Quantcast
Motherboard

O cambista que quebrou as pernas da Ticketmaster

Ele usava bots para comprar milhões de ingressos e acabar com as gigantes do mercado. Agora quer combater a prática.

Jason Koebler

Jason Koebler

Uma versão desta história foi publicada na edição de fevereiro da revista VICE.

Em fevereiro de 2005, ao levar o primeiro Grammy da noite, o U2 subiu no palco e anunciou a turnê Vertigo, que estava por vir. "Por conta de circunstâncias que estão fora do nosso controle, muitos fãs desafortunados não conseguiram ingressos", disse o baterista Larry Mullen Jr. "Em nome da banda, gostaria de pedir desculpas."

O motivo desse infortúnio? Ken Lowson, o cambista mais famoso e bem-sucedido da história, havia comprado quase todos os 500 ingressos de pista disponíveis para o fã-clube, para cada show.

"Quando começaram as vendas, compramos 496 ingressos em Nova York, 492 em Boston e 496 em Los Angeles", me contou Lowson, o antigo CEO da Wiseguy Tickets, em um dos diversos telefonemas que trocamos nos últimos seis meses. "Eles se desculparam no Grammy por nossa causa, e ofereceram uma segunda rodada de vendas para compensar. Compramos todos os ingressos bons da segunda rodada também."

U2 é um dos poucos grupos musicais que já aludiu ao fato dos ingressos não serem vendidos diretamente para os fãs. Durante mais de uma década, a Wiseguy foi a bambambã da revenda de ingressos. A empresa praticamente faliu a Ticketmaster usando um dos primeiros "bots de ingressos", um programa automatizado que comprou e revendeu milhões de ingressos entre 1999 e a prisão de Lowson por acusações de fraude, em 2010.

A praga dos bots de ingressos e a imoralidade dos gatunos que os utilizam são de conhecimento geral, e estão tão impregnados na consciência do público, impassíveis de punição, que o projeto de lei para banir os bots foi aprovado pelas duas câmaras do congresso americano ano passado, por unanimidade, em parte graças a uma ilustre campanha de relações públicas, protagonizada por Lin-Manuel Miranda, criador do musical   Hamilton.

Contudo, ninguém da indústria cambista acredita que a proibição de bots vá de fato desacelerar o mercado secundário. Sete anos depois da invasão do escritório da Wiseguy por agentes armados do FBI, Lowson me contou que virou a casaca. Agora, ele está disposto a desembuchar os segredos da indústria dos ingressos, numa tentativa de garantir a venda direta para os fãs.

Leia o resto da reportagem eMotherboard.