Identidade

Babu, um negro sob os olhares do racismo brasileiro

Uma das maiores e mais consistentes​ tradições brasileiras é o racismo, desses que a gente encontra nas interações do dia-a-dia.
16 Março 2020, 4:28pm
babu-ilustra

Uma das maiores e mais consistentes tradições brasileiras é o racismo, desses que a gente encontra nas interações do dia-a-dia. As expressões que ficam seguras na privacidade dos pensamentos e dos pequenos julgamentos que fazemos sobre cada ação. Ocasionalmente, esses atos de racismo podem se transformar em expressões maiores e demonstrações claras de supremacia racial, principalmente através de ofensas verbais. Todavia, os olhares de repulsa e os preconceitos que colocam a pessoa negra em determinada posição continuam protegidos pela subjetividade, essa que tem se desmascarado na última edição do Big Brother Brasil em 2020

Alexandre da Silva Santana, o Babu, é um dos dois participantes negros da casa, junto com Thelma, que são a minoria representativa da maioria da sociedade. Negros passam de 55% da sociedade brasileira – há quem tente relativizar esse dado, questionando a negritude de pessoas pardas. Aqui eu gosto de evocar a definição da própria intelectualidade negra brasileira que nega todas as classificações criadas pelos teóricos do racismo científico do passado:

Um brasileiro é designado preto, negro, moreno, mulato, crioulo, pardo, mestiço, cabra - ou qualquer outro eufemismo; e o que todo mundo compreende imediatamente é que se trata de um homem de cor, um negro não importa a gradação da cor da sua pele. - O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado - Abdias do Nascimento

Superado esse entendimento podemos seguir para o olhar que a sociedade tem sobre essa parcela da população. A começar pela própria produção, que tende sempre a representar negros como minoria, estabelecendo um tipo de cota fixa de participantes, dificilmente passando de dois negros por ano. Nesse aspecto, compartilho da tese de Jessé Souza de que a mídia não constrói o conhecimento, mas reproduz e estabelece a percepção na sociedade do racismo defendido pelos teóricos do passado. O que a Globo faz é naturalizar a superioridade numérica branca em um país onde ela não deveria existir e, assim, dificultando as chances da sua audiência se acostumar com vencedores negros no BBB.

Defender essa dificuldade da vitória representativa seria loucura, não fosse os ideais propagados pela “Elite Intelectual” brasileira do século passado. Eles construíram os estereótipos que são reproduzidos pelos participantes da edição em torno de Babu.

“Nenhum homem de bom senso, bem esclarecido sobre os fatos, poderá crer que em geral o negro valha tanto quanto o branco e muito menos seja-lhe superior. E se assim é, torna-se impossível acreditar que logo que sejam afastadas todas as incapacidades civis, desde que a carreira lhes seja aberta e que não sejam nem oprimidos nem favorecidos, nossos irmãos prognáticos possam lutar com vantagem com os seus irmãos melhor favorecidos de cérebro”

Esse trecho de Thomas Henry Huxley é defendido e discutido por um dos maiores teóricos do racismo científico no nosso país, Raimundo Nina Rodrigues, em sua obra As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. O pai da psiquiatria e antropologia criminal brasileira defendia um código penal distinto para as consideradas raças inferiores que, segundo ele, desenvolviam máculas morais e intelectuais. Note que na descrição de Huxley, (e nas obras de Nina Rodrigues) enquanto descreve a inferioridade de pessoas negras, os chama de irmãos. Essa condescendência é característica marcante do racismo brasileiro.

Quando negros conseguem acessar as oportunidades de destaque, são com esses “eufemismos” racistas que tem que lidar. “A Marcela me olha igual minha patroa”, disse o Babu, logo após a saída de Lucas do BBB 20. Ele ainda completou com “um ranço abstrato, é o jeito de olhar, eu já recebi muito aqueles olhares”.

Um ranço abstrato erguido por uma sociedade com um racismo dúbio, que não ousava declarar abertamente “eu odeio negros”, mas utilizava-se de artifícios indiretos para manter essa população hierarquizada. Desde a abolição da escravidão manifestações culturais negras eram vistas como nocivas em uma sociedade totalmente dependente da imagem européia em seu estilo de vida. Isso levou a criação da Lei da Vadiagem, em 1942, que criminalizava "habitualmente à ociosidade” e quem não tinha uma renda de trabalho que pudesse comprovar. Homens negros acabaram se tornando as maiores vítimas dessa criminalização. O Brasil manteve o desprestígio direcionado aos escravos e importou mão de obra européia para substituir a força de trabalho.

O próprio Fernando Henrique Cardoso, enquanto sociólogo, afirmou que “o processo de não-reconhecimento social do escravo gerou consequências deletérias para o liberto inserido na nascente da sociedade de classes”. Consequências que arrastamos enquanto não discutirmos diretamente a imagem de pessoas negras, refletidas pela Imprensa e pela Televisão.

É mais certo que encontramos negros em programas policiais do que em realitys que falam sobre gastronomia, moda, cultura. A superioridade branca é reafirmada nas dimensões ligadas a diversão e intelectualidade, enquanto sobra para homens como o Babu a imagem do agressivo e do rabugento, colocando ele no lugar pré-estabelecido pelo racismo. Um desses lugares é a cozinha, como a gente ouvia muito no passado o dito popular de quem “tem um pé na cozinha”. Para os participantes, esse é o lugar do Babu em uma posição inferior na casa, a Xêpa. Numa das polêmicas, Marcela soltou: “Juro, eu tenho dó, porque ele está há muito tempo na xepa. Eu pensaria em tirar ele um dia" e foi respondida por Daniel com "E a imagem dele só vejo lá [na xepa], agora, aqui [no vip] não vejo a imagem dele.

O Big Brother Brasil 20 está se mostrando um espelho perfeito de como funciona o racismo cordial brasileiro. Duvido que algum dos participantes vai dizer abertamente que não gosta da cor do Babu, nem os inventores do racismo tupiniquim faziam isso. Basta ler alguns para perceber que a covardia expressa no eufemismo é o DNA do nosso preconceito. Cada dia que sobreviver no jogo, Babu vai enfrentar as dinâmicas racistas brasileiras, que ficam mais fortes na medida que ele se aproxima do topo na hierarquia social sem abandonar os ideais da negritude. Quando não for discriminado dentro do programa, será nas redes sociais ou pela própria sociedade que empurra um ator talentoso para a necessidade de se sujeitar a esse tipo de exposição, na expectativa de não ser mais um desconhecido e conseguir mais trabalho para sobreviver.

Em sua coluna pra VICE, o autor de sci-fi & fantasia afro-americana e pesquisador Ale Santos traz os contextos das causas raciais em questões culturais, políticas e até do entretenimento de nosso país. Esta coluna é um esforço de compartilhamento de conhecimento numa época em que o negacionismo cresce e influencia diretamente o imaginário das pessoas. Bem vindo ao Guia Historicamente Correto do Brasil.

Siga o Ale Santos no Twitter.

Siga a VICE Brasil no Facebook , Twitter , Instagram e YouTube .