica do agudo, você nem precisa ficar do lado de ninguém, porque já valida o sentimento da amiga ao falar igual a uma idiota.

EVITE DILUIR A AMIZADE COM OUTRAS DE MERDA

A essa altura você já sabe não fazer amizade com meninas que postam muitas frases inspiradoras no Instagram e fazem uma cantoria suave de harmonias da Mariah Carey bem baixinho. Ou com gente que se identifica como chocólatra ou viciada em compras, ou diz que "odeia melodrama", mas está na cara que ama fazer drama até o talo.

Desde que você saiu da escola, provavelmente chegou à conclusão que essas meninas eram aquelas que você achava descoladas. Suas amigas adultas são melhores que isso. Elas são espirituosas, riem alto, entendem o noticiário e nunca na vida vocês tiveram alguma conversa sobre esmalte de unha. Dito isso, toda mulher tem pelo menos uma amiga chatinha que tecnicamente meio que odeia. Uma menina que transborda de opiniões horríveis e tem cheiro de Coco Mademoiselle e couro macio e não tem vergonha de falar sem pudores sobre pilates no transporte público. Ela é gostosa e assustadora, uma pessoa que você quer ao mesmo tempo ser e socar. Mas também é alguém que se comunica com tanta facilidade com as suas inseguranças do segundo colegial que não tem como resistir aos convites dela para o brunch.

Será uma grande noite, em que ela primeiro te pega numa emboscada com um singular excesso de intimidade forçada. Essa amiga inocente que te chama para ir no banheiro com ela te agarra pelo pulso com aquela pegada gelada e leva num ato conspiratório para longe dos amigos homens até o corredor do banheiro. "NOSSA, amei seu vestido – é in-crível", grita na sua cara. "Não dá para acreditar que a gente não era amiga antes! Tá, vou ser sincera: acho que é porque você me deixava inibida. Ai, não tem nada a ver, mas o seu amigo fala de mim?", afirma com o braço serpenteando pelo seu. Só porque vocês mostraram o peito uma para a outra na várzea e ela te contou uma história angustiante sobre aquilo que aconteceu com ela no primeiro bailinho da escola que ela foi não quer dizer que vocês são melhores amigas. Significa que vocês usaram muitas drogas.

Nesse estágio avançado da vida, não é o tipo de amiga que você está precisando fazer, principalmente quando já tem um grupo robusto de melhores amigas para dar conta. Sim, eu sei que ela pediu para você posar para o blog de moda dela, "Milly Loves", e isso é bom para o moral. Mas lembre-se: a Milly não te ama como suas amigas de verdade porque a Milly não é capaz de amar.

(Foto por Bruno Bayley)

ACEITE A PAIXONITE BIZARRA DELAS PELO CELSO PORTIOLLI

Você tem a obrigação moral de manter semissegredo de uma paixonite esquisita da sua amiga ("semi" quer dizer que não tem problema abrir a matraca depois de meia garrafa de vinho e começar a entrar no território do "lembra aquela vez que você fez aquela coisa muito vergonha-alheia?"). Não estou falando do tipo de paixonite que se torna aceitável quando eles começam a fazer sucesso no Twitter, tipo #Milibae. Estou falando de uma queda por Celso Portiolli, Alexandre Nero ou o novo gerente de atendimento que dá uma cafungada nervosa nos dedos toda vez que sai do banheiro do trabalho.

Você nunca vai conseguir entender nem racionalizar a atração desse tipo de paixonite inexplicável, por mais que reflita sobre o assunto. Mas é preciso aceitar, porque um dia você também vai se sentir atraída por alguém que ao mesmo tempo faz o coração suspirar e a acidez estomacal chegar rápido na sua garganta.

TENHA SEMPRE PETISCOS

Um petisco dividido entre amigas é uma coisa maravilhosa. Uma barra de chocolate ou, na hora da dificuldade, uma única balinha cheia de fiapo de dentro da bolsa dá uma lubrificada nas engrenagens de qualquer amizade, como uma esguichada de WD-40 num escorregador infantil. Até aquele bolo velho que está na sua bolsa há quinze dias será o suficiente se você tem uma amiga prestes a ficar insuportável de fome. Ou uma daquelas amigas que nunca não está com fome e que responde a toda pergunta ligada a comida com "quero".

Uma vez, essa amiga comeu uma tigela inteira de pimenta e uma colherada de limão em conserva por causa de uma aposta e passou a tarde inteira vomitando. Antes de jantar, perguntei: "Quer um chocolate?" Ela respondeu: "Quero". Ela nunca não está com fome.

(Foto por Sam Hiscox)

DÁ UMA FORÇA NA HORA DO GORFO

Menina pode até ter tudo a ver com menstruação sincronizada e fazer xixi na frente das amigas, mas pelas propriedades de arruinar a noite, vômito é, de longe, o maior teste de uma amizade. Quando a coisa fica brava, a brava fica rude e gorfa na sua bolsa.

Pergunte a qualquer grupo de meninas e elas vão contar de pelo menos uma noite que acabou mais cedo porque elas tiveram que limpar gorfo, olhar para gorfo ou tirar gorfo do cabelo da parça. Se você é a vomitona, prepare-se para sentir que ninguém te quer e ninguém te ama. "Meu celular ficou sem bateria", dizem as amigas. "Não consegui te encontrar", elas mentem, mesmo depois de passarem por você na entrada do banheiro químico. Por outro lado, é só ver outro vomitão cambaleando no horizonte que o impulso de correr na direção contrária é irresistível.

Mas cabe a você sair das trincheiras, porque de que valem as parças se elas não podem estar lá para te deitar de lado para você melhorar? Claro, ninguém quer passar aquela festa de ano novo lendária agachada na privada segurando um tufo de cabelo encharcado de Prosecco, mas é isso aí. Essa é a transa da amizade na vida real.

@lucyannhancock / @roisinthemirror / @javaria_akbar